Entrevista realizada pelo Le Monde Libertaire (FA) à redação de Tierra y Libertad

Saúde, pessoal, e obrigado por esta entrevista à distância em tempos de Covid, que nos permite manter contato. Que tal começar com uma breve apresentação de você e de seu grupo Albatros, de Madrid (FAI) e com a memória daquelas bebidas que tomamos em 12 de julho do ano passado?

Ótimo! Começaremos dizendo que nosso grupo – Albatros – foi formado em meados dos anos noventa com pessoas vindas de outros grupos da FAI, Juventudes Libertarias e outros que participavam de um grupo anarquista pela primeira vez. Desde o primeiro momento fomos um grupo de síntese, já que desenvolvíamos (e desenvolvemos) tarefas em diferentes áreas. Talvez o principal seja a difusão de ideias, para a qual utilizamos todos os meios à nossa disposição: conferências, artigos de imprensa, panfletos e até fizemos um pequeno filme sobre Bakunin, que está na rede, e um documentário contra a falsa caridade da Igreja (Ouróboros). A luta antirreligiosa é uma de nossas constantes, mas não a única. Não somos um grupo muito grande, o que às vezes nos limita um pouco, mas temos um círculo de amigos militantes que, embora não estejam no grupo, geralmente ajudam nas tarefas.

Hoje nos toca apresentar Tierra y Libertad (Terra e Liberdade), o órgão de imprensa da Federação Anarquista Ibérica, aos leitores do Le Monde Libertaire. Um jornal anarquista tão famoso que inspirou Ken Loach para seu filme. Ele remonta a que data?

Vamos começar dizendo que Tierra y Libertad não é um órgão de imprensa da FAI, mas uma publicação anarquista editada pela FAI. Isso significa que a Federação nomeia o Comitê Editorial e tem a última palavra sobre tudo que diz respeito ao jornal, mas não é um órgão ou um porta-voz porque a Federação não tem uma “única” voz. Por esse motivo, o jornal não tem um artigo editorial e todas as contribuições devem ser assinadas. A Redação tem o poder de rejeitar aqueles artigos que não parecem apropriados; somente se eles vierem de um grupo federado são as razões dadas ao grupo que os enviou, e se eles não concordarem com as razões dadas, eles são enviados a todos os grupos federados para que uma decisão federal possa ser tomada. É verdade que isto nunca aconteceu no momento e que em alguns casos em que os artigos foram enviados de volta aos redatores não federados, tudo se desenvolveu na maior camaradagem e ninguém se sentiu ofendido.

De tempos em tempos, a Federação muda o Comitê Editorial, uma posição que nenhum grupo quer manter porque limita tanto sua atividade ao ter que publicar o jornal todo mês. Anos atrás (talvez muitos) na Federação decidimos que o Comitê Editorial seria passado para o grupo Albatros, que por sua vez delegou a nós, Hector e Alfredo, para realizá-lo. Pertencemos a duas gerações diferentes (temos 11 anos de diferença de idade) com diferentes experiências militantes e também diferentes profissões (estivador e impressor).

O jornal nasceu em 1888 não menos como um semanário, foi um diário por um curto período de tempo no início do século XX e depois voltou a ser um semanário, com aparência irregular e clandestina durante a ditadura franquista e reapareceu como um semanário em 1976.

O que você coloca de Ken Loach, infelizmente, não é certo. Ele tirou o nome de seu filme do anseio e não do jornal. Alguns companheiros, incluindo aqueles que estavam no conselho editorial na época, participaram das filmagens. Nem Loach nem sua produtora sabiam da existência do jornal. Em qualquer caso, Loach é um trotskista e em seu filme enfatiza mais o papel do POUM (partido marxista) do que o dos anarquistas.

Que papel o jornal desempenhou na história e nas diferentes etapas históricas: guerra civil e revolução social, ditadura, pós-Franquismo?

Desde sua fundação, um dos objetivos do jornal era fornecer informações sobre o movimento anarquista e também servir como referência organizacional para o próprio movimento, ao mesmo tempo em que exibia sua faceta educacional, tudo isso em um país com um percentual muito alto de analfabetismo. Tierra y Libertad, como outros órgãos de imprensa e textos libertários, foi lido em voz alta nas reuniões de trabalhadores para dar uma oportunidade àqueles que ainda eram analfabetos. Como o movimento libertário estende sua tarefa de cultura entre a classe trabalhadora e, ao mesmo tempo, muitos outros jornais libertários são criados, Tierra y Libertad vai se tornando um órgão de difusão e debate em vez de um órgão de informação, comentando as notícias do movimento. Feito por grupos anarquistas federados, nunca foi um órgão de nenhuma federação, que foi chamado de formas diferentes até 1927, quando os grupos espanhóis se juntaram aos portugueses, dando origem à Federação Anarquista Ibérica, o nome da organização que perdura até hoje.

