[Itália] Um futuro viral

1. Pandemia: presente e futuro imediato

Este primeiro semestre do centésimo ano do Umanità Nova foi dominado pela COVID-19 e eventos relacionados: primeiro de tudo o fechamento, seu uso político, questões de classe. Agora que reabrimos após a suspensão de verão, quando escrevemos estas linhas (30 de agosto de 2020), a mídia é dominada pelo aumento dos casos positivos e pelo medo de uma segunda onda, com todas as consequências do caso, incluindo um novo possível lockdown, total ou parcial.

Além dos aspectos clínico-sanitários, o lockdown e as medidas relacionadas certamente tiveram um aspecto político claro nos últimos meses, um pouco por todo o mundo: já o nome usado – distanciamento social e não, como teria sido lógico, distanciamento sanitário[1] – é indicativo. De fato, a emergência tem servido ao poder para justificar formas de arregimentação política da população: por exemplo, na Itália – mas coisas semelhantes e ainda piores têm sido vistas em todo o mundo – tem havido a proibição de greves, de reuniões de qualquer tipo, por mais facilmente equipadas com dispositivos de saúde e a criação político-midiática de verdadeiros ungidores[2].

O poder econômico sob o pretexto da pandemia conseguiu se livrar das principais formas de luta e organização do trabalho dos funcionários – greves e reuniões sindicais. O aspecto político e não sanitário era flagrante no caso de greves: éramos obrigados a ficar em casa a menos que quiséssemos atacar, caso contrário, éramos obrigados a sair para um lugar de encontro inevitável de pessoas!

O poder político, por sua vez, garantiu, por um lado, a manobra sem ser perturbado pelas diversas formas de oposição social, reduzindo-as apenas à virtualidade digital e, por outro lado, criou o inimigo público no corredor solitário. Aqui também, o aspecto político e não sanitário da questão era flagrante: você podia ir ao trabalho ou aos supermercados, mas não correr sozinho em um lugar completamente isolado – aqueles que o fizessem veriam a “hora do ódio” da memória orwelliana com a qual o poder distraía a atenção das massas de si mesmo.

Infelizmente, como não possuímos habilidades divinatórias, no momento em que estamos escrevendo não temos ideia de como o assunto irá evoluir; em outras palavras, se o aumento atual das infecções é devido a fatores contingentes que não terão consequências particulares a médio/longo prazo ou se, como parece a partir de alguns dados especialmente relacionados aos países mediterrâneos[3], estamos na presença do início da temida “segunda onda” que, por outro lado, em doenças infecciosas é estatisticamente bastante provável. Normalmente é um fenômeno de difusão e letalidade inferior à “primeira onda”, mas não se diz: neste tipo de coisa, dada a complexidade dos fatores, o conhecimento sobre ele é formado apenas a posteriori, após a ocorrência do evento.

De uma coisa, porém, podemos infelizmente ter certeza: pequena ou grande, a provável “segunda onda” se desenvolverá em uma situação de quase certa crise econômica grave que haverá mesmo na melhor hipótese de saúde[4]; além disso, que o poder político e econômico tentará mais uma vez impor medidas liberticidas que não terão nada a ver com a pandemia, mas que a usarão como uma cortina de fumaça ideológica.

A batalha política que todo o movimento de oposição radical terá então que empreender terá que ser em duas frentes. O primeiro será o econômico: será necessário reivindicar o direito a uma existência digna para todos, além da compatibilidade com o modelo capitalista de produção e a divisão da sociedade em classes. A segunda, necessariamente ligada à primeira, terá que ser a luta contra as medidas liberticidas e a “invenção do inimigo” que o governo quase certamente tentará colocar de volta no campo (neste momento os migrantes parecem estar tomando o lugar dos corredores nesse quesito). Sobre isso, precisamos estar preparados o mais rápido possível, porque todos nós estaremos individualmente envolvidos em nossa vida diária.

