[Espanha] Entrevista com Mark Bray: “Um verdadeiro antifascismo deve ser feminista”

A convergência entre feminismo e antifascismo é uma combinação poderosa que fornece ferramentas para deter o avanço da extrema direita populista. Nós exploramos essa possibilidade em uma entrevista com Mark Bray, autor de Antifa, o manual antifascista.

 Por pelo menos uma década, há uma onda de conservadorismo que viaja pelo planeta. Começando com a ascensão do nacionalismo retrógrado Hindu, até muitas formas de fundamentalismo islâmico, através da chegada ao poder de partidos e candidatos xenófobos nos países ocidentais, se constata a tendência de muitas sociedades, em contextos muito diferentes, de se fechar sobre si mesmas. Não há dúvida de que um fenômeno de tal magnitude, cada caso apresenta características únicas, mas podemos dizer que todos eles são orientados em torno de um discurso identitário, que pretende voltar a sociedade para alguns valores atávicos e fortalecer o sentimento de pertença para a comunidade. Não surpreendentemente, há uma série de fatores comuns, apesar das diferenças, como uma definição excludente do grupo com base no nacionalismo, religião ou raça, ou no suposto retorno a valores conservadores “autênticos” e a rejeição da modernidade e tudo o que a imaginação local pode associar com ela: os direitos das mulheres, o respeito pelas minorias, igualdade racial, liberdade individual… Respeitando as distâncias, se não é fascismo estritamente falando, se parece muito. Demais.

As causas desse processo são complexas. Embora seja um fenômeno global, mudou-se para a cena local, com dimensões próprias, dependendo das particularidades de cada sociedade, país, economia, cultura, etc. No caso dos Estados Unidos trouxe ao poder um populista xenófobo como Trump e levou ao surgimento de uma extrema direita telúrica, racista e fundamentalista cristã. No Reino Unido, as preocupações soberanas e anti-imigração de grande parte de sua população se cristalizaram no Brexit. Em muitos países europeus, colocou partidos de extrema direita no governo. Sem deixar a esfera do Ocidente, no estado espanhol significou a irrupção do Vox, a partir das eleições andaluzas, no cenário político nacional.

Este último é um exemplo que vale a pena mencionar. Não apenas por causa de sua óbvia proximidade com nosso contexto particular, mas também porque este partido lançou uma ofensiva contra o pouco que foi alcançado até agora em termos de igualdade de gênero e prevenção da violência sexista. É paradigmático nesse sentido. Para todos os movimentos reacionários do planeta, a defesa do patriarcado e da heteronormatividade são pilares centrais dessa recuperação dos valores conservadores. Mas não vamos nos enganar. Sem dúvida, no caso do Vox, também há muitos cálculos políticos. Destina-se a atrair uma parte do eleitorado, principalmente do sexo masculino, mas não só, a cujos temores se apelam. E não há dúvida de que o recente avanço do feminismo e seu poder demonstrativo de mobilização deixou muitas pessoas nervosas…

Existe, de fato, uma tensão constante entre os defensores desses giros conservadores e aqueles que se opõem a eles, de todas as áreas possíveis. Incluindo, claro, o feminismo. Neste caso concreto, a convergência entre as duas lutas é evidente. Acima de tudo, levando em consideração as odiosidades cavernosas que o Vox inclui em seu programa político em relação ao gênero. Desse ponto de vista, todas as mulheres e todos os homens que tomaram às ruas no dia 8 de março (8M), todas as pessoas que apoiaram a greve geral feminista, as refutaram por meio de atos. Centenas de milhares de vozes que não cabem em uma urna. Isto não escapa a ninguém e muito menos aos porta-vozes do machismo mais virulento, que tomaram um grande rechaço em todos os narizes. Os feminismos estão marcando o caminho, através da mobilização, para a derrota deste fascismo misógino e obsoleto, de velha roupagem.

Mark Bray é um autor e acadêmico americano que analisa precisamente essa oposição em seu último livro “Antifa, o manual antifascista”. O livro foi publicado nos Estados Unidos logo após os eventos de Charlotesville, em agosto de 2017, em que um membro da extrema direita assassinou uma manifestante antifascista. Isso deu ao livro uma notoriedade indesejada e colocou o autor no centro de um redemoinho midiático, convertido em um porta-voz não oficial do antifascismo americano.

Em primeiro lugar. Como você está agora, pessoalmente? As coisas estão um pouco mais calmas desde a publicação do Antifa?

