[Bielorrússia] “O núcleo da luta para os anarquistas no país é a luta contra a ditadura e o Estado autoritário”

Entrevistamos o coletivo anarquista “Pramen”, da Bielorrússia, país frequentemente descrito como a “última ditadura da Europa”, governado por Alexander G. Lukashenko há mais de duas décadas. Leia a entrevista completa abaixo.

Grupos, organizações e tendências

Embora haja um alto nível de repressões no país, há um grande número de grupos anarquistas ativos. Nosso coletivo “Pramen” é focado principalmente no trabalho de mídia e agitação na internet e nas ruas das cidades. Esta foi uma decisão estratégica para nós, pois o lugar da mídia anarquista estava vazio no momento da criação do coletivo em 2015. Somo um coletivo de pessoas que podem se definir como anarco-comunistas e anarquistas sem adjetivos.

Outro coletivo que pode ser de interesse para o leitor é a Cruz Negra Anarquista da Bielorrússia – uma das mais antigas organizações anarquistas existentes no país atualmente (desde 2009). Sua principal atividade é a luta contra a repressão e organização de campanhas de solidariedade. Difícil dizer quais são as perspectivas políticas dentro do grupo, no entanto, eles deixaram claro que não toleram qualquer nacionalismo, bem como o uso da violência para resolver problemas dentro do movimento (houve duas declarações sobre o assunto, ao mesmo tempo o uso da violência na luta não é um problema para o grupo).

Há também um projeto de biblioteca anarquista que foi iniciado por volta de 2011-2012. Inclui uma grande coleção da literatura anarquista. Nos anos de sua existência, o coletivo estava mudando entre o projeto clandestino e aberto, dependendo da situação política no país e do perigo de invasões em diferentes períodos de luta. Agora eles estão de volta em aberto, tendo horários de funcionamento uma vez por semana. De tempos em tempos, eles também estão organizando discussões e apresentações sobre diferentes tópicos. O coletivo também é ativo na tradução de literatura e artigos de outras línguas sobre a teoria do anarquismo em russo.

Desde 2005, a rede de ativistas está preparando alimentos veganos para os necessitados, sob o nome de “Food Not Bombs” na capital e em algumas cidades menores. Seu objetivo é a atenção do público em geral para as questões da pobreza no país. Embora a iniciativa seja abertamente apresentada como anarquista, nem todos os membros são anarquistas por causa da natureza do trabalho – algumas pessoas aderem não por causa do conteúdo político, mas por causa da perspectiva da caridade de ajudar os pobres com comida. Até agora, esta é uma das maiores iniciativas no país, que tem cerca de 30 a 40 ativistas preparando refeições 3 vezes por semana. Como a iniciativa é bastante pública, às vezes eles estão enfrentando repressões, que parecem mais caóticas do que a séria repressão organizada do Estado. Também é muito difícil trabalhar contra a iniciativa que traz uma contribuição muito positiva para a comunidade local.

Além desses grupos, houve longas tentativas de nacionalistas para criar sínteses de anarquismo e nacionalismo – este grupo teve problemas com a maioria dos anarquistas do país, levando em conta a posição clara contra o nacionalismo. O grupo nacional-anarquista desapareceu, mas várias pessoas se mudaram para outros projetos, criando mais problemas para os anarquistas na Bielorrússia.

Há também um grupo chamado “Ação Revolucionária” que se descreve como organização plataformista, mas a atividade do grupo nos últimos anos dentro do movimento anarquista mostrou sua tendência em direção ao tipo de organização revolucionária de Nechaev (o uso da violência contra outros anarquistas, intriguistas, mentiras em público etc.) para alcançar objetivos autoproclamados revolucionários. Claramente essas tendências não têm espaço no movimento revolucionário anarquista.

Em geral, existem diferentes influências dentro do movimento anarquista na Bielorrússia. Podemos ver uma enorme influência do pensamento revolucionário anarquista que se formou na região antes da revolução de outubro (Kropotkin, Bakunin e assim por diante). No entanto, a influência das modernas escolas anarquistas ocidentais também está presente, dando impulso às lutas ecológicas e feministas. Há também uma enorme lacuna na literatura anarquista (falta de tal em russo e bielorrusso) em comparação com outros idiomas devido ao longo período de repressão do movimento anarquista na União Soviética.

