[EUA] Poughkeepsie, NY: Piquete antifascista em casa de supremacista branco local

A seguir, relato de ação de antifascistas no vale do Hudson contra um neonazista local.

Por Hudson Valley Antifascist Network (Rede Antifascista do Vale do Hudson)

Em 13 de junho de 2020, a Rede Antifascista do Vale do Hudson (HVAN) saiu às ruas para protestar do lado de fora do apartamento de Keith Hayes, um supremacista branco declarado que há meses exibe uma bandeira nazista na janela do seu apartamento na 776 Main Street, em Poughkeepsie, Nova York.

A bandeira causou polêmica pela primeira vez quando apareceu na janela em setembro de 2019. Ela foi removida logo após as manchetes [dos jornais], sem que seu dono fosse identificado publicamente. Mas quando a bandeira reapareceu na janela em dezembro passado, a HVAN decidiu agir.

Como antifascistas, não podíamos deixar a bandeira ficar de pé. Embora os fascistas gostem de invocar sua “liberdade de expressão”, liberdade de expressão não significa liberdade de críticas ou liberdade de conseqüências por essas falas. Pelo contrário, denunciar o que a bandeira representa é a nossa liberdade de expressão. Afirmar que se manifestar contra o fascismo viola os direitos da Primeira Emenda dos fascistas não é um argumento válido, porque os antifascistas não são um governo que faz leis sobre o que as pessoas têm permissão legal para dizer.

Mas enquadrando o assunto como uma questão de debate abstrato ou direitos legais obscurece um ponto muito mais importante. A suástica é um símbolo de um movimento violento e racista que tem como alvo nossos amigos, colegas de trabalho e vizinhos. A exibição pública desse símbolo não é apenas um ato de auto-expressão desagradável, mas uma tentativa de normalizar uma ideologia cujo objetivo é trazer danos e morte a pessoas reais no mundo real com base em raça, etnia, gênero e sexualidade e outras identidades. Tentar argumentar com fascistas é uma perda de tempo – e pior ainda, legitima o fascismo ao conceder a ele uma plataforma para se apresentar como uma mera diferença de opinião. Como um famoso antifascista colocou: “O fascismo não deve ser debatido, deve ser destruído!”

HVAN, portanto, trabalha para tornar o mais difícil possível para os fascistas expressarem publicamente seu ódio e se reunirem com outros fascistas para traduzir esse ódio em violência organizada. O antifascismo é um componente do que chamamos de autodefesa da comunidade, que se refere à prática de reunir comunidades para se defender de ameaças e ataques a qualquer um de seus membros, sem depender da polícia ou dos políticos para lidar com esses assuntos. Organizamos as comunidades para resolver o problema com suas próprias mãos, porque a ação direta em solidariedade com as pessoas sob ataque é a maneira mais confiável de manter os membros da comunidade em segurança. Embora a opressão violenta não atinja a todos igualmente, todos lutamos sob os desequilíbrios de poder na sociedade capitalista; unir-se por meio de ação direta coletiva nos permite mudar esse desequilíbrio de poder e revidar na guerra de classes que está sendo travada contra todos nós.

A autodefesa da comunidade significa não deixar que nenhum ato de ódio não seja contestado. Em nossa opinião, se não conseguirmos parar o momento do fascismo quando se trata de uma pessoa isolada com uma bandeira nazista na janela, corremos o risco de deixar a ideologia deles entrar no mainstream. Quando uma ideologia se torna um movimento, eles podem aproveitar as oportunidades de se reunir e atacar membros de nossas comunidades. Corremos um enorme risco subestimando a seriedade das ambições fascistas, porque quando as palavras se transformam em multidão e violência estatal, será muito mais difícil manter a nós mesmos, nossos amigos e vizinhos em segurança. Este não é um cenário hipotético; de fato, a limpeza étnica patrocinada pelo Estado é precisamente o que os fascistas defendem abertamente.

