[Espanha] “Meu avô já está enterrado”: uma sepultura digna para duas vítimas do franquismo em Puerto Real, como exemplo do fim da Memória

 

Depois de quase 200 pessoas assassinadas pelos golpistas e resgatadas do túmulo de Puerto Real (Cádiz): os números 29 e 56 já têm nomes e sobrenomes, Juan Díaz Menacho e Pedro Cumplido Casas.

Por Juan Miguel Baquero | 31/03/2021

Os ossos do número 29 pertencem a Juan Díaz Menacho. E os da caixa 56, a Pedro Cumplido Casas. Ambos foram fuzilados pelos golpistas no quente verão de 36 e enterrados na vala comum de Puerto Real (Cádiz). Os dois corpos receberam um enterro digno, fechando o círculo do direito de luto de suas famílias, após anos de trabalho que culminaram com a então segunda maior sepultura na Andaluzia como um exemplo do terror franquista.

“Bem, meu avô já está enterrado”, diz Amparo Sánchez Cumplido, neta daqueles dígitos que já têm nome e sobrenome. “Minha avó ainda não apareceu”, lamenta Francisco Lebron, um dos parentes das vítimas do franquismo que veio ao enterro e homenagem na manhã chuvosa de sábado, 6 de março, na baía de Cádiz.

“Ninguém mais pode dizer que meu avô não foi assassinado, porque eu vi o crânio, perfurado por uma bala daqui até aqui”. Amparo toca sua têmpora esquerda, depois sua direita. A memória está abrindo feridas, dizem alguns. “É um dia de grande emoção para nossa família, há muito esperado”, diz Lourdes Díaz Mateo, neta daquele número 29 que já não sofre mais no esquecimento eterno.

Com quase 200 esqueletos recuperados da terra portorrealeña, as análises genéticas comparadas com mais de 50 famílias só deram resultados positivos nos casos de Díaz Menacho e Cumplido Casas. A dificuldade científica é máxima. Muitos descendentes estão faltando. Os restos esqueléticos têm sofrido a deterioração de décadas de esquecimento.

A intervenção arqueológica em Puerto Real marcou um paradigma nas ações em valas comuns. A segunda maior, até Pico Reja (Sevilha) e depois de Málaga. E um exemplo a seguir da Andaluzia, a região mais castigada pelo terror fascista, com pelo menos 45.566 mortos e 708 sepulturas. A parte ocidental da região tem mais pessoas desaparecidas à força do que o terrorismo de estado das ditaduras da Argentina e do Chile juntos.

Números com nomes e sobrenomes

Número 29: Juan Díaz Menacho. Ele tinha 41 anos de idade quando foi assassinado em 13 de agosto de 1936. Ele nasceu em Algar (Cádiz) em 15 de março de 1895. Ele viveu em Dehesa de los Arquillos com sua esposa, Manuela Betanzos Pérez, e sete filhos, Manuel, Isabel, María, José, Luisa, Rosário e Juan. O DNA deste último serviu para confirmar o resultado positivo do teste genético. Juan Díaz Betanzos (88 anos) não pôde viver o funeral de seu pai devido ao seu atual estado de saúde.

Número 56: Pedro Cumplido Casas. Ele tinha 32 anos de idade quando um fascista lhe deu um tiro na cabeça. Ele nasceu em 17 de setembro de 1904 em Puerto Real. Ele era carpinteiro, anarquista e vice-presidente do Sindicato Metalúrgico aderido a CNT. Casado com Dolores Albiach Moreno, eles tiveram Pedro e Josefa como descendentes. A amostra genética de sua filha Josefa Cumplido Albiach (89 anos de idade) confirmou a relação de parentesco, embora ela não tenha vivido o enterro devido a sua condição física.

“É pena que eu não tenha podido dizer a meu pai, ele não sabe nada, por recomendação dos médicos é melhor esperar… mas ele já está enterrado com sua esposa e seu filho Manuel”, diz Lourdes Díaz, neta de Juan. “Isto é muito forte”, ela confessa emocionada. A caixa com os ossos do número 29 está indo para o túmulo da família no cemitério de San Roque, em Puerto Real.