Principais lutas

O núcleo da luta para os anarquistas no país é a luta contra a ditadura e o Estado autoritário. Isso é algo que todos concordamos e tentamos alcançar. No entanto, o objetivo é tão grande que às vezes parece dificilmente alcançável. A maioria dos indivíduos e grupos não se envolve em luta direta contra a ditadura, mas participa de certos projetos, não políticos, mas sociais, para combater o ditador no local: alguns dos anarquistas estão ativamente envolvidos em protestos ecológicos, outros grupos estão participando de lutas contra eventos públicos que legitimam ainda mais 25 anos de ditadura (Copa de Hóquei no Gelo de 2014, Jogos Europeus de 2019). Protestos contra problemas econômicos e sociais também são importantes para o movimento – em 2017 assumimos um papel ativo na luta contra a chamada “lei tributária parasita” que deveria obrigar as pessoas desempregadas por mais de 6 meses a pagar 200 euros de imposto ao Estado todos os anos de desemprego. Isso criou um movimento massivo que conseguiu interromper o projeto. Neste momento, o novo movimento social está se formando em torno da reforma do recrutamento – o Estado está tentando tornar a vida mais difícil para aqueles que estão tentando evitar o serviço militar obrigatório com diferentes tipos de punição. O outro grande movimento social de sucesso é uma luta contra a fábrica de baterias em Brest, que é também a mais longa ação de protesto na Bielorrússia. Desde fevereiro de 2018, as pessoas estão se reunindo na praça central de Brest, protestando contra a fábrica de baterias ecologicamente danosa e mortal, construída por um investidor chinês. Só para você entender o valor desta ação: quaisquer reuniões não sancionadas na Bielorrússia são proibidas, seus participantes quase sempre detidos e punidos. Mas os ativistas de Brest, usando vários métodos, incluindo manifestações não sancionadas na cidade, atingiram o atraso do início da produção.

Em suma, o movimento está participando ativamente das lutas e pontos de conflito. No entanto, somos por nós mesmos incapazes de escalar os conflitos até o ponto de formação dos movimentos sociais em torno de temas econômicos ou sociais. É por isso que muito tempo é gasto na preparação para os momentos de resistência popular.

Publicações

Através de anos após o colapso da União Soviética, houve múltiplas publicações anarquistas no país. Começando do Samizdat e terminando com jornais distribuídos pelos pontos de venda de jornais oficiais. No entanto, com o desenvolvimento da internet, as publicações em papel perderam a sua presença dentro do movimento. Textos e discussões mudaram para a internet. Atualmente, a maioria dos coletivos e organizações tem seus próprios sites e presença nas redes sociais. Esses são os links que você pode verificar no caso de ter algum interesse:

• Pramen: pramen.io

• Anarchist Black Cross Belarus: abc-belarus.org

• Food Not Bombs Minsk: fnb-minks.noblogs.org

• Anarchist Library “Volnaya Dumka”: dumka.be

Além disso, o ex-prisioneiro anarquista Mikola Dziadok tem seu vídeo blog pessoal, onde ele publica informações sobre anarquistas em inglês ou com legendas em inglês – https://youtube.com/MikolaDziadok

Vale a pena mencionar que alguns dos sites dos anarquistas estão agora incluídos na lista de materiais extremistas e estão bloqueados no território do país pelo governo. Isso inclui nosso site e o site da Cruz Negra Anarquista na Bielorrússia.

A publicação dos livros está acontecendo agora, principalmente na Rússia, por editoras anarquistas russas. ABC-Bielorrússia é o único grupo dentro da Bielorrússia que publicou alguns livros anarquistas relacionados com a repressão dos anarquistas.

Como foi mencionado antes, o movimento do fanzine morre com a introdução de redes sociais. Infelizmente não há projetos no país que ainda estão presentes no papel.