Mark > Estou bem, obrigado por perguntar! Sim, as coisas se acalmaram muito. O frenesi da mídia que cercou o livro terminou abruptamente e o interesse pelo assunto desapareceu na grande mídia. Durante o verão de 2018 houve vários confrontos entre antifascistas, policiais e a extrema direita na costa do Pacífico Norte dos Estados Unidos. No auge do interesse pelo assunto, eles teriam sido notícia de primeira página, mas nesse caso eles foram completamente ignorados. Águas passadas. Essas dramáticas flutuações na atenção da mídia tiveram muito a ver com o fato de que o lançamento de Antifa, no verão de 2017, foi tão surpreendentemente oportuno.

Eu sei que você recebeu inúmeras ameaças de morte. Elas já pararam? Como você reagiu?

Mark > Sim, é verdade. Elas cessaram quase completamente, embora meu editor receba a maioria dos meus e-mails e não encaminhe os desagradáveis para mim. Foi muito desconcertante. Felizmente, nenhuma foi tão concreta a ponto de ser confiável e preocupante. Além disso, me disseram que tais ameaças tendem a ser muito mais sérias quando são recebidas por mulheres.

Em uma ocasião, um departamento da minha universidade recebeu um pacote suspeito e chamou a polícia. O Tedax veio investigá-lo, mas eram apenas livros enviados por um professor. Em uma de minhas apresentações no norte da Califórnia, militantes de direita vieram armados com facas, mas felizmente nada aconteceu.

Entrando no assunto, entre outras coisas, Antifa atravessa a história do antifascismo em vários países até hoje. Uma das conclusões deste panorama histórico é que as táticas usadas para deter o avanço dos neonazistas nos anos 80 e 90 do século passado, o que você chama de antifascismo militante, muitas vezes baseadas em confronto direto, teve um efeito limitado frente aos populismos filofascistas ou xenófobos. Você acha que um debate adequado está ocorrendo dentro do antifascismo sobre táticas e estratégias?

Mark > Esta conclusão, que o antifascismo por si só não é suficiente para parar os partidos populistas de extrema direita, é algo que ativistas de quase todos os países me disseram onde surgiram recentemente tais grupos. Não é de estranhar. As estratégias e táticas que os antifascistas desenvolveram nas últimas décadas foram projetadas para se opor a formações de extrema direita pequenas ou médias, com o mínimo de apoio popular. Os militantes que entrevistei para o livro estavam muito conscientes desse problema. No entanto, a maioria não tinha certeza de como se adaptar para lidar com esses inimigos mais convencionais e “respeitáveis”.

Se é assim, o que fazer? Identificou-se com uma estratégia eficaz?

Mark > Alguns tem se centrado na criação de organizações antifascistas cada vez maiores na forma de conjuntos ou grupos abertos projetados para o trabalho antifascista geral ou destinadas a desafiar um ato particular da extrema direita. Tais iniciativas incluem frequentemente ou são iniciadas por antifascistas militantes, sendo pontes entre a atividade destes, que é muitas vezes dominada por considerações de cultura de segurança, e uma política popular mais aberta. Às vezes, tais iniciativas conseguem unir uma comunidade contra o fascismo, outras vezes se rompem ou acabam excluindo os elementos mais radicais.

Por exemplo, em Portland, Oregon, militantes antifascistas, principalmente a partir da Rose City Antifa, Antifa Eugene e outros grupos formaram um bloco negro para se opor a uma concentração de organizações de extrema direita chamadas Patriot Prayer e Proud Boys. Uma ampla formação popular, chamada Popular Mobilization – Mobilização Popular (Pop Mob, abreviadamente) também se concentrou contra os fascistas. O bloco negro militante ficou na frente da polícia que protegia a ultradireita, enquanto manifestantes Pop Mob, de cara aberta, estavam por trás, cantando, dançando, etc. Depois de um tempo, a polícia atacou os antifascistas com equipamento anti-motim, ferindo gravemente um militante.

Da mesma forma, uma formação militante de Washington DC, chamada Smash Racism DC, se uniu aos grupos da campanha Black Lives Matter, sindicatos, coletivos de esquerdas e outros para formar uma coordenação chamada Shut It Down DC, que se opõem a concentração de direita Unite the Right 2, no aniversário da infame manifestação de Charlottesville de 2017.

Os Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) lançaram outra proposta com seu Comitê Geral de Defesa (GDC). Seu objetivo é dar forma a um antifascismo popular, militante e de classe, com base que a autodefesa dos trabalhadores contra o fascismo seja um componente necessário para alcançar a revolução social.

Precisamente, essa é a pergunta que vale um milhão, como parar esse populismo de direita. Eu acho que não podemos dar uma resposta definitiva aqui, mas você pode escrever algumas ideias?

