[Argentina] Memória viva: Joaquín Penina

Em setembro de 1930 na região Argentina, o general José Félix Uriburu acompanhado de cadetes do colégio militar encabeçou o golpe cívico militar que derrubou o presidente Hipólito Yrigoyen.

Entronizado, rapidinho, o militarzinho e um bando de milicos instituíram a pena de morte. Em Rosario, os militantes anarquistas foram sequestrados pela polícia em uma batida e transladados à prisão.

Entre os ativistas estava Joaquín Penina, um jovem de origem catalã que além de suas tarefas como obreiro mosaísta dedicava-se à difusão de propaganda ácrata com livros e folhetos de Bakunin, Kropotkin e Malatesta, portadores de ideias revolucionárias de transformação social.

Penina era membro da Federação Obreira Local vinculada à FORA do V Congresso de tendência anarcocomunista, e como tal se opunha ao despotismo cívico ou militar. Frente a seus verdugos não negou ter sido o autor de um panfleto chamando à desobediência e à rebelião contra os tiranos.

Nas penumbras da madrugada, o levaram até o desfiladeiro do arroio Saladillo e o fuzilaram. Ainda permanece desaparecido.

Morreu com dignidade desafiando os algozes armados como um homem libertário, gritando: Viva a Anarquia!

Evocamos a figura de Joaquín Penina porque as filhas e os filhos do povo não esqueceram as ignomínias nem os que lutaram contra a exploração e as injustiças perpetradas pelo Estado e o capital.

Carlos A. Solero.

7 de setembro de 2019

Tradução > Sol de Abril

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2011/07/11/argentina-memoria-resistente/

agência de notícias anarquistas-ana

Desolação de inverno —
Ao passar pela pequena aldeia,
Um cão late.

Shiki

Leave a Reply