O principal objetivo do HVAN é tirar as plataformas – em outras palavras, tornar o mais difícil, desconfortável e oneroso possível para os fascistas expressar publicamente seu ódio. Nesse caso, tirar as plataformas significava fazer com que a bandeira caísse, identificando seu dono e mostrando aos companheiros transientes que haverá consequências se eles forem apresentados como supremacistas brancos. Embora nunca houvesse garantia de que atingiríamos plenamente esses objetivos específicos, reconhecemos que não dizer nada e não fazer nada ajudaria apenas a causa fascista.

Começamos entrando em contato com o gerente da propriedade, Chris Orefice, para informá-lo que a bandeira estava de volta e descobrir quem morava no apartamento. Quando ligamos, Orefice parecia preocupado e se desculpou, mas no final das contas não fez o inquilino tirar a bandeira – mesmo que ele alegasse que é uma violação de locação pendurar qualquer coisa na janela, exceto cortinas, uma violação que o então inquilino sem nome tinha previamente sido avisado. Orefice tentou subestimar a situação, descrevendo o inquilino, a quem ele se recusou a nomear, como “baixo funcionamento” e “não muito ameaçador”. Qualquer que seja a validade dessas alegações, seguimos em frente, reconhecendo o potencial da bandeira de trazer o nazismo ao mainstream e inspirar outros.

Em fevereiro deste ano, quando o Mid-Hudson News publicou uma notícia identificando o ocupante do apartamento como Keith Hayes, a HVAN começou a trabalhar publicando folhetos no bairro e em nossa página no Facebook alertando o bairro sobre a presença de alguém para se observar e pedindo às pessoas que liguem para Orefice, exigindo que ele despeje Hayes por conta da repetida violação do contrato. Esperávamos que a associação pública da empresa de administração de propriedades de Orefice com um nazista fosse suficiente para ele ceder à nossa demanda. Embora os folhetos não passassem despercebidos (vários foram encontrados desfigurados – curiosamente, com o nome de Keith Hayes riscado), a campanha de pressão sobre Orefice não deu frutos. Decidimos então escalar nossas táticas e fazer piquetes do lado de fora do prédio de apartamentos de Keith Hayes.

Havia vários objetivos que esperávamos alcançar ao escalar nossa campanha. Distribuir nossos folhetos em um piquete traria mais atenção à situação, alertaria um número maior de pessoas sobre Hayes e aumentaria a pressão sobre Hayes e Orefice. Embora os proprietários não pudessem despejar legalmente os inquilinos no momento do piquete devido à moratória de despejo do COVID-19, dar a Orefice mais má imprensa poderia pressioná-lo a não renovar o contrato de Hayes, uma ação que ele disse ser seu “único recurso”. Além disso, um piquete nos daria uma plataforma para conectar-se com a comunidade, demonstrar o que os antifascistas realmente fazem e fornecer um modelo para outros replicarem.

Sem saber do que Hayes era capaz, a HVAN começou a construir uma coalizão para maximizar nossos números e segurança no dia. Além da questão da segurança em números, a HVAN acredita firmemente em alcançar a comunidade em geral porque não somos uma organização isolada que faz um trabalho antifascista para as pessoas. Em vez disso, fazemos um trabalho antifascista com as pessoas, ensinando a outras pessoas as habilidades necessárias para agirem coletivamente, diretamente, e acabar com o fascismo em sua vizinhança.

Entendendo que a polícia e a mídia só piorariam as coisas para nós, decidimos entrar em contato apenas via comunicação privada com amigos e camaradas, em vez de promover o evento em plataformas públicas como o Facebook. Ao divulgar apenas de boca em boca e ao compartilhar informações em uma base estrita de ‘necessidade de conhecimento’, evitando vazamentos que dariam tempo à nossa oposição para montar uma contra-resposta eficaz.