Mark > Um antifascista de Londres que entrevistei para o livro, disse, “não podemos ter esperança de derrotar um projeto eleitoral de extrema-direita, da mesma forma que faríamos com um grupo fascista de rua, não mais. Em vez disso, nossas propostas políticas precisam ser melhores que as deles”. Isso aponta para um aspecto muito interessante do debate sobre o antifascismo. Quanto mais falamos sobre isso, em um sentido amplo, mais se começa a ter que falar de minar os fatores sociais e econômicos que tornam possível para o fascismo: a austeridade, a xenofobia, o capitalismo, o hétero-patriarcado, a supremacia branca, o capacitismo, o nacionalismo, o antissemitismo , a islamofobia, etc. Acabar com o fascismo e garantir que ele não possa reemergir significa criar um mundo a partir do qual sua possível “atratividade” tenha desaparecido. É por isso que o antifascismo deve ser revolucionário.

Esta resposta é óbvia, enquanto que também é vaga. Se fosse tão fácil iniciar uma revolução social com sucesso, teríamos feito isso. No mínimo, devemos reconhecer que o crescimento da extrema direita na Europa, América Latina, Estados Unidos e em outros lugares tem sido baseada em grande parte da incapacidade ou falta de vontade dos partidos políticos da esquerda para atender adequadamente às necessidades das pessoas. Muitas vezes eles aceitaram ou até iniciaram medidas de austeridade, acusaram os migrantes ou caíram no nacionalismo. Em parte, Trump chegou ao poder nos Estados Unidos porque soube explorar a oposição frente aos acordos de livre comércio e à guerra no Iraque. As pessoas procuram uma solução e, se a esquerda não fornecer, elas se voltam para a direita.

Em todo caso, o antifascismo militante segue sendo necessário? É incompatível com outras formas de oposição à extrema direita?

Mark > Sim, o antifascismo militante ainda é necessário. Não apenas porque ainda existem pequenos e médios grupos de nazistas e fascistas violentos, que devem ser controlados e opostos, mas também porque é importante expor os elos que existem entre os principais partidos da extrema direita e os nazistas. Além disso, pode ser muito útil e às vezes necessário que iniciativas antifascistas mais amplas tenham grupos militantes que estejam prontos para se defender de ataques e tenham o conhecimento necessário para monitorar seus oponentes. O trabalho antifascista é perigoso porque o fascismo é inerentemente violento e agressivo. Portanto, a autodefesa deve fazer parte da equação.

Embora tenha havido conflitos entre grupos mais militantes e outros mais moderados e centristas na luta contra o fascismo, também houve numerosos exemplos de colaboração em que todos se beneficiaram. Não acredito que o antifascismo militante seja incompatível com outras formas de oposição à extrema direita. Pelo contrário, acredito que seja um componente essencial de um movimento antifascista mais amplo, que é necessário para impedir organizações de direita de todos os tamanhos.

O antifascismo militante recebeu críticas porque às vezes degenerou em culto de confronto e exaltação associada a certo tipo de masculinidade. Diante disso, o antifascismo feminista foi levantado, especialmente em países como a Alemanha. Você poderia nos falar sobre as características dele? Em que aspectos você focaliza a diferença com o antifascismo convencional?

Mark > É verdade que o machismo é um problema nas organizações antifascistas e na esquerda em geral há muito tempo. Acredito que este tenha sido o caso, especialmente quando a violência desempenhou um papel importante em qualquer atividade da esquerda. Essas dinâmicas foram exacerbadas nos momentos em que o antifascismo e o futebol foram associados.

Como você mencionou, em resposta a essa dinâmica, alguns e algumas militantes lutaram para desenvolver um tipo diferente de antifascismo, chamado “fantifa” na Alemanha, a partir dos anos oitenta. Iniciativas similares foram empreendidas na década de 1990 em outras partes do norte da Europa. Tenho a sensação de que tais desenvolvimentos são paralelos, num sentido lato, ao nível de relevância do feminismo na esquerda de um país ou região em geral. Onde isso era importante, esse tipo de iniciativa ocorreu, mas não onde não era. O grupo Antiracist Action nos Estados Unidos teve alguns problemas particularmente sérios com questões de gênero nos anos 90.

Que desenvolvimento o antifascismo feminista teve em outras partes do mundo ou mais recentemente?

