[França] Ecologia libertária ou desolação

Se você ainda não aproveitou o confinamento para fazer leituras estimulantes, te convidamos a repensar o mundo, pois ainda te resta os meses de férias para colocar os livros em dia!

Ecologia ou desastre. A vida de Murray Bookchin por Janet Biehl (ed. L’Amourier). Acusado nos anos sessenta de ser utópico, o insurgente Bookchin (1921-2006) respondeu com orgulho: “Sim, eu sou utopista. Mas a utopia se tornou indispensável para a manutenção da vida na Terra!” A emocionante biografia escrita por sua irmã de guerra e de noites carinhosas, Janet, conta com belas histórias sobre como o jovem fundou a ecologia social e a colocou em prática através das primeiras experiências no municipalismo libertário – cujo objetivo astuto era conquistar o poder em alguns lugares e depois renunciá-lo de forma igualmente seca, entregando-o às simpáticas assembleias de cidadãos rebeldes que rejeitavam as relações de dominação.

Também revigorante, Agir aqui e agora (ed. do Commun), o estudo aprofundado do anarco-sindicalista ibérico Floréal Romero sobre como Bookchin inspirou as lutas na Andaluzia, Chiapas ou Rojava para formar uma sociedade “alegre, livre, justa”, não excluindo qualquer forma de ato ofensivo. Assim, em sua juventude rebelde nova-iorquina, Murray, enfrentando a polícia montada em cavalos em uma manifestação não autorizada, foi levado com outros companheiros em Black Marias (vans da polícia) e depois jogado em uma grande cela no “Complexo de Detenção de Manhattan”. E assim, ele revelou um meio eficaz de ser rapidamente libertado: o mijo coletivo no nariz e na barba.

O festival Bookchin continua com dois textos-chave do nosso anarquista iluminado. A Ecologia Social (ed. Wildproject) e Mudar sua vida sem mudar o mundo (ed. Agone), cuja força de ataque avassaladora se cristaliza em um forte dilema nas ações de combate: “Vamos fazer o impossível, caso contrário faremos o impensável.”

Também para ser colocado em sua lista de férias: As Cidades Imaginárias, do ensaísta irlandês Darran Anderson (Ed. Inculte). No capítulo sobre “Cidades Alquímicas“, existem alguns planos emocionantes de “cidades flutuantes” desenhadas pelo arquiteto iconoclasta Herman Sörgel na década de 1920 que teriam tornado possível “ir de barco para um Saara exuberante“.

Mas também uma Cidade de mãos férteis de Béatrice Barras (ed. Repas) que incansavelmente refaz o “salto ao desconhecido” coletivo em Valence, no Drôme. Há trinta anos, reformamos um pátio, montamos uma oficina de tricô, cultivamos jardins ao pé de edifícios, disseminamos vinte coletivos e transformamos o triste bairro de Fontbarlettes em um “sonho que se tornou realidade” onde o “saber-viver juntos” terá um rumo inovador. E festivo. E político. Com base em “ninguém é inútil“, da viva “pesquisa-ação“, reuniões de jardins anarquistas, abrindo caminhos inusitados, florescendo encontros acolhedores.

Sem esquecer da minha grandiosa obsessão de verão: a reedição da Presses du Réel da Stock sobre a fogueira mais assustadora de todos os tempos, O novo mundo amoroso de Charles Fourier: “É atendendo aos nossos prazeres atuais que trabalhamos melhor para o futuro.”

Noël Godin

>> Esta coluna foi publicada impressa na edição 189 do CQFD (julho-agosto de 2020)

Tradução > Estrela

agência de notícias anarquistas-ana

Sobre o monte liso
contra o céu uma só árvore.
Gesto de vitória!

Alexei Bueno

Leave a Reply