[Canadá] Comboio de coletes amarelos de extrema-direita chega em Ottawa: Recebido com Resistência

por Anti-Fascist News

 Relato de como guerreiros nativos, antifascistas e anti-capitalistas estão se mobilizando para resistir à manifestação canadense dos “Coletes Amarelos”, que tomou uma reviravolta fascista em apoio a oleodutos e contra a luta indígena.

 Na terça-feira, 19 de fevereiro de 2019, um comboio formado por centenas de caminhões, picapes, carros e ônibus entrou em Ottawa para protestar contra o governo federal liberal. Apelidado de Comboio United We Roll, o protesto originou-se em Alberta ostensivamente para protestar contra as políticas do governo federal sobre a indústria do petróleo e para pedir novos oleodutos e desenvolvimentos da indústria extrativa. No entanto, o comboio e o protesto foram compostos em grande parte por pessoas associadas ao movimento “Coletes Amarelos” da extrema-direita no Canadá (o nome original do comboio era o “Comboio de Colete Amarelo” – alterado para encobrir essa conexão). O movimento dos Coletes Amarelos no Canadá não tem nada em comum com os franceses Gilets Jaunes [Coletes Amarelos] e são na realidade um esforço de grupos supremacistas de extrema-direita para dar um tom populista a seu ódio.

 Apesar dos esforços dos porta-vozes em enfatizar as indústrias de combustível fóssil e de negar motivações de extrema-direita e racistas, os participantes declararam abertamente seu descontentamento com o governo que assinou recentemente um pacto não vinculativo das Nações Unidas sobre migração global. Até mesmo o principal organizador do comboio, Glen Carlitt, insistiu que “as fronteiras do Canadá precisam ser controladas pelo Canadá e seus cidadãos”.

 Enquanto o comboio de veículos ocupava um grande espaço, quase um quilômetro da Wellington Street, em frente ao Parlamento, o número de indivíduos que protestavam era relativamente pequeno. Notadamente eles incluíam oradores da extrema-direita, na verdade conhecidos fascistas, como a abertamente supremacista branca, autoproclamada propagandista da alt-Right Faith Goldy. Os partidários fascistas do comboio incluíram: David Selvers e Millennium Crane em Sault Ste Marie; Christopher Hayes dos soldados de Odin e da Coalizão Mundial contra o Islã (WCAI). Dan Dubois, líder da Canadian Combat Coalition, liderou o comboio em pontos ao longo da rota. O movimento Coletes Amarelos emitiu ameaças de morte contra os muçulmanos no Canadá.

 O que talvez seja mais revelador é o apoio público aberto e a participação ativa de vários políticos conservadores do mainstream no Canadá. Isso inclui o líder da oposição federal e chefe do Partido Conservador, Andrew Scheer, e o líder do novo Partido do Povo do Canadá (e ex-membro do Partido Conservador e aspirante à liderança) Maxime Bernier, membro conservador do parlamento, Pierre Poilievre e senador conservador David Tkachuk Scheer foi um pouco mais longe e entrou em um dos caminhões com um slogan ao lado. O Premier Doug Ford, de Ontário, emitiu mensagens publicitárias de apoio ao comboio dos Coletes Amarelos ao longo do caminho, tal como o líder do Partido Conservador da Universidade de Alberta, Jason Kenney.

 O comboio foi confrontado, na verdade em menor número, por um contra-ataque organizado pela Indigenous Solidarity Ottawa e Ottawa Contra o Fascismo. Sob o estandarte “Levante-se pelos defensores da terra”, os contra-atacantes gritaram e afogaram os palestrantes dos coletes amarelos com gritos de “Escória Nazista Fora de Nossas Ruas!”. Cerca de duas dúzias de pessoas realizaram uma dança em volta do Parlamento e dos coletes amarelos. Previsivelmente, a polícia organizou-se para proteger os fascistas. Eles ficaram de frente para a manifestação indígena e antifa que eles veem claramente como a ameaça aqui.

 Os contra-manifestantes indígenas, como Wolf Tabobondung, da Primeira Nação de Wasauksing, destacam que os projetos extrativistas e os projetos de oleodutos que os coletes amarelos estão promovendo estão sendo realizados em terras indígenas e impostos às comunidades indígenas. Muitas vezes, essas terras são não-concedidas, sobre as quais o Estado e as corporações não têm supervisão, e, em outros casos, estão violando tratados. Esses são assuntos significativos que conectam questões de extração de recursos, desenvolvimento industrial, “construção de nação” estatista e mobilização fascista (inclusive contra comunidades indígenas).

 Um ponto que pode ser levantado a esse respeito é a composição do comboio de coletes amarelos. A indústria de caminhões no Canadá é composta de um grande número de trabalhadores de cor, incluindo muitos migrantes recentes. No entanto, para uma manifestação de supostos caminhoneiros, o comboio dos Coletes Amarelos era exclusivo ou quase exclusivamente feito de motoristas brancos. De forma alguma uma expressão representativa das preocupações e interesses dos motoristas da indústria.

 Fonte: https://itsgoingdown.org/far-right-yellow-vests-convoy-rolls-into-ottawa-met-with-resistance 

 Tradução > Abobrinha

 agência de notícias anarquistas-ana

 o toque do sol
no corpo sedento
ardente mistério

 José Ramos Gomes

Leave a Reply