Mark > Nos últimos anos, a libertação queer também ganhou maior importância dentro dos círculos militantes. Por exemplo, em Frankfurt existe um grupo de feminismo antifascista “queerfeministische”. Em maio de 2016, um congresso de feminismo antifascista foi realizado em Hamburgo, “aberto a todos os gêneros”. Nos Estados Unidos, as pessoas queer, trans e não-binárias estão muito bem representadas nas fileiras do movimento militante. Também a iniciativa “Madrid para todas”, com o uso de bandeiras rosa e pretas antifascistas, foi outra tentativa de ampliar o espectro do movimento para incluir a oposição ao patriarcado. No ano passado, militantes no Reino Unido criaram uma Assembleia Feminista Antifascista.

É um fato que uma boa parte da involução conservadora de que falamos no início gira em torno dos direitos das mulheres. Em geral para tentar limitá-los, mas também há o caso de Geert Wilders na Holanda, que os usa como uma desculpa para sua islamofobia. Porque é assim? O que é intrínseco à ideia de libertação das mulheres que a coloca no centro do debate?

Mark > O gênero sempre foi um elemento central para o fascismo. Isso surgiu como uma reação contra a modernidade, ao mesmo tempo em que adotava elementos dela. Em outras palavras, os fascistas usaram formas modernas de política (concentrações de massa, rádio, estruturas de partidos políticos, organizações juvenis, uniformes, etc.) em um esforço para voltar no tempo a um passado “natural” idealizado, no qual hierarquias tradicionais foram respeitadas. A “decadência” do mundo moderno frequentemente era entendida em termos de gênero. Os homens tornaram-se afeminados, segundo eles, e se tornaram judeus, burocratas, esquerdistas, maçons e afins, enquanto os “homens de verdade” lutaram e morreram nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial.

Ao mesmo tempo, as mulheres se tornaram masculinas demais quando se integraram ao local de trabalho, saindo sozinhas à noite, etc. Ou seja, a mensagem do fascismo sempre girava em torno do gênero, que eles entendiam como o fundamento da família, que consideravam, por sua vez, a base da nação, em cujo interesse o Estado deveria funcionar.

Mas há uma segunda parte da história. O fascismo sempre conseguiu apropriar-se das imagens, slogans e ideias da esquerda e transformá-las, de modo que tenham um sentido autoritário e nacionalista. Após a Segunda Guerra Mundial, isso às vezes incluía a adoção superficial de certas ideias progressistas, como a igualdade dos sexos, para atacar os muçulmanos, por exemplo. O mesmo vale para alguns grupos de extrema direita, que usam os direitos dos animais para condenar os rituais kosher dos judeus ou os rituais halal dos muçulmanos. Também foi feito com as políticas em favor do coletivo LGBTQ, que têm sido usadas para demonizar os muçulmanos e dar uma revitalização ao apartheid israelense, como um regime favorável aos homossexuais.

Com isto em mente, o desenvolvimento de um antifascismo feminista é necessário ou mesmo inevitável? Em que direção pode apontar esse desenvolvimento?

Mark > Dada a centralidade do patriarcado para a extrema direita, um verdadeiro antifascismo deve ser feminista. Até certo ponto, acredito que isso se reflete no desenvolvimento da esquerda revolucionária após a Segunda Guerra Mundial, num sentido amplo, com a passagem de uma “esquerda antiga” para uma “nova esquerda”, como alguns autores a caracterizaram. Isso inclui um foco maior no feminismo e na igualdade racial, no anti-imperialismo e questões mais gerais, que não podem ser completamente reduzidas a uma noção tradicional de classe. Essa dinâmica se tornou mais intensa nas últimas décadas. Esperemos que a rejeição do patriarcado logo se torne tão onipresente nos círculos antifascistas que se tornará a norma, independente se os grupos se denominam feministas ou não.

Você é bem versado no caso espanhol. Aqui passamos de centenas de milhares de pessoas nas ruas em 2011 para uma festa de extrema direita, como o Vox, ancorado nas instituições em 2019. A que você acha que a mudança pode ser atribuída?

Mark > Há muitos fatores a considerar, mas, em última análise, o destino da esquerda está completamente ligado à sua capacidade de atender às necessidades das pessoas. Em tempos de crise, nos organizamos com nossos companheiros de trabalho e vizinhos ou culpamos os imigrantes? Ou os catalães? Certamente, a “questão nacional” também faz parte da conversa. O legado do nacionalismo, patriarcado, racismo, xenofobia e islamofobia é tão forte que promover um verdadeiro internacionalismo a partir de baixo é muito difícil.

Como muitas vezes acontece com a ascensão da extrema direita, os fracassos e falhas da esquerda são parcialmente culpados. Devemos criticá-la, assim como nossos movimentos sociais, por não ir longe o suficiente. Não pode haver compromisso com o capitalismo ou o Estado. Enquanto se procura acomodação com a exploração e tolera o confinamento e a deportação de migrantes, o fascismo poderá alimentar-se e crescer. Até que tomemos as medidas necessárias para acabar com a escassez, atender às necessidades ou quebrar as fronteiras, o fascismo continuará a reaparecer, especialmente em tempos de crise grave.

É semelhante ao processo vivido nos Estados Unidos em datas semelhantes, uma vez que passou da presença de movimentos como Occupy Wall Street ou Black Lives Matter para a presidência Trump?

Mark > Sim, é a mesma dinâmica fundamental. A última década testemunhou um florescimento de movimentos sociais sem precedentes na história recente dos EUA. Do Occupy Wall Street ao Black Lives Matter, passando pela oposição ao oleoduto em Standing Rock, o movimento #MeToo, a luta pelo salário mínimo federal ou a ascensão dos movimentos de libertação queer e trans.

Mas quando os movimentos da esquerda crescem sem abolir o sistema de opressão a que se opõem (como é quase sempre o caso), às vezes também provocam uma recuperação da atividade da direita. Em geral, os direitistas têm pouca razão para mobilizar, já que são a favor do status quo. Mas as iniciativas que mencionei anteriormente, combinadas com o primeiro presidente negro na história dos Estados Unidos, levaram a ala direita do país a sentir a necessidade de se ativar. Será que algo assim aconteceu em resposta ao 15M na Espanha? Não sei.

Se pode reverter esses processos de deriva ultradireitista? Como?

Mark > Eu acho que algo fundamental para ser capaz de fazer isso é nunca aceitar suas organizações como um componente normal da vida política. Cada vez que eles tentam se manifestar ou organizar um ato, isso deve ser considerado um problema de extrema gravidade. Os métodos que devem ser usados para responder a esse problema podem variar, mas a seriedade da situação deve ser sempre reconhecida.

Além disso, não devemos cair na armadilha de apoiar partidos políticos no centro (ou, na minha opinião, de qualquer partido político), como parte de um esforço “pragmático” para impedir que a extrema direita alcance avanços eleitorais. Essa dinâmica não só reforça os elementos de opressão por trás do surgimento do fascismo, mas muitas vezes leva os partidos centrais a assumir elementos explícitos do programa ultradireitista, para minar sua base eleitoral. Isso acontece com a imigração, por exemplo. De fato, Hillary Clinton recomendou agir assim. O Estado usa a farsa eleitoral de “policial bom, policial mau” para ganhar estabilidade. Se apresenta como uma vitória que a extrema direita seja derrotada, mas a partir de uma perspectiva antiestatal, essas dinâmicas fazem parte dos mecanismos de sobrevivência do Estado.

Por sua vez, uma das ideias do Antifa é que não há necessidade de se ter muitos fascistas para haver fascismo. Ou seja, se pode dar um crescimento explosivo da extrema direita a partir de grupos minoritários ou marginais. Você acha que o Vox é um bom exemplo?

Mark > Sim. Vox era uma nulidade antes das eleições andaluzas de dezembro. Quem sabe como eles vão fazer na próxima eleição. Mas há dois fatores a considerar, eu acho. O primeiro já foi mencionado. Como afetará o seu sucesso no cenário político em geral sobre as questões relacionadas com a migração, o nacionalismo ou o legado do franquismo? Não há dúvida de que a manifestação de extrema direita em 10 de fevereiro, em Madrid, com PP e o Ciudadanos demonstra como o Vox foi normalizado e aceito. Mas também se sabe que estes mesmos partidos tentarão ganhar votos do Vox em ocasiões futuras, copiando pontos de seu programa.

O segundo ponto importante é que quando Hitler e Mussolini assumiram o poder, eles não contavam com maiorias parlamentares. Ambos eram líderes do governo de coalizão precária em que as seus partidos estavam em minoria. O número de alemães e italianos que se juntou a partidos fascistas antes que eles chegassem ao poder era muito pequeno. Isto, naturalmente, não significa que vai acontecer exatamente o mesmo, mas mostra que um líder do Vox (ou de qualquer outro partido da extrema direita) pode fazer um assalto parecido, ultra-autoritário, ao poder sem ter uma maioria.

Existe alguma maneira para evitar essas explosões de crescimento?

Mark > É mais fácil dizer do que fazer! Embora existam fatores alimentando o crescimento da extrema direita, esta sempre ressurgirá. Eu acho que a chