[França] A violência social é a pior violência

por Éric Vilain

As camadas dominantes da sociedade de hoje – política e econômica – não são tão diferentes dos aristocratas do Antigo Regime. Se era difícil imaginar que Macron e seus cúmplices poderiam ter ignorado a situação real de “seu povo”, como teria dito Louis XVI, eles não podem mais ignorá-la hoje: uma parte significativa da população vive em o terror da sombra da pobreza, mas é verdade que as pessoas que nunca tiveram que buscar febrilmente o bolso para encontrar a pequena moeda que vai comprar um pãozinho, que nunca foram forçados a encontrar estratégias idiotas para terminar o mês ou pagar aluguel, essas pessoas que nunca foram obrigados, quando eram jovens, a usar as roupas velhas que tinham sido para dois irmãos mais velhos, essas pessoas podem se surpreender que não podemos pagar um restaurante 200 euros ou ser surpreendido que não temos dinheiro suficiente para enviar nossos filhos para ver o mar. Eles não podem entender esta mulher solteira, demitida de seu trabalho, expulsa de casa com dois filhos que deveria conviver com o mínimo social.

Se não é violência, não sei o que é. Simplesmente é a violência social, que não é reconhecida como tal, que raramente é mencionada na mídia, e raramente mencionada pelos próprios coletes amarelos. Nem o idiota que acha que perdemos a vida porque não temos um Rolleix, nem um deputado macronista foram impedidos de ir ao funeral da mãe porque não tinham dinheiro suficiente para colocar gasolina em seu carro, como uma mulher entrevistada disse chorando.

Por que a aristocracia neoliberal que governa o país persiste no caminho que escolheu? Em minha opinião, é muito simples: eles seguem as instruções dadas a eles e estão em posição de não poder recuar. Macron não pode voltar atrás.

Vinte ou trinta anos atrás, alguém poderia culpar algumas instituições internacionais pelos efeitos desastrosos da política ultraliberal: o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a Comissão de Bruxelas e até o Banco Central Europeu (BCE). Mas as coisas parecem ter mudado um pouco.

Estas instituições, muito pesadas em termos de capacidade de resposta, perceberam, após a crise de 2008, que talvez tenham ido longe demais, que a desigualdade piorou, que a ditadura dos mercados ameaçava o crescimento e constituía um perigo para a democracia e o meio ambiente. Elas passaram a reconhecer que o Estado devia desempenhar um papel regulador. Todas essas ideias, que teriam sido consideradas “comunistas” trinta anos atrás, acabaram penetrando nos cérebros doutrinários de economistas que dominavam os “think tanks” neoliberais.

Nos últimos anos, podem-se ler relatórios que defendem o aumento dos salários e dos investimentos públicos, a redução das desigualdades, a colocação no terreno das finanças, a condenação dos paraísos fiscais. Esses relatórios também defendem uma taxação progressiva e redistributiva, a abundância de liquidez sem medo da inflação. Todas as coisas absolutamente inimagináveis há não muito tempo.

Lendo estas recomendações, entendemos que Macron não segue de todo a nova tendência das principais instituições internacionais (mas ele não é o único). A política de Macron está totalmente fora de sincronia com o que se tornou a tendência da época. Mas deve-se dizer que entre os políticos e “especialistas” da mídia essas “novas” ideias que se assemelham estranhamente ao keynesianismo, uma das doutrinas do capitalismo que se tornaram heréticas, essas “novas” ideias ainda não parecem ter penetrado os cérebros dos decisores políticos. Estamos lidando com uma reviravolta tão espetacular que é difícil ser assimilado pelos políticos, ainda acostumados a dizer ou uma coisa e seu oposto.

Edgar Faure, que ocupou inúmeras funções nas Quartas e Quintas Repúblicas, disse: “não é o cata-vento que gira, é o vento…”. Macron e suas botas, trancadas em seus escritórios, não sentiu o vento girando. É que, neste caso, a reviravolta envolve mudanças extremamente profundas em programas cujos promotores haviam finalmente esquecido que eles eram apenas opções entre outros e passaram a acreditar que eram leis da natureza. Em suma, essas pessoas boas continuam a raciocinar com conceitos que estavam em vigor antes da crise de 2008 e a defender as mesmas medidas que levaram a essa crise.

Hoje vemos que, apesar da mudança de curso das instituições internacionais que deram o tom em termos de política econômica, ainda é a política antiga que é seguida. Aqueles que achavam que os formuladores de políticas estavam seguindo suas instruções em Bruxelas ou no FMI estavam errados, finalmente. Mas onde estão eles?