Como essa ação pode resultar em sérias conseqüências para todos os envolvidos, nossa coalizão concordou com algumas regras básicas. No dia, todos usavam máscaras e evitavam usar nomes reais, a fim de proteger de sermos identificados pela polícia, fascistas ou outros adversários. A normalização do uso de máscaras devido à pandemia em curso certamente ajudaria nosso grupo a parecer menos visível. Concordamos em não fazer black bloc (bloco negro) no sentido de uma tática coletiva (ou seja, todos vestidos de preto para dificultar a identificação e o destaque de qualquer pessoa em um grupo); nós achamos mais importante poder conversar com as pessoas facilmente.

Para estar preparado para todos os resultados possíveis, atribuímos papéis. No caso de uma abordagem policial, encarregamos um contato com a polícia para diminuir a interação e explicar que nossas atividades eram inteiramente legais. Em caso de prisão, tínhamos um contato jurídico externo designado para entrar em contato com nosso advogado e garantimos que todos os participantes tivessem o número de telefone escrito em um marcador permanente no antebraço. Designamos outra pessoa para tirar fotos e filmar interações com a polícia e / ou Hayes, e pedimos a todos que deixassem seus telefones para trás. Isso dificultaria o rastreamento e impediria a polícia de pegar nossos telefones se fossemos presos.

Tivemos vários participantes trabalhando na função de segurança, observando diferentes pontos críticos nas proximidades. Atribuímos um participante para desescalar as coisas com Hayes, caso ele tentasse nos ameaçar ou prejudicar. Se o desescalamento falhasse, tínhamos médicos de rua prontos para intervir. Para reunir todos os nossos esforços, designamos uma pessoa responsável para direcionar as pessoas aonde ir e manter todos juntos, coordenados e seguros.

Embora nos preparássemos para o pior, não estávamos procurando ser presos ou feridos a fim de manter o alto nível moral. Concordamos que o melhor curso de ação se ameaçado pela polícia, Hayes ou outros fascistas, seria acabar com o piquete e ir embora.

No dia seguinte, nossa coalizão de 23 pessoas se reuniu em um ponto de encontro a cerca de 15 minutos a pé da rua principal. Quando todos chegaram, começamos a marchar juntos em direção à Main Street n° 776, com placas e faixas denunciando o nazismo, o fascismo e a supremacia branca. Quando chegamos, assumimos nossas posições em ambos os lados da Main Street.

Quase imediatamente, vimos um homem em uma colina do outro lado da rua tirando fotos de nós, e nosso contato foi conversar com ele para verificar se ele era um policial. Embora o homem negasse ser policial, havia pelo menos um carro da polícia estacionado na colina durante a duração do piquete, além de vários na parte de trás do prédio de Hayes. Várias outras pessoas desconhecidas também foram flagradas tirando fotos de nós.

Quando piquetamos, recebemos um apoio esmagador dos transeuntes, que desconheciam amplamente que existia um nazista com uma bandeira da suástica no bairro. Gritamos o nome e o endereço de Keith Hayes para os carros que passavam, apontando para o prédio e anunciando que um nazista declarado morava lá. Conversamos através do folheto com pessoas que passavam, explicando que, diferentemente dos fascistas, nós antifascistas não estamos nos organizando contra a nossa oposição por conta de quem eles são. Antes, dissemos, estamos nos organizando contra o que eles estão fazendo. Nosso slogan: “Sem nazistas em nosso bairro” significava que estávamos dando uma opção aos nazistas: eles podem parar de advogar pelo assassinato organizado de membros de nossa comunidade ou podem encontrar outra comunidade para morar.

Ao fornecer as informações de contato da HVAN em um panfleto, demos às pessoas uma maneira de entrar em contato e se envolver. Escolhemos fazer uma “Ação Antifascista” para enviar a mensagem de que esse tipo de bom trabalho é exatamente o que a “antifa” representa. Isso foi especialmente importante, considerando como a organização antifascista está atualmente sob um ataque sem precedentes pelo Estado.

No entanto, nem todo mundo gostou do nosso piquete. Fomos repetidamente abordados por uma pessoa de cor que afirma ser um amigo de Keith, que insistiu que Keith é um “homem bom”, e que a liberdade de expressão significa que Keith tem o direito de se expressar (mas que presumivelmente não tínhamos o mesmo certo). A certa altura, ele pegou um de nossos folhetos, apenas para fazer um buraco com seu isqueiro e jogar o folheto aos pés de um de nossos membros. Ele então fez a saudação nazista antes de ir embora pela última vez. Mais tarde, uma mulher branca, presumivelmente moradora do prédio, desceu as escadas e afirmou que Keith só carrega a bandeira nazista em sua janela porque: “seu avô lutou na Segunda Guerra Mundial”.

Keith Hayes estava em casa durante o piquete e percebeu o que estava acontecendo. A certa altura, desceu as escadas para passear com o cachorro, esperando não ser reconhecido, mas foi apontado por um de nossos membros que o conhecera. Aproveitamos a oportunidade para tirar fotos de Hayes, que mais tarde adicionamos aos nossos folhetos e mídias sociais. Foi um golpe de sorte, até o momento, não sabíamos como ele era. Também tiramos fotos de seu veículo pessoal, um Ford F150 prateado, placa NY JRL-2014. Identificado e em menor número, Hayes correu de volta para a porta da frente do prédio com seu cachorro, enquanto exigíamos em voz alta que ele retirasse a bandeira ou se retirasse do bairro.

“Eu tenho caixas que posso doar, Keith! Isso vai facilitar a sua mudança! “, gritou um membro da HVAN.

“Retire a suástica, cara, tire a porra da suástica!”, gritou outro.

“Liberdade de expressão”, Hayes respondeu laconicamente enquanto batia a porta da frente. Alguns minutos depois, Hayes voltou e saiu, vestindo roupas diferentes, presumivelmente uma tentativa de escapar de nossa detecção.

Suspeitamos que Hayes chamou a polícia para nós, porque logo em seguida, nossa pessoa responsável observou que os policiais que estavam nos vigiando nos fundos do prédio estavam se preparando para uma abordagem. Vendo que nossos objetivos haviam sido alcançados, nosso responsável fez um apelo ao grupo para voltar ao ponto de encontro, a fim de evitar uma interação arriscada e desnecessária com a polícia, na qual podemos ter sido interrogados, detidos ou rastreados. Todos os 23 de nós chegamos de volta ao ponto de encontro com segurança e rapidamente nos dispersamos, guardando nossa discussão para outra ocasião.

Lamentavelmente, a bandeira ainda está de pé. Embora soubéssemos que esse piquete talvez não obrigasse Hayes a tirar a bandeira imediatamente, conseguimos informar as pessoas sobre a situação, nos conectarmos com a comunidade, demonstramos como o trabalho antifascista é feito e não cedemos a Hayes uma plataforma incontestada. Mas nosso trabalho ainda não está concluído. A HVAN continua seu trabalho de tirar a plataforma de Keith Hayes usando ação direta para pressionar ele e seu senhorio. E continuamos pesquisando fascistas que operam na região de Hudson Valley, em Nova York, para tornar impossível a organização em nossas comunidades. Sem nazistas no nosso bairro!

Entre em contato com a Rede Antifascista do Hudson Valley com dicas sobre supremacistas brancos locais ou sobre como você pode se envolver em nosso trabalho!

• HudsonValleyAntifa@gmail.com

• facebook.com/HudsonValleyAntifa

• twitter.com/HVAntifa

Fonte: https://itsgoingdown.org/poughkeepsie-ny-antifascists-picket-at-home-of-local-white-supremacist/

Tradução > A. Padalecki

agência de notícias anarquistas-ana

No perfume das flores de ameixa,
O sol de súbito surge —
Caminho da montanha!

Bashô

Leave a Reply