[Reino Unido] Errico Malatesta Online Archive

Bem-vindx ao Errico Malatesta Online Archive

“Seguimos ideias e não homens, e nos rebelamos contra esse hábito de incorporar um princípio em um homem.” – Malatesta, 1876

Este arquivo tem como objetivo fornecer uma coleção online, de fácil acesso e abrangente, dos escritos de Errico Malatesta em inglês. Surge de um profundo respeito por seu compromentimento com o movimento e pela clareza e importância de suas ideias, mesmo para nós hoje. Como escreveu Vernon Richards, em sua introdução à terceira edição de Malatesta: Life & Ideas, “…a análise de Malatesta sobre a situação política no mundo ocidental e sua abordagem realista quanto ao papel que os anarquistas poderiam desempenhar na mudança dessa sociedade são tão válidas hoje como sempre foram.” Esperançosamente, será um recurso útil para o movimento.

Errico Malatesta Online Archive é um trabalho em progresso, e vai tomando forma à medida que mais textos forem localizados e adicionados. Ele é projetado para ser um complemento a coleções online existentes, muitas das quais estão geralmente incompletas, não incluem trabalhos importantes ou não representam a totalidade de suas ideias. (The Complete Works of Malatesta [“As obras completas de Malatesta”] estão sendo disponibilizadas em versão impressa – em dez volumes – editadas por Davide Turcado.)

Agradecemos seu apoio para manter este arquivo atualizado, além de torná-lo mais abrangente! A coleção atual é baseada em nossa própria pesquisa online, mas estamos conscientes de que há mais textos que não encontramos. Todas as sugestões para adições posteriores, bem como correções, são bem-vindas. Se você encontrar alguns escritos que não estão incluídos neste arquivo, por favor nos informe por meio da página de contato (caso o texto seja online, por favor inclua o link).

* * *

Malatesta foi um anarquista italiano, nascido em Santa Maria Capua Vetere, Itália, em 14 de dezembro de 1853. Ele foi uma figura central no movimento anarquista internacional, sendo contemporâneo e conhecido de Mikhail Bakunin, Piotr Kropotkin, Emma Goldman, Élisée Reclus e Rudolf Rocker (com quem esteve preso). Foi membro da seção italiana da Internacional, e ajudou a organizar o Congresso de Londres da Segunda Internacional.

Ele passou mais de metade de sua vida no exílio. Nessa época, participou de muitas greves e insurreições (por exemplo, a revolta antieuropeia de Arabi Pasha, no Egito), divulgou incansavelmente as ideias anarquistas (como em comunidades de imigrantes em Buenos Aires) e se reuniu com outras organizações ácratas (por exemplo, os grupos de espanhóis em New Jersey). Devido a suas atividades políticas, foi preso diversas vezes – por autoridades britânicas, italianas, húngaras e suíças –, acusado (ou condenado) por conspiração armada contra o Estado, associação criminosa, participação em organização sediciosa, difamação criminosa, etc. Ele passou mais de dez anos de sua vida na prisão, morrendo em 1932 enquanto estava em prisão domiciliar sob o regime fascista italiano.

Embora seja identificado inicialmente ao insurrecionalismo, Malatesta adotou posteriormente a estratégia anarquista de massas, o sindicalismo, e foi um defensor chave da propaganda pela palavra. Ele produziu muitos jornais e panfletos radicais importantes ao longo dos anos, incluindo o órgão anarquista La Questione Sociale, já em 1883-1884, e o panfleto Fra Contadini (“Entre Camponeses”), em 1884, abordando os trabalhadores rurais sem terra.

Em 1889, em L’Associazione de Nice, ele contestou o “terrorismo” anarquista, defendendo um “movimento organizado comprometido a alcançar a liberdade individual e a justiça social por meio de atividades que nunca deveriam estar em desacordo com seus objetivos”. Mais tarde, no seu programa de 1897, registrado em L’Agitazione (que ele editava em Ancona), ele afirmou a primazia da vontade humana no projeto de emancipação, argumentando que “o povo deve cuidar de sua própria emancipação”. [1]

Depois de um longo período no exílio, ele retornou à Itália em 1919, fundando o primeiro jornal anarquista diário, o Umanità Nova. Mesmo depois da tomada do poder pelos fascistas, Malatesta publicou Pensiero e Volontà em 1924, até que todos os jornais e revistas independentes foram proibidos em 1926.

Diferente de muitos socialistas da época, ele é importante por causa de sua posição franca e de princípios, defendendo que os anarquistas não deveriam tomar partido entre as potências imperialistas na Primeira Guerra Mundial.

[1]  “Il nostro programma”, L’Agitazione, 14 de março de 1897

erricomalatesta.info

Tradução > Erico Liberatti

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/02/12/documentario-em-castelhano-xxi-errico-malatesta-verso-unumanita-nova/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/09/20/espanha-lancamento-no-cafe-conversas-sobre-o-anarquismo-de-errico-malatesta/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/08/21/italia-obras-completas-de-errico-malatesta-serao-lancadas/

agência de notícias anarquistas-ana

outubro
pássaros pousam
nas primeiras praias

Eliakin Rufino

Leave a Reply