2. Pandemias: um futuro de médio/longo prazo

Vamos agora analisar a questão durante um período de tempo muito mais longo. Quando a pandemia estava em seu início, eu estava interessado neste assunto há muito tempo e, olhando para os números sobre a letalidade da doença, eu não entendia todo o alarme que os governos estavam mostrando em relação a ela: meu ponto de referência era, por exemplo, a pneumonia bacteriana resistente a antibióticos à qual a edição de fevereiro de 2020 do Le Scienze dedicou um dossiê especial – nota: a ela e não à COVID-19 – lembrando como, se uma tensão bacteriana resistente também à chamada “terceira linha” de antibióticos tivesse se desenvolvido[5], as mortes por ano poderiam ter passado de algumas centenas de milhares para dezenas de milhões…[6] Eu tinha inicialmente subestimado o nível do colapso do Sistema Nacional de Saúde na Itália e no mundo que não permitia enfrentar adequadamente uma pandemia que, na presença de um Sistema de Saúde adequado, teria levado a consequências sanitárias (e sociais) muito menores. [7] Nós a corrigimos imediatamente, mas a questão da pneumonia bacteriana resistente a antibióticos agora reiterada abre, mais em perspectiva do que as considerações anteriores, cenários perturbadores para o futuro a médio/longo prazo da humanidade.

Homo Sapiens Sapiens existe há pelo menos duzentos mil anos e até o século XVIII não tinha uma dinâmica demográfica diferente da de outras espécies vivas: a chamada “curva do sino” demográfica. Ao cortar as coisas com o machado, uma espécie viva, assim que é introduzida em um ambiente, tem um grande número de recursos à sua disposição: como resultado, os indivíduos podem alimentar-se adequadamente a si mesmos e seus descendentes, estão geralmente em boa saúde, vivem muito tempo e são bastante resistentes a doenças – a população aumenta então até o limite dos recursos que esse ambiente pode oferecer. Nesse pico, por um lado, os indivíduos são subnutridos e mais frágeis e, por outro, a superlotação torna a população mais exposta a doenças infecciosas: a fome e a doença dizimam a população, menos sobreviventes têm mais recursos disponíveis e o ciclo começa novamente. Em tal condição, um aumento geral da população só pode ocorrer com a colonização de novos ambientes: em ambientes individuais, a dinâmica demográfica descrita acima ocorrerá, mas em média a população permanecerá estável a curto prazo e poderá aumentar a médio/longo prazo com a nova colonização.

Até o século XVIII, todas as espécies vivas viviam uma tal situação demográfica: mesmo a descoberta da agricultura pelo Homo Sapiens Sapiens só aumentava os recursos de um território sem, no entanto, mudar a dinâmica descrita acima: o aumento da população humana de alguns milhões, no máximo, durante o período de “caça/coletores” para cerca de 800 milhões na primeira metade do século 18 foi em grande parte devido à colonização de partes sempre novas do planeta, enquanto que a fome e as epidemias – basta pensar na “grande praga” do século 14 que, segundo algumas estimativas, reduziu a população mundial de cerca de 450 milhões para cerca de 350 milhões em uma única geração – continuou a mover a demografia humana de acordo com a “curva do sino[8]”.

Desde a Revolução Industrial este ciclo demográfico parece ter dado lugar a um crescimento indefinido: em menos de três séculos, com uma curva ascendente que não parou nem mesmo durante as duas Guerras Mundiais, a população humana aumentou quase dez vezes, de 800 milhões na primeira metade do século XVIII para os atuais quase oito bilhões de habitantes: tudo isso se deve, por um lado, ao desenvolvimento de técnicas agrícolas industriais que multiplicaram enormemente a produção de alimentos, por outro lado, ao desenvolvimento da medicina científica que encontrou o método de tratamento de muitas doenças, às vezes erradicando-as permanentemente[8].

Entretanto, esta não é a primeira vez na história da humanidade que a população cresce ininterruptamente há alguns séculos: o medo de estarmos perto de um pico demográfico que precede uma queda ruinosa não é, infelizmente, sem fundamento. Antes de mais nada, porque do nada nasce nada: por mais que a ciência e a tecnologia possam progredir, o planeta Terra está acabado e seus recursos limitados. Então, como vimos para o caso da pneumonia resistente a bactérias, até mesmo a medicina científica tem seus limites. Finalmente, a crescente aglomeração da população humana em conglomerados urbanos densamente povoados expõe cada vez mais a população humana ao desenvolvimento de doenças infecciosas [9].

Desse ponto de vista, pode-se falar de um “golpe” da espécie humana. Todos sabemos como as colônias de animais – divididas em mais de mil espécies – vivem em condições de extrema densidade populacional: bem, os morcegos são precisamente por esta razão o maior receptáculo de doenças infecciosas e o desenvolvimento de zoonoses, de doenças que passam do animal para o homem. Deve-se ter em mente também que um grande número de seres humanos significa um enorme número de animais para abate criados em espaços confinados, com um aumento exponencial no desenvolvimento de doenças infecciosas e “saltos de espécies”.