Existe um lugar, sem nome, no qual são elaboradas as estratégias econômicas impostas aos trabalhadores? Haveria algo que estaria acima das instituições internacionais, e que seria capaz de desenvolver políticas econômicas para o maior benefício de uma minoria de exploradores?

Essas instituições internacionais dão o tom em termos das orientações econômicas dos Estados financiados pelos “impostos” dos Estados-Membros. Os líderes políticos haviam integrado o discurso ideológico neoliberal que surgiu como resultado de uma estratégia extremamente ativa de comunicação iniciada pelos “Chicago Boys”, um grupo de pressão neoliberal dos EUA; uma estratégia que Susan George explicou muito claramente em “Como o pensamento se tornou único”. Por um momento, acreditou-se que essas instituições internacionais haviam se tornado todo-poderosas, mas quando começaram a defender medidas contrárias aos interesses dos principais grupos financeiras internacionais, suas recomendações não foram implementadas, começando por Macron. O que mostra o quanto os grupos financeiros controlam os governos. Tudo isso é um pouco “teoria demais”, como diz o zelador de meu prédio, é só porque temos que denunciar as teorias da conspiração de que não há conspirações. A ascensão de Macron ao poder é que eu acho literalmente o resultado de um enredo. Todas as medidas supostamente sociais que ele está tomando visam preservar a todo o custo os interesses dos bancos e para financiar medidas sociais pelos próprios pobres: ele corta a lã nas costas das pessoas comuns. Em outras palavras, ele apoia os pobres de forma inadequada com bolsos de outros pobres, ou aqueles de pessoas simplesmente modestas e permitindo que os ricos se tornem ainda mais ricos; não há dúvida em restabelecer o imposto sobre a riqueza ou impor mais renda aos acionistas.

Vamos parar por um momento no caso da França, sabendo que a mesma observação se aplica em todos os lugares.Quando nos dizem que 10% da população têm renda acima de € 5.000 por mês e um patrimônio superior € 500.000, inconscientemente tendem a dizer: “Finalmente, os ricos são ricos, mas não muito. Mas nesta categoria de “ricos”, há um que é particularmente interessante, sobre o qual nunca falamos. Esta é a minoria muito pequena nesta categoria que é capaz de orientar as decisões políticas, e que têm ativos que variam de 25 milhões de euros a 35 bilhões de euros, o que representa apenas 0,01% da população francesa. Estas pessoas não adquiriram a sua riqueza trabalhando, na sua maioria nascem com um patrimônio importante, em particular ações, um patrimônio que aumenta automaticamente com o rendimento da capital, isto é, o patrimônio. resultado de equivalência patrimonial. Há boas razões para dizer que Macron é o presidente de 0,01% da população.

O capitalista de hoje não é alguém ansioso por reinvestir seu capital; hoje, 85% dos lucros líquidos vão para dividendos, ou seja, para pagar os acionistas, enquanto apenas 15% vão para o investimento: em outras palavras, reinvestimos apenas o suficiente para manter a máquina funcionando, e, principalmente, evitamos pagar melhor aos funcionários. São os acionistas – aqueles que tomamos cuidado para não falar sobre isso – que são os beneficiários do valor produzido pelo trabalho na França. Eles quase nunca são mencionados na mídia. Eles são invisíveis e querem ficar assim.

Sua invisibilidade explica que quando coletes amarelos são entrevistados na mídia, eles não podem responder com credibilidade quando lhes dizem: mas se removermos impostos sobre isso ou aquilo, se reduzirmos os impostos, se aumentarmos os gastos sociais, etc. como vamos pagar? Porque quando pessoas como Macron (mas era válido com Hollande, Sarkozy, etc.) propõem aumentar um gasto social, elas sempre o fazem reduzindo outro gasto social, nunca aumentando os impostos sobre os dividendos. Por outro lado, como você pode imaginar que Macron está devolvendo o imposto sobre a riqueza que ele teria que pagar? Seu argumento é obviamente não dizer: “Eu não vou restabelecer um imposto que eu teria que pagar!”. Não. O argumento de todos os neoliberais em favor da redução de impostos dos ricos é para dizer que isso favorece o investimento. Mas é sabido há muito tempo, desde Thatcher e Reagan, que o corte de impostos dos ricos apenas encoraja seu consumo de luxo.

agência de notícias anarquistas-ana

Milhares de filhotes
Na maré de primavera —
Também borboletas!

Sonia Regina Rocha Rodrigues

Leave a Reply