[Espanha] Tudo é proibido, exceto ir trabalhar

Além das distopias orwellianas: A economia capitalista!

Desde que a pandemia foi “declarada” em março deste ano, as seguintes medidas foram tomadas entre o governo central e os vários governos autônomos (ou seja, entre o nível geral e local do estado):

– Um Estado de Alarme, que implicava em uma proibição absoluta de sair de casa, exceto para as necessidades mais urgentes.

– Um Estado de Alarme “suavizado”, no qual o movimento da população era restrito a algumas horas por dia.

– Um Estado de “nova normalidade” (dizemos Estado porque foi legislado como tal), que deu poderes às autoridades para tomar as medidas restritivas que considerassem adequadas, e quando o considerassem apropriado.

– Confinamentos seletivos de cidades e bairros, quase permanentes como em Íscar e Pedrajas (o confinamento mais longo) ou temporárias, sendo Madrid o exemplo mais lacerante: chegou ao ponto de “selar” os bairros proletários da cidade, deixando os habitantes dos bairros burgueses livres para se locomoverem.

– Um “toque de recolher”, ou seja, a proibição de circular à noite a partir das 22 horas (em Castela e Leão) ou à meia-noite em diferentes cidades e regiões do país (Madrid, Valência…). [Finalmente até 23h00 com o novo estado de alarme, deixando uma hora de margem para as comunidades que querem antecipar para as 22h00].

– E segundo a imprensa, outro Estado de Alarme com novas medidas restritivas que o Conselho de Ministros aprovou no domingo, 25 de outubro.

Em todas estas situações, tomadas como dizemos por um ou outro dos níveis estatais, há duas constantes: proibição de reuniões e limitação de circulação. E, para garantir isso, a implantação maciça de policiais, Guardia Civil, exército e vários reacionários a partir das varandas. Em outras palavras, estamos diante de medidas que implicam um aumento do poder do Estado de controlar a vida cotidiana do povo, de proibir discretamente direitos fundamentais que até agora pareciam intocáveis.

O Estado afirma que estas são medidas inevitáveis para salvar a situação de crise sanitária que está sendo vivida em todo o país, e que são as únicas medidas possíveis que o próprio sistema jurídico do país lhes impõe, se se pretende evitar a propagação do contágio.

Mas, seis meses após o início declarado da circulação do vírus na Espanha, o que temos?

• Milhares de infecções todos os dias, centenas de mortes em hospitais e lares de idosos.

• O colapso total dos cuidados primários, com sérios problemas de pessoal, fadiga e ultra-exploração.

• Um sistema de saúde que entrou em colapso como um castelo de cartas, milhares de mortes associadas a outras patologias diferentes do vírus, mas que são produzidas pela falta de meios médicos que vieram de longe e foram exacerbadas pela pandemia.

Tudo isso, após quase três meses, durante os quais o Estado fez todos os esforços para impedir a mobilidade: que nem mesmo as crianças pudessem sair para a rua. Nesta próxima semana, mais de mil pessoas morrerão enquanto o Estado afirma que está fazendo tudo o que é necessário.

Qual é o problema? Basicamente, que o Estado não está tomando nenhuma medida de saúde. Todos os seus esforços são direcionados para a imposição de um sistema repressivo reforçado por todas as prerrogativas legais que tem em suas mãos (e as que não têm, compensa, dado que muitos juristas começam a falar em exagerar a “liberdade” que os governos autônomos estão tomando para impor fechamentos de perímetro, toque de recolher, etc.).

Na sociedade capitalista, a maior parte do tempo é gasto no trabalho ou na educação para o trabalho. A maioria da população, o proletariado, sacrifica quase toda a sua vida à produção de commodities. Parece razoável pensar que é nesta atividade que consome quase todas as forças sociais que devem ser impostas medidas sanitárias para evitar a propagação do vírus. E no entanto é precisamente aqui, nos locais de trabalho, nas fábricas, nos escritórios, nas escolas e faculdades, que não foram tomadas medidas absolutamente nenhuma.

O governo central e seus capangas autônomos mentem: não houve confinamento em casa, ir trabalhar era obrigatório se não fosse demitido ou estava no ERTE; não houve confinamento perimetral, os locais de trabalho eram praticamente os únicos permitidos; não há toque de recolher, o trabalho noturno continua sendo obrigatório; não há medidas de distanciamento social ou de higiene pessoal, em nenhuma empresa nenhum empregador está em condições de respeitá-los sem que isso afete a produção.

Uma série de medidas coercitivas foi imposta à população, ou melhor, à classe social que constitui a imensa maioria da população, o proletariado, para discipliná-la, para diminuir o peso da crise econômica e social criada pela pandemia. Nenhuma das medidas tomadas teve outro objetivo senão o de controlar esta parte da população afetada pelo desemprego, a miséria e a fome que o colapso das economias provocou. Este é o verdadeiro segredo da crise do coronavírus.