“Pelo menos o temos coletado, como deveria ser, bem enterrado, e não jogado por aí”, diz Amparo Sanchez, neta de Pedro. “A ferida está um pouco fechada, mas ainda há uma longa fila”, diz ela, sentindo a busca por milhares de vítimas do regime de Franco. E ela não acredita que tudo esteja feito. “Não se faz justiça, os assassinos que mataram meu avô e muitas pessoas não estão vivos, mas devemos saber quem eles eram, isto seria suficiente”, exige. “Meu avô não matou ou feriu ninguém, ele era o líder da CNT e uma pessoa muito inteligente que ensinou muitas pessoas, e naquela época o que eles queriam era gente ignorante, foi por isso que o mataram”.

“Não esquecer do que aconteceu”

A Associação para a Recuperação da Memória Histórica Social e Política de Puerto Real entregou os restos do esqueleto às famílias de Juan Díaz Menacho e Pedro Cumplido Casas, das mãos de Paco Aragón e Antonio Molins. E também caixas com os objetos associados a seus esqueletos.

“Um ato muito emotivo” e de acordo com as normas sanitárias causadas pela pandemia da COVID-19. “Hoje nos lembramos de duas pessoas que foram vilmente assassinadas em 1936 pelo regime fascista”, nas palavras de Aragón, presidente da associação memorial Cádiz. A Memória, destaca, “com a ideia de não esquecer o que aconteceu em nossa cidade, aqui não houve guerra, apenas repressão, repressão por este bando de criminosos fascistas”.

Os corpos de Juan e Pedro foram recuperados de uma enorme vala comum. O Departamento de Medicina Legal, Toxicologia e Antropologia Física da Universidade de Granada assinou a análise genética.

A intervenção arqueológica começou em 2010 e, após várias fases, a cova ilegal media 31 metros de comprimento por 2 metros e meio de largura e 1,60 metros de profundidade. A terra rendeu até 185 pessoas mortas pelos golpistas sob o comando de Francisco Franco e Gonzalo Queipo de Llano em solo andaluz.

Apenas duas eram mulheres. A faixa etária predominante tem menos de 30 anos de idade. E nove sujeitos adolescentes, com cerca de 17 anos de idade, se destacam. Os esqueletos apresentaram episódios violentos em 152 casos, mais da metade deles com orifícios balísticos e quase 40% com fraturas perimortem. Um em cada dez tinha projéteis alojados junto aos ossos, de acordo com o relatório da equipe chefiada pelo arqueólogo Jesús Román, o antropólogo forense Juan Manuel Guijo e o antropólogo físico Juan Carlos Pecero.

Juan Díaz Menacho, número 29. E Pedro Cumplido Casas, número 56. Duas pessoas que “deram suas vidas por um mundo melhor, como tantos homens e mulheres de nossa cidade cujo comportamento exemplar na defesa de seus direitos os levou à morte”, segundo Paco Aragón. Como os escravos do regime de Franco, aqueles que sofreram nos campos de concentração, sofreram o saque do golpe ou no exílio… “e todos aqueles que morreram e que não sabiam onde estavam seus parentes”.

“Cada dia que identificamos uma vítima, estamos muito mais seguros do que nunca mais pode acontecer”, disse a Ministra da Presidência, Relações com os Tribunais e Memória Democrática, Carmen Calvo, durante a apresentação do “plano de choque” da Espanha para atacar a realidade das valas comuns do franquismo. “Não podemos dizer aos jovens que lhes entregaremos o bastão de uma Espanha digna, de uma democracia em pé de igualdade com qualquer outra no mundo, se ainda tivermos essa escuridão atrás de nós”, insistiu a primeira Vice-Presidente do Governo, apontando o caminho a seguir: Memória contra o esquecimento.

Fonte: https://www.eldiario.es/andalucia/cadiz/abuelo-enterrado-tumba-digna-victimas-franquismo-puerto-real-ejemplo-memoria_1_7283010.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Outono em fuga
Assustado com o frio
De cara feroz.

Leosan

Leave a Reply