Em resumo, a COVID-19, se o modelo hierárquico de produção capitalista continuar assim ou com correções mínimas, poderia ter sido apenas a vanguarda de uma série de pandemias potencialmente muito mais perigosas. Vendo as coisas deste ponto de vista, apenas uma revolução nos salvará: uma revolução que transforma completamente as atuais relações hierárquicas de produção em uma direção igualitária e libertária. Dadas as coisas, esta é a única grande esperança real da humanidade.

Isto não é uma esperança ideológica: mesmo pensando do ponto de vista que entramos na era Antropocena[10], onde a espécie humana se tornou para todos os efeitos uma enorme força natural que está alterando profundamente o planeta, o fato é que – ao contrário dos asteróides, erupções vulcânicas, tectônica de placas – não somos uma força cega, mas dotada de uma mente reflexiva. Em outras palavras, somos capazes de modificar nossa maneira atual de nos relacionarmos com o planeta e um com o outro.

Tomemos a questão do crescimento populacional e dos riscos à saúde a ele associados: há quinze anos, em todos os continentes, o número de filhos por mulher vem caindo acentuadamente e na Europa, como em outros lugares, vem caindo igualmente. Este fenômeno está claramente ligado à afirmação de um dos pontos-chave das reivindicações do movimento operário e socialista, a emancipação da mulher em seus diversos aspectos. Os resultados têm sido claramente superiores a qualquer política autoritária centralista[11] e isto, no momento, é a mais forte indicação de que a ideia de uma sociedade igualitária e libertária nascida com a Revolução Industrial mas contra sua gestão autoritária e capitalista é o caminho para que o Antropoceno não termine em desastre.

Enrico Voccia

Notas:

[1] VOCCIA, Enrico, “Sul Distanzia-mento Sociale”, in Umanità Nova, anno cento, n° 19, pp. 1-2.

[2] LORENZETTO e F.Z., “Elogio del Runner”, in Umanità Nova, anno cento, n° 11, pp. 4-5.

[3] https://www.corriere.it/este-ri/20_agosto_11/coronavirus-in-gre-cia-seconda-ondata-pandemia-c-01da1d8-dbd5-11ea-abc9-41b5baf-f53c0.shtml

[4] VOCCIA, Enrico, “Going Beyond Capitalism”, in Umanità Nova, anno cento, n° 22, p. 3.

[5] Os antibióticos de “primeira linha” são aqueles comumente utilizados e sobre os quais se desenvolveu principalmente a resistência em cepas bacterianas; os antibióticos de “segunda linha” são aqueles desenvolvidos por pesquisas em tempos posteriores para compensar a resistência que surgiu para a primeira mas, infelizmente, a resistência está se desenvolvendo para estes também; nestes casos extremos, são utilizados antibióticos de “terceira linha” – aqueles que não são utilizados porque têm sérios efeitos colaterais mas, precisamente porque não são utilizados, as cepas bacterianas não poderiam desenvolver resistência. O problema é que quanto mais aumenta a resistência aos antibióticos de “segunda linha”, mais aumenta a necessidade de usar antibióticos de “terceira linha” e o consequente risco de desenvolver resistência também a eles.

[6] AA. VV., Dossiê “La Crisi degli Antibiotici”, in Le Scienze, n° 618 de fevereiro de 2020, pp. 36-56.

[7] Compare, por exemplo, os níveis de letalidade da COVID-19 na Itália (8 leitos por mil habitantes) e na Alemanha (34 leitos por mil habitantes).

[8] https://it.wikipedia.org/wiki/Po-polazione_mondiale

[9] Para um texto informativo mas de bom nível sobre a questão das zoonoses e riscos futuros – que lido com os olhos de mais tarde parece particularmente profético da COVID-19 – ver: QUANMEN, David, Spillover, Milão, Adelphi, 2014.

[10] https://it.wikipedia.org/wiki/Antropocene

[11] Pense na política demográfica do governo chinês nas últimas décadas. https://it.wikipedia.org/wiki/Poli-tica_del_figlio_unico

Fonte: https://www.umanitanova.org/?p=12705

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

O velho salgueiro
Inclinado sobre o lago
Resmunga baixinho.

Mary Leiko Fukai Terada

Leave a Reply