[Colômbia] Protestos contra reforma tributária têm confrontos entre policiais e manifestantes

Milhares de manifestantes foram às ruas das principais cidades da Colômbia nesta quarta-feira (28/04) durante uma greve nacional em protesto à proposta de reformas tributárias do governo do presidente Iván Duque. Na capital Bogotá, houve choques entre a polícia e manifestantes.

Os protestos foram realizados apesar do apelo das autoridades e da ordem de um tribunal para que eles fossem adiados, por preocupação com uma nova onda de contágios de Covid-19 que tem sobrecarregado os hospitais do país. A Colômbia registrou 490 mortes pela doença nas últimas 24 horas, o número mais alto desde o início da pandemia.

O governo colombiano propõe o aumento e a criação de novos impostos, para indivíduos e empresas. Sindicatos de trabalhadores, professores, organizações civis, representantes de povos indígenas e outros setores rejeitam a proposta, dizendo que as reformas propostas prejudicam a população e não são adequadas em meio à crise provocada pela pandemia de coronavírus.

O presidente Iván Duque rechaçou os atos de violência ocorridos nesta quarta-feira. Ele disse que o governo nacional compreende o direito da população de protestar, mas ressaltou que “também o que vimos hoje em muitos lugares é vandalismo criminoso, é atentar contra a infraestrutura, contra os negócios e outras pessoas, contra os meios de comunicação”.

Bogotá, o epicentro dos protestos desta quarta-feira, registrou tumultos e confrontos. A polícia de choque precisou intervir para impedir a tentativa de um grupo de encapuzados de invadir a sede de um canal de televisão, segundo a Secretaria de Governo. As manifestações e alguns enfrentamentos continuavam por volta das 18 horas, poucas horas antes do toque de recolher, segundo a imprensa local.

Em Cali, cidade a sudoeste de Bogotá, houve tumultos e ônibus queimados. O ministro da Defesa, Diego Molano Aponte, ordenou nesta tarde que o exército desse apoio à polícia para conter os “atos de violência”. Foram enviados para a cidade 554 agentes adicionais da Polícia Nacional; 300 da Esmad (polícia de choque); e 450 soldados do Exército, que terão a missão de “garantir a segurança dos cidadãos, das entidades públicas e do comércio local”, segundo o ministro. A cidade impôs um toque de recolher às 13 horas.

Também em Cali, indígenas derrubaram a estátua de Sebastián de Belalcázar, um conquistador espanhol do século 16. Um porta-voz dos manifestantes disse à imprensa que o monumento foi derrubado em repúdio à violência sofrida historicamente pelos povos indígenas.

Em Medellín, segunda maior cidade colombiana, as manifestações duraram quase oito horas e terminaram quando a polícia de choque disparou gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Momentos antes, um grupo tentou derrubar postes com câmeras usadas para detectar infrações de trânsito na cidade, segundo a imprensa local.

Em 2019, colombianos foram às ruas em uma série de grandes protestos contra políticas econômicas e sociais do governo de Iván Duque, que deixa a presidência no ano que vem.

Fonte: agências de notícias

agência de notícias anarquistas-ana

manhã de vento
na caixa do correio
apenas uma folha seca

João Angelo Salvadori

Leave a Reply