saindo de férias…

saindo-de-ferias-1

 

a “ana” faz uma pausa e retorna em 30 de janeiro de 2017… valeu e até a volta!

saúde e anarquia!

agência de notícias anarquistas-ana

Chegou o verão!
Sob sol e chuva crescem
Sonhos para o ano

Luana Marques

Comprar bolos na Argentina pode ser um ato anarquista

comprar-bolos-na-argentina-pode-ser-um-ato-anarq-1

 

Por Eduardo Bravo

Nas confeitarias argentinas não é a mesma coisa pedir um sonho e um suspiro de monja (doce também semelhante a um sonho). Sem embargo, optar por um ou outro nome pode mostrar uma atitude que se remonta as origens do movimento anarquista no país.

Em 1885 o pensador e militante anarquista Errico Malatesta decidiu se estabelecer na Argentina. O país sul-americano parecia um bom lugar para escapar das autoridades europeias. Os governos da Suíça, Espanha, França, Bélgica e Inglaterra e, obviamente da Itália, estavam fartos de Malatesta. Suas atividades revolucionárias o haviam levado até mesmo ao Egito, de onde havia sido expulso. Definitivamente a América parecia um bom lugar para uma mudança de ares.

Em Buenos Aires Malatesta começou a divulgar o ideal anarquista entre os trabalhadores. Com sua ajuda e de Ettore Mattei surgiram os primeiros sindicatos libertários argentinos. Entre eles se destacava a Sociedade Cosmopolita de Resistência e Colocação de Obreiros Padeiros. As autoridades argentinas não tardaram a conhecer suas atividades e depois de outra campanha de acosso, Malatesta rumou para Itália. Sem embargo, em apenas quatro anos sua mensagem havia conseguido ecoar entre os trabalhadores, mais do que podia imaginar.

Sendo o sindicato dos padeiros um sindicato anarquista, os trabalhadores começaram a batizar suas criações com nomes que recordavam a luta proletária. Denominações que faziam referência a ação direta, escapando da polícia e zombando da igreja católica. Apareceram assim os canhõezinhos, as bombas, os vigilantes, os sacramentos e as bolas de frade, também chamadas de suspiros de monja. De repente a população argentina passou a ser partícipe da difusão dos ideais libe rtários através dos bolos.

Sem embargo, utilizar a confeitaria como forma de combater o inimigo não era algo novo. Segundo conta Christian Ferrer em seu livro ‘Cabeças de Tempestade’ isso já havia sido utilizado em 1528. Nessa data, durante o assédio de Viena pelos turcos, os confeiteiros da cidade decidiram criar as famosas ‘meias luas’ (espécie de croissant doce). Sua inspiração era o símbolo que as tropas inimigas levavam em seus estandartes. Desnecessário dizer o que sentiam os muçulmanos quando viam os vieneses a comer seu símbolo sagrado. Ainda que não conseguissem acabar com o a taque, as ‘meias luas’ serviam de combustível para alimentar a resistência.

O tempo desgasta as palavras. Por outro lado, os argentinos vão as confeitarias e pedem, conscientes ou não de seu significado, essas especialidades blasfemas e revolucionárias. Um fato que passou despercebido aos diferentes governos ditatoriais que o país viveu no século XX. Sem dúvida, uma engenhosa estratégia que mistura desobediência e humor, que já haviam reivindicado para si os situacionistas franceses.

Fonte: www.yorokobu.es/pasteles-y-anarquismo-en-argentina/2/?offset=31

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2015/11/19/argentina-sabe-por-que-sao-chamados-bolas-de-frade/

agência de notícias anarquistas-ana

Crepúsculo. O sol no horizonte
Vai descendo
Os degraus do monte.

Clínio Jorge