[EUA] AK Press e Publicação Anarquista

Entrevista: Por que fazemos isso?

 por vários autores

 Fifith Estate #402, Inverno de 2019

 AK Press é um coletivo anarquista dirigido por trabalhadores que publica e distribui livros radicais, bem como mídia visual e de áudio. O coletivo foi criado em 1990 e hoje é administrado por sete pessoas em cinco cidades e dois países. Eles atualmente publicam cerca de vinte livros por ano.

 Quatro membros do coletivo, que estão envolvidos há 12 e 28 anos, fizeram perguntas a si mesmos sobre a publicação anarquista para dar uma olhada em seu projeto.

 Eles são Alexis em Edimburgo, Escócia, Charles em Berkeley, Califórnia, Suzanne em Baltimore e Zach em Chico, Califórnia, onde o armazém de distribuição da AK Press está localizado.

O que é publicação anarquista?

Alexis: É fazer parte de uma longa tradição que sempre tentou olhar tanto para trás, para o desenvolvimento das ideias centrais do anarquismo (os clássicos da nossa história), quanto para frente, para ver como esses princípios se relacionam com as lutas atuais e futuras, esperando dar às pessoas ferramentas para construir nossos movimentos e navegar em direção a mudança social fundamental.

Suzanne: Parte do que fazemos é publicar livros especificamente anarquistas, mas igualmente importante é como nossa política informa nossa operação cotidiana. Ninguém na AK Press é proprietário ou gerente ou chefe. Todos tomamos decisões juntos, todos nos pagamos da mesma forma e temos voz igual na execução do negócio.

Charles: Não que isso garanta alguma coisa. Há muitos coletivos não anarquistas por aí. Supremacistas brancos podem se organizar coletivamente, em pequena escala. Mas ainda é um aspecto necessário. É uma questão de forma mais conteúdo político.
Alexis: Eu iria com a combinação de sermos anarquistas, nos organizarmos de acordo com esses princípios e publicar (principalmente) material anarquista. Todas as três coisas se juntam para fazer uma editora anarquista. Há uma coerência com o todo que você não encontra quando as editoras dominantes assumem um trabalho anarquista com o qual eles acham que podem ganhar dinheiro.

Como fazemos isso?

Suzanne: Nós nunca dormimos. Não, mas, na verdade, temos um coletivo pequeno mas sólido e uma incrível rede de autores, editores, tradutores, designers, livrarias, membros e, claro, leitores entusiastas.

Alexis: É um esforço colaborativo. Trabalhando com arquivos como a Biblioteca Kate Sharpley, contando com a experiência de tradutores anarquistas ou acadêmicos que pesquisam material histórico. Definitivamente não é só a gente.

Charles: Passamos a maior parte do nosso tempo acordados fazendo isso. Parte do projeto político significa que você tem que ser muito dedicado. É preciso um esforço diário consistente para chegar a um ponto em que, você espera, afete a cultura mais ampla.

Por que fazemos isso?

Zach: Como Malatesta escreveu: “Todo golpe dado às instituições da propriedade privada e ao governo, toda exaltação da consciência do homem, toda perturbação das condições presentes, toda mentira desmascarada, toda parte da atividade humana tirada do controle da autoridade, cada aumento do espírito de solidariedade e iniciativa, é um passo em direção à Anarquia”.

Charles: É fácil perder de vista o “porquê” quando você está preso no dia-a-dia, então você tem que parar e avaliar. Claro, você está fazendo isso “pela revolução”, mas o que isso significa se você não está pensando estrategicamente sobre como ir de A para B? Quem você está tentando alcançar? Com quais mensagens? Porquê? Como fazer isso da melhor forma?

 Zach: Há um equilíbrio que você mantém entre estar em sintonia com a cena anarquista contemporânea e ficar para trás para ver onde mais atenção é necessária. Nós seguimos as nuances do anarquismo em tempo real: quem está envolvido? Quais ideias são importantes para eles? Como podemos somar a essa conversa?

 Então, há momentos em que tentamos empurrar as pessoas para novas direções: como as pessoas ficam presas politicamente e o que pode nos ajudar a nos movimentar de novo? E, mais importante, queremos crescer – encontrar novos leitores, aumentar o engajamento com ideias anarquistas, fornecer pontos de entrada para aqueles que buscam alternativas à democracia capitalista ou socialismos menos libertários.

 Pontos fortes? Fraquezas? Esperanças?

Suzanne: Com o passar dos anos, evoluímos como projeto – como nos dividir em departamentos mais especializados e nos tornar mais geograficamente dispersos. Eu gosto que somos capazes de mudar a maneira como fazemos as coisas para melhor atender as demandas do nosso trabalho e criar o coletivo que queremos ter.

 Alexis: Eu tenho pensado sobre como as dinâmicas de grupo funcionam, e quão frágeis elas podem ser, mas como elas são vitais para um projeto de longo prazo. Sempre foi o caso de quase todo mundo dar mais do que suas horas básicas. Isso significa que estamos realmente comprometidos com a AK, temos um forte senso de propriedade.

 Há algo complicado que deve acontecer com confiança, boa fé / ações de má fé e, provavelmente, algumas outras coisas.

Suzanne: Onde nós gostaríamos de ir? Esmagar o Estado! Enquanto isso, gostaria apenas de publicar e distribuir o maior número possível de livros, atingir o maior número possível de pessoas e continuar a ser mais sustentável como projeto.

Alexis: Sim, ser sustentável. Já é incrível que tenha se tornado o que é, especialmente considerando alguns obstáculos significativos. Eu gostaria de nos ver nos tornarmos / permanecermos uma parte forte de uma cena de publicação anarquista saudável e diversa, porque o movimento é muito melhor servido por uma multiplicidade do que por um monolito.

O catálogo da AK Press está disponível em akpress.org

ou AK Press,

370 Ryan Ave. #100

Chico, CA, 95973 – EUA

Telefone: (510) 208-1700

info@akpress.org

 Fonte: https://www.fifthestate.org/archive/402-winter-2019/ak-press-anarchist-publishing/

Tradução > Abobrinha

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2015/12/09/eua-em-breve-a-ak-press-vai-mudar-de-local/

agência de notícias anarquistas-ana

folhas caindo
tapete colorido
do meu destino

Ivanilton Tristão

Leave a Reply