[França] A livraria do Lírio do Vale

Você deve se comprometer a descobrir a livraria do Lírio do Vale no bairro de Saint-Éloi em Bordeaux, nas instalações do Athénée libertaire [Ateneu Libertário]. No final do beco sem saída, você atravessa um portão de ferro forjado e entra em uma espécie de pátio onde verá uma fachada de borras de framboesa, a livraria e algumas bicicletas.

Memória

Desde 1963, esta sala abrigava uma biblioteca dedicada à história dos movimentos operários e suas lutas, trazida por exilados anarquistas da Guerra Civil Espanhola. Como resultado de lutas internas e ideológicas, o acervo dessa biblioteca foi disperso, mas grande parte dela continua disponível para consulta no local.

Nos anos 1970, também abrigou um cineclube que agora deu lugar a uma sala de debates, espetáculos e um bar autogestionado.

O livro totem

O pensamento libertário tem uma relação singular com os livros, meio de emancipação e educação. Não é o Ateneu o lugar onde os oradores vêm ler suas obras?

A livraria do Lírio do vale é independente, libertária e opera em autogestão desde março de 2003. A visitação é oferecida duas tardes por semana por ativistas não remunerados e as receitas da livraria são totalmente reinvestidas nas despesas de viagem de autores ou conferencistas e para complementar o fundo da biblioteca.

Alguns milhares de livros aguardam o leitor interessado em temas específicos: colonialismo, todas as formas de exclusão e perda de liberdades (prisão, psiquiatria), mas também lutas feministas, com o viés de informar sobre todas as formas de lutas sociais, políticas, econômicas, ideológicas e críticas.

Acompanhando os grandes movimentos sociais de 1995 na França e de 1999 em Seattle (nascimento do movimento antiglobalização que se tornou alter-globalista em 2001), estamos testemunhando o surgimento de editoras especializadas em fanzines, rótulos que são os portadores das palavras de lutas sociais. A próxima visita à livraria de Jean-Pierre Leva Ray é a prova disso. Trabalhador de uma fábrica química, subsidiária da Total, sindicalista, escritor libertário e ativista anarquista, é autor de vinte livros, o mais conhecido deles é Putain Factory, mas também criador de um fanzine e de uma editora musical.

Abertura

A atividade da livraria não se limita à venda de livros. Participa uma dezena de vezes por ano em mesas de imprensa no âmbito de eventos a convite do cinema Utopia, do Ciné Réseaux no Jean-Eustache de Pessac. Mais recentemente, l’Escale du Livre convidou a Livraria do Lírio do vale para apresentar editoras como Libertalia, L’Échappée e organizar debates com pesquisadores como Éric Fassin, sociólogo e autor das edições Roma e residentes em La Fabrique em 2014. As discussões são organizadas uma vez por mês sobre temas atuais ou históricos, como com Pinar Selek, ativista e sociólogo, exilado na França, autor de “Porque são armênios” publicado por Liana Levi, 2015.

A associação Mankind, organizada pelo Athénée, organiza concertos de música punk e hardcore.

O livro em construção

Por causa de sua combatividade, os trabalhadores do livro unidos na associação, sempre se beneficiaram de consideráveis ​​vantagens em relação à condição de trabalho. A informatização e a concentração de grupos de imprensa os minaram em grande parte. A questão do acesso à distribuição digital surgiu dentro do coletivo da livraria que, por enquanto, o deixa em suspenso. A prioridade é perpetuar a atividade e garantir a presença junto ao público. Podemos apostar que as gerações futuras assumirão essas questões.

Talvez não seja por acaso que a livraria está localizada na rua do lírio do vale: lírio do vale está associado ao Dia do Trabalho, uma reminiscência da greve dos trabalhadores de Chicago, suprimida com sangue em 1° de maio de 1886. Este lírio do vale, que substituiu ao longo dos anos, o símbolo do triângulo vermelho das três demandas: oito horas de trabalho, oito horas de sono, oito horas de lazer.

Uma coisa de que podemos ter certeza é que todo ano o lírio do vale florescerá.

Jean-Louis Deysson

>> Livraria do Lírio do Vale, 7 rue du Muguet, atheneelibertaire.net

Tradução > Baru

agência de notícias anarquistas-ana

O peixe mergulha
do seu salto sobre a rocha:
o rio não para.

Everton Lourenço Maximo

Leave a Reply