Com o golpe de Estado de 1936, o processo revolucionário da classe trabalhadora foi acelerado, e nosso jornal está nas ruas semanalmente comentando os eventos e oferecendo uma orientação anarquista. Por razões do momento, está começando a ser editado pela FAI como um todo (uma situação que não mudou até agora). Com a vitória fascista, o jornal passa à clandestinidade de forma irregular, publicando também manifestos, folhetos e cartazes sob a forma de monografias. No México, os camaradas no exílio publicam um jornal com o mesmo cabeçalho, mas que não tem nenhum vínculo orgânico com o feito no interior da Espanha ou com a FAI.

Com a morte do ditador, chegamos à transição política para a democracia e Tierra y Libertad começa a ser publicado (a princípio clandestinamente) com uma periodicidade fixa – mensal – e com uma rotação do Comitê Editorial entre os grupos federados. O jornal serve como um elemento unificador da Federação e também de outros grupos não federados.

Quem publicou e publica o jornal? Quem escreve em TyL hoje? E quais são seus vários temas?

Historicamente, muitas pessoas escreveram para o jornal, incluindo escritores famosos, como Azorín. Naturalmente, também os anarquistas mais conhecidos, tais como Malatesta e Kropotkin. Hoje, militantes e teóricos de dentro e fora da Espanha, de dentro e de fora da FAI, escrevem no jornal. Tentamos publicar artigos de análise cobrindo todos os campos da luta social (sindicalismo, feminismo, anti-militarismo…), dando-lhes um viés libertário.

Hoje, como está organizado, financiado, qual o impacto e qual a difusão do TyL?

A organização do jornal é simples: recebemos os artigos ou pedimos para as pessoas certas, assim como revisamos a imprensa libertária em outros idiomas e traduzimos o que achamos apropriado. O jornal é financiado através de sua venda, assinaturas e contribuições extraordinárias de leitores e grupos. No que diz respeito à circulação, imprimimos apenas 1.000 cópias, além da versão web, que recentemente estamos tentando melhorar. Muitas assinaturas em papel saem da versão web.

Quem são seus leitores, há algum ponto de leitura ou de venda para o jornal ou ele opera por assinatura? É possível assinar a partir da França?

O jornal é destinado ao público em geral. Além da assinatura, ele pode ser obtido nas instalações do movimento libertário, incluindo a sede do sindicato. Temos assinantes de todo o mundo, especialmente da América Latina.

Mensalmente, semanalmente… ou em outras modalidades, incluindo um website, vocês consideram melhorar a fórmula atual?

Em princípio, não consideramos mudar a periodicidade. Gostaríamos que houvesse outras publicações específicas, além de boletins de grupos e zonas geográficas que já existem. Pensamos que o movimento anarquista na Espanha precisa de uma revista semanal (como tem na Itália com Umanità Nova) que faça propaganda comentando as notícias, uma revista teórica (como o seu Réfractions), uma revista científica (temos a Germinal. Revista de Estudios Libertarios), deixando a propaganda pela análise para o Tierra y Libertad (mensal, como seu Le Monde Libertaire).

A pandemia tem influenciado o TyL, seu funcionamento e até mesmo suas publicações?

Na verdade, sim. Houve vários meses em que não conseguimos publicá-lo. No início do confinamento, a gráfica onde a imprimimos fechou e depois, quando voltou a funcionar, não pudemos usar as instalações onde a embalamos e a preparamos para o correio; é preciso dizer que as instalações não são nossas, mas de outra organização libertária que nos deixa um espaço em troca de uma contribuição financeira mensal.

Vamos continuar a comemorar juntos no próximo 19 de julho, já que neste verão não foi possível?

É claro que sim! Estamos esperando por vocês…

Monica Jornet

Groupe Gaston Couté FA

Dezembro de 2020

Fonte: https://federacionanarquistaiberica.wordpress.com/2020/12/21/entrevista-realizada-por-le-monde-libertaire-fa-a-la-redaccion-del-tierra-y-libertad/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

pinga torneira
tic tac do relógio
luz com poeira

Carlos Seabra

Leave a Reply