1º de Maio Global – Um Mundo – Uma Luta

UMA SEMANA DE AÇÃO DE 27 DE ABRIL A 4 DE MAIO

A nível mundial, nós, os trabalhadores assalariados, somos colocados em concorrência para apoiar a produção de valor adicional. Independentemente de onde vivemos, do nosso gênero/sexo, nacionalidade, estamos entrelaçados na mesma luta, querendo ou não. Cortes orçamentais nos serviços sociais, externalização, salários deprimentes, privatização, aumento dos custos de vida e a destruição dos recursos naturais são apenas alguns dos sintomas do sistema econômico global. Um sistema baseado na exploração e competição conduz à comercialização de todos os aspectos das nossas vidas. Sofremos uma pressão crescente para realização de um trabalho que nos aliena das nossas necessidades e pessoas com quem gostaríamos de compartilhar a vida. Seja no local de trabalho, na universidade ou, cada vez mais, mesmo durante a infância e juventude. A lógica da economia de mercado e as estruturas correspondentes do Estado-nação exigem que a adaptação ao ditame da competitividade e a produção de valor tenham prioridade sobre o desenvolvimento das capacidades emancipatórias.

A introdução de um Rendimento Básico Universal a nível global pode ser um primeiro passo emancipatório na superação das relações laborais salariais.

Não pretendemos simplesmente perturbar; procuramos ultrapassar.

Este ano, chamamos a atenção para a crise ecológica que todos enfrentamos. Uma crise provocada pela busca interminável de margens de lucro por parte dos interesses capitalistas. Uma crise que verá guerras a assolar o mundo inteiro, fazendo com que os mais pobres de nós sofram o mais cedo e o mais depressa possível. Com os atuais modos de produção e práticas de trabalho controlados pela classe capitalista a ultrapassar esta crise, é impossível. A crise ecológica global é um problema para a classe trabalhadora de todo o mundo. Não há Terra 2.0. Não há opção de reiniciar ou plano de fuga. Há apenas o futuro. Temos de decidir, e está nas nossas mãos como a classe trabalhadora, se esse futuro estará em algum lugar onde os humanos possam viver ou não.

Dada a natureza transnacional do sistema capitalista, é necessário que os trabalhadores se liguem a nível global.

Através da ligação em rede através das fronteiras, as interligações globais que moldam as nossas condições locais podem ser tornadas visíveis. Além disso, abre novas potencialidades e âmbitos de ação no âmbito da luta contra a exploração, bem como condições de trabalho e de vida precárias. O poder de negociação dos trabalhadores aumentaria tremendamente, se nos uníssemos dentro da mesma cadeia de valor acrescentado.

Especialmente em tempos de nacionalismo e racismo, procuramos a luta comum e resistimos a ser jogados uns contra os outros.

Por uma vida melhor para todos – através de todas as fronteiras!

#globalmayday2022 #1world1struggle

Nota extra sobre destruição ambiental e luta de classes

A extração de combustíveis fósseis e a exploração dos recursos naturais da terra têm sido fundamentais para sustentar a frenética busca de um crescimento capitalista sem fim.

Desmatamento, seca, fome, deslocamento, doenças, pobreza, são todas consequências da dinâmica imperialista e colonial de expropriação de terras, dando prioridade aos interesses das corporações sobre as pessoas e os ecossistemas, e uma militarização global em larga escala para o controlo dos recursos primários.

Tal devastação está a ter um impacto prejudicial sobre o planeta e sobre a vida de milhões de trabalhadores em todo o mundo.

Milhares de pessoas perderam o seu modo de vida ancestral, milhares de trabalhadores precisam de migrar para ganhar a vida nas condições mais precárias, e milhares sofrem de doenças durante toda a vida devido às extrações mineiras, condições de trabalho e poluição. Isto tem tido um efeito mais profundo nas economias dos trabalhadores indígenas e agrícolas do Sul Global, com um aumento da percentagem de mulheres afetadas. Olhando para o contexto patriarcal, as mulheres não têm igual acesso a recursos como a educação, terra, água e cuidados médicos. São mais dependentes dos recursos naturais para a sua sobrevivência, e são frequentemente responsáveis pelo fornecimento de alimentos às suas famílias, tendo geralmente de caminhar quilômetros por água, tendo um risco acrescido para a sua saúde e de sofrer violência sexual.

O capitalismo está a arruinar o planeta, os nossos meios de subsistência e os nossos meios de existência. A ideia neoliberal de um Novo Acordo Verde de ‘transições ecológicas alternativas’ não se baseia no fato de que os recursos do planeta são finitos. Em vez disso, ajuda a branquear todo o sistema econômico.

É uma emergência que exige que os trabalhadores se organizem globalmente e lutem contra os interesses capitalistas que lideram esta crise climática. Uma crise que tem um impacto discriminatório de fatores socioeconômicos como a pobreza, e racismo sistemático, sobre os mais desfavorecidos social e economicamente, com acesso limitado aos recursos, comunidades de cor, imigrantes, e trabalhadores de baixos rendimentos.

Os sindicatos de base e revolucionários são fundamentais na organização de uma estratégia baseada nos trabalhadores para reduzir o impacto negativo das indústrias que afetam desproporcionadamente as comunidades de classe trabalhadora, que eles defendem e representam.

Para combater o modelo fóssil de produção econômica é necessário recuperar a terra, a nossa subsistência, e restabelecer um equilíbrio entre a atividade humana e o ambiente natural com base numa transição justa para um futuro sem carbono.

Uma vez que a dependência e a escassez de matérias-primas e de recursos energéticos se desdobrarão inevitavelmente em guerras e conflitos, a classe trabalhadora, armada com o poder de retirar o seu trabalho e parar a produção numa greve global, deve organizar-se numa postura internacionalista, anti-militarista e de solidariedade de classe para superar o capitalismo e avançar coletivamente no sentido de assegurar a justiça climática e a soberania alimentar para todos, colocando o nosso futuro e bem-estar nas nossas mãos.

lutafob.org

agência de notícias anarquistas-ana

estou meio tonto
descobri, ontem, dormindo
que morre-se e pronto

Bith

Leave a Reply