Antissemitas Canadenses e Conspiracionistas de Extrema Direita Experimentam Nova Tática: Alinhar-se com Comunidades Indígenas

Um relatório antifascista do Canadá sobre como alguns nacionalistas brancos e conspiracionistas de extrema direita estão tentando ganhar espaço em comunidades indígenas.

Enquanto a pandemia de Covid pode ou não estar chegando ao fim, várias contas antifascistas do Twitter têm tentado adivinhar ao que a extrema direita canadense dedicará sua atenção a seguir. Gostaria de propor a teoria de que, por escolha ou não, a extrema direita conseguiu colocar o pé na porta de comunidades indígenas – um desenvolvimento que deveria alarmar largamente militantes antifascistas e anti-coloniais.

Os novos, mais palpáveis, pontos de conversa dos fascistas que a extrema direita demonstrou ao mundo foram muito bem-sucedidos em atrair uma audiência aberta às suas mensagens. Tanto que conseguiram recrutar alguns aliados não-brancos, orgulhosamente expondo essas pessoas para desviar da realidade de que seu movimento é fascista e racista, e eles têm feito isso com um nível razoável de sucesso. No Canadá, quando a extrema direita começou a se tornar mais notável, sua propaganda tentou clamar quase toda a oposição a governos liberais para si. Isso incluiu problemas como impropriamente beber água em tantas reservas no Canadá, até com artigos sendo escritos sobre o assunto pelo website de propaganda de extrema direita Post-Millennial, lar do troll de desinformação Andy Ngo.

O sucesso dessa propaganda, filtrando por círculos indígenas, provavelmente foi percebido por qualquer um em grupos de defesa da terra do Facebook, com vídeos sendo compartilhados que apresentam conspirações e alguns diretamente de propagandistas de extrema direita. Informações equivocadas sobre a Covid também proveu um veículo forte para uma infiltração mais profunda, uma vez que as comunidades indígenas são justificadamente desconfiadas de sistemas médicos do governo.

Como o movimento anti-isolamento/máscara/vacinas e lançou no verão, pessoas em Alberta começaram a ver algumas imagens estranhas e confusas em cartazes anti-isolamento: os cartazes começaram a conter imagens com temas indígenas. Viu-se uma pessoa com enfeites na cabeça, uma imagem de uma ilha de tartarugas, a roda da medicina, e até os emblemas de duas nações em volta da cidade de Calgary. O começo de outubro, contudo, marcou uma virada notável na infiltração; de comentários online a forte presença física de apoio, na forma de montar acampamento com Pat King, um conhecido supremacista branco de Alberta.

Originalmente Pat King veio à legislatura de Alberta exigindo uma reunião com o primeiro-ministro da província, no que parece ser um fim a uma longa saga de como Pat King não entende a lei, documentos legais e a confusa estrutura burocrática dos tribunais canadenses. Nos primeiros dias, Pat estava tão na borda que não havia envolvimento indígena visível. Um pouco antes do novo dia para “verdade e reconciliação”, Pat pôs um chamado, sem dizer um horário, para pessoas vir “estar com as Primeiras Nações.” Depois disso parece que ele não falou mais sobre seu caso legal. Parece que um evento foi planejado para aquele entardecer, mas durante a tarde algumas pessoas já tinham se reunido e algumas pareciam conhecer Pat. Temos que assumir que nem todos que vieram à legislatura de Alberta o fez a seu pedido, mas parece que algumas sim, incluindo uma pessoa que veio falar com ele na noite anterior, dizendo que tinha ouvido que era um supremacista branco, mas foi convencida por ele que não era.

No período de uma semana e meia que se seguiu, Pat postou vídeos dizendo que foi apresentado a um membro dos guardiões da água, antigos guardiões da Athabasca, Nancy Scanie. Parece que um acampamento foi criado com ela como uma figura de comando ou liderança. Em 9 de outubro, o acampamento tinha várias tendas e 3 grandes tipis. Naquele dia também havia palestrantes e performances, todos anti-vacinas e muitos deles eram visivelmente indígenas. Permanece incerto qual o grau de influência e de conexão de Pat King em quaisquer comunidades indígenas, mas está claro que existe algum e que há uma audiência receptiva a mitos sobre vacina e conspirações da extrema direita.

Até agora isso só foi notado em Alberta, então é incerto o quanto isso pode ser um indicador da direção do movimento Patriota em geral. Mas seria válido notar e pensar sobre as ramificações do que essas tentativas podem ser. Uma das poucas diferenças entre a extrema direita canadense e a estadunidense é a falta de porta-vozes visivelmente racializados no Canadá. Ter indígenas preenche essa lacuna ou defende que pessoas proeminentes no movimento Patriota irão dar-lhes potenciais melhores para desviar críticas.

Uma infiltração da extrema direita dividiria ainda mais comunidades indígenas e ameaçariam os projetos de defesa das terras de várias nações? Essa situação também traz uma outra questão: como antifascistas podem proteger comunidades específicas da infiltração de figuras e ideias de extrema direita?

Fonte: https://itsgoingdown.org/canadian-anti-semites-and-far-right-conspiracy-theorists-try-new-tactic-aligning-with-indigenous-communities/

Tradução > Sky

agência de notícias anarquistas-ana

Parece gostosa
a neve que chega em flocos
tão suavemente.

Issa

Leave a Reply