Há aqueles que, não sabemos se da mais absoluta candura, afirmam que o Estado poderia tomar medidas para deter a pandemia: rastreadores, quarentenas, etc. É claro que tudo isso poderia ser feito, é claro. Mas basta observar as consequências por um momento para saber por que isso nunca será feito. Segundo estimativas fornecidas pelo Ministério da Saúde, entre um e três milhões de pessoas foram infectadas na Espanha até o momento. Aceitemos, seguindo este mesmo Ministério, que o “confinamento” de março-junho foi efetivo e que a maior parte do contágio ocorreu desde então. Digamos agora que para cada pessoa infectada, contamos quatro contatos (um número baixo) que devem ser rastreados e colocados em quarentena. Bem, teríamos aproximadamente 12 milhões de pessoas presas durante os últimos meses. Isto é o equivalente a três quartos da força de trabalho espanhola. O custo em horas de trabalho teria atirado a economia para uma roda traseira. É por isso que nem o governo central nem o governo regional, nem o PP, nem o PSOE, nem o Podemos, nem o PNV, nem qualquer representante da burguesia vai tomar medidas sanitárias para controlar a pandemia. Porque o preço a pagar por fazer isso é muito alto. O custo da saúde pública não é nada comparado ao custo de restringir a produção aos níveis que conteria a pandemia exigiria.

O estado é a máquina nas mãos da classe burguesa que ela usa para impor seu controle sobre o proletariado e outras classes subordinadas. O Estado se comporta como o que é, o instrumento de seu mestre. Não tem funções sanitárias, na medida em que seu objetivo principal é assegurar que a classe burguesa continue a gozar de sua posição predominante e privilégios, e quaisquer medidas sanitárias estão em contradição com este objetivo. Portanto, a única coisa que pode fazer é tomar medidas repressivas muito duras que têm uma dupla função: por um lado, é verdade, elas moderam algo (muito pouco como vimos) o ritmo das infecções (dizemos que moderam o ritmo, não eliminam, ou seja, assume-se que a maioria da população será infectada mais cedo ou mais tarde) e isto permite continuar com um sistema de saúde praticamente destruído. Por outro lado, impõem uma situação de controle absoluto sobre a população, especialmente a população proletária, o que permite que as medidas econômicas que estão sendo tomadas em favor do capital e contra os trabalhadores sejam aceitas sem que a tensão social transborde imediatamente.

O grande medo da burguesia, sua insônia noturna, não é a pandemia ou a crise econômica que ela trouxe. É a classe proletária, que vai pagar por suas consequências com sua vida, mas que (a burguesia sabe disso bem) é forte o suficiente para varrer o sistema capitalista da face da terra. É por isso que, em vez de médicos, vimos o exército. Em vez de hospitais, os CIEs foram reabertos. E assim por diante. Até agora, o governo PSOE e Podemos têm gerenciado bem a situação (com o inestimável apoio de toda a esquerda parlamentar, incluindo a Bildu que, quem o viu e quem o vê, apoia o envio do exército para o País Basco com o Estado de Alarme). Eles empregaram toda a retórica esquerdista possível, mobilizaram todos os seus capangas políticos e sindicais, e com isso conseguiram impor todas as medidas antiproletárias que a burguesia precisava. As empresas estão paralisadas? ERTEs, e os proletários pagam 25% de seus salários para mantê-los. Demissões sem parar? Renda Mínima de Vida como propaganda, que também é paralisada, e todos os sindicatos aplaudindo o governo progressista. E se soma, e se segue.

A classe proletária permaneceu paralisada porque o governo progressista soube canalizar a tensão para os governos autônomos, nas mãos do PP ou de outras formações, sacudiu o coco do fascismo dando a Vox um campo que ele não teria sonhado ter de outra forma. Lá estão eles, como um espantalho, os quatro fascistas sem mente que protestam sob o grito de “liberdade”, para que a massa da população pense que a coisa certa a fazer é aceitar as medidas restritivas deste governo que “cuida de nós”. Muitos proletários continuam confiantes em um governo que os está levando, como o PP fez há dez anos atrás, à miséria.

Mas esta situação não pode ser sustentada. Enquanto as filas de desemprego aumentam, as famílias vêm à Cáritas para pedir comida, as empresas despedem com ERTEs quase permanentes… os proletários não poderão ficar eternamente em silêncio. Agora, um toque de recolher é introduzido e um novo estado de alarme: tudo é proibido, exceto o trabalho. Reuniões proibidas, movimentos limitados, restrições e multas… Quanto tempo mais devemos esperar?

Fonte: http://valladolorentodaspartes.blogspot.com/2020/10/se-prohibe-todo-salvo-ir-trabajar.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Ruge o minuano…
Galopa veloz nos pampas
o cavalo baio.

Fanny Dupré

Leave a Reply