Projetos anarquistas

Além da biblioteca anarquista que é hospedada por diferentes projetos liberais que no momento não têm nenhum problema com a agenda anarquista, não há espaço aberto com projetos anarquistas. Squatting ou ocupação é bastante difícil, pois muitos lugares vazios e lotes são controlados pela polícia. A criação do lugar da cultura anarquista não é possível devido à alta repressão das estruturas do governo. No entanto, diferentes iniciativas anarquistas usam espaço de ONGs ou espaços culturais em geral, onde nossa agenda é trazida durante eventos públicos, concertos ou apresentações.

Participação das mulheres no movimento

Há muitas mulheres envolvidas no movimento anarquista no país. Nós nos atreveríamos a dizer que a quantidade de mulheres e homens no movimento é igual. No entanto, os números iguais de participação não significam que não haja sexismo. Todos nós estamos vindo da tradicional sociedade bielorrussa e, como resultado, todos os valores conservadores não estão desaparecendo assim que você começa a se chamar de anarquista.

Antifascismo

O antifascismo de rua na Bielorrússia apareceu no final dos anos 90, início do século XXI. Tudo começou como em muitos outros países da Europa Oriental, como oposição aos nazistas na subcultura punk com alguns pequenos confrontos aqui e ali. No entanto, os punks não estavam ganhando essa luta. Em 2005-2006, havia uma situação em que se recomendava ir a eventos punk em grupos maiores para evitar ataques de nazis, que aconteciam com bastante frequência, no entanto, em contraste com a Rússia, esses ataques nunca terminavam em assassinatos.

Na mesma época, alguns grupos de adolescentes hardcore e anarquistas começaram a treinar em academias e se preparar para confrontos de rua com nazistas. A organização da cena antifascista foi feita em torno do clube de futebol “MTZ-Ripo”, que era um pequeno clube de futebol de segunda divisão. Mas, ao mesmo tempo, foi criada a cultura do futebol antifascista que tentava imitar o famoso St. Pauli alemão. O núcleo dos fãs era anarquista e ex-adolescentes hardcore que se politizaram. Em 2009, os fãs de futebol antifascistas estavam dominando as ruas da capital e várias outras grandes cidades. Os fascistas naquela época mudaram completamente para a cena do futebol tentando construir uma forte cena do futebol fascista.

Repressões contra anarquistas e antifascistas em 2010 iniciaram um lento declínio do antifascismo no país. O núcleo político dos fãs de futebol foi reprimido e agora estão presos ou no exílio. Lentamente, gerações mais novas assumiram e começaram a trazer agenda patriótica dentro do movimento (que era ao mesmo tempo popular na Rússia com “Russo contra o fascismo” separado do antifascismo anarquista). Em 2015-2016, tivemos vários fãs de futebol patrióticos ainda se chamando de antifascistas, mas seu antifascismo está ligado principalmente ao fato de que o time de futebol rival está se chamando de fascista.

Por outro lado, após o levante de 2014 na Ucrânia, o regime bielorrusso viu o papel ativo dos adeptos de futebol de direita em derrubar o governo lá. Devido a isso, desde 2014, há uma enorme onda de repressão contra os fascistas. Essa repressão destruiu literalmente o movimento dos torcedores de futebol: tanto antifascista quanto de direita. Cerca de 10 dos torcedores antifa e duas ou três vezes mais de nazistas estão agora na prisão com um enorme período (6-10 anos), os outros começaram a cooperar com a KGB e não se exibem mais como futebolistas.

Como resultado, o antigo conflito de rua nazi-antifa não está mais presente.

Violência policial

A Bielorrússia é um estado policial. A última pesquisa de 2011 colocou a Bielorrússia no primeiro lugar pela quantidade de policiais per capita. Desde então, esses números foram feitos um segredo de estado, então não podemos ver nenhuma estatística sobre a quantidade de policiais. No entanto, nós os vemos em todos os lugares: nas ruas, nos supermercados, em nosso bairro. A polícia está presente em todos os lugares. A sensação de controle total que eles estão tentando criar é a primeira violência das forças policiais. Isso nem sempre é uma violência direta que traz contusões, mas essa é a violência que impede as pessoas de se unirem, organizarem e tentarem mudar as coisas em suas vidas.

Ao mesmo tempo, há muita violência policial diariamente. Policiais estão batendo em pessoas sem-teto, opositores políticos, bêbados e outros “elementos antissociais”. Na maioria dos casos, suas ações nunca são conhecidas pelo público. No entanto, de tempos em tempos, recebemos notícias sobre pessoas cometendo suicídio em carro de polícia (2 casos no ano passado), ou atacando o policial a partir do nada e acabando no hospital.

Um papel importante em aterrorizar a população faz a OMON (forças-tarefa especiais da polícia bielorrussa) – eles devem lidar com a agitação pública massiva, algo como policiais de multidão. No entanto, como não estão ocorrendo tantos motins no país, membros da OMON participam em incursões e outras operações onde mostram o seu potencial. Todos os anos há vários relatos de violência usada contra pessoas durante as invasões.

Prisioneiros anarquistas

Quando você estiver lendo isso, haverá 1 anarquista na prisão esperando pelo julgamento – Dmitriy Polienko. Seu caso é um exemplo de como a polícia tenta apresentar os anarquistas como simples hooligans. Depois de ser atacado por um homem bêbado no quintal de sua casa, ele usou spray de pimenta. Depois de alguns dias, parecia que a polícia encontrou o agressor para pedir-lhe para fazer acusações contra Polienko. A polícia bielorrussa pode ser bastante convincente em seus argumentos, quando eles pedem por favor – usando ameaças e às vezes violência para conseguir o que querem de você. Assim, as acusações de Agressão Agravada com Arma foram pressionadas e ele agora enfrenta acusações de até 10 anos de prisão.

Outros anarquistas agora estão livres. Você pode encontrar uma boa lista de ex-prisioneiros reais no site da Cruz Negra Anarquista na Bielorrússia –https://abc-belarus.org/?cat=936&lang=en

Jogos Europeus – Minsk 2019

Bem, toda a história sobre os Jogos Europeus é bastante duvidosa. O único país que os organizou antes foi o Azerbaijão, que também é um Estado autoritário. No entanto, o impulso para os jogos também vem do Comitê Olímpico, que tenta ganhar dinheiro com esse tipo de evento. Para a ditadura bielorrussa, este evento esportivo foi outra demonstração de liberalização que está acontecendo no jardim da frente. Os turistas que visitam o país veem os lados bons dele – a infraestrutura para o evento foi renovada, grama pintada e as pessoas disseram para sorrir.

Ao mesmo tempo, há muitas coisas que as pessoas normais não vão ver – os alunos foram despejados de seus dormitórios para dar espaço a equipes de esportistas. Gatos e cães desabrigados foram massacrados para apresentar a “imagem positiva” da cidade. Centenas de moradores de rua ou alcoólatras foram colocados em prisões ou hospitais até o fim do evento – com o mesmo propósito. Enquanto os turistas têm a possibilidade de dirigir nas autoestradas bielorrussas de graça durante o evento, as pessoas no país ainda estão lutando contra as tentativas do governo de taxar as pessoas pelo uso das estradas.

No entanto, em comparação com a Copa de Hóquei de 2014, houve poucas repressões contra grupos políticos desta vez. Também pode estar relacionado com o fato de que o nível de atividade de qualquer grupo, incluindo os anarquistas, era muito baixo em relação a esse tópico.

Agora os jogos acabaram. Para a maioria de nós, eles não mudaram nossas vidas para melhor, porém, eles tornaram a ditadura bielorrussa um pouco mais aceitável na comunidade mundial – o projeto de centenas de lobistas tentando vender a Bielorrússia como uma ilha de estabilidade e prosperidade em um mundo turbulento. Nos últimos anos, eles estavam fazendo um enorme progresso com a obtenção de mais financiamento da União Europeia.

Tradução > sapat@

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/05/16/bielorrussia-e-autoritarismo-sovietico/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/04/25/bielorrussia-policia-varre-brutalmente-acampamento-anarquista-perto-de-brest/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/05/14/bielorrussia-ministerio-da-informacao-bloqueou-o-espelho-do-site-pramen/

agência de notícias anarquistas-ana

Dia grisalho
brotos brotam brutos
na ponta do galho

Danita Cotrim

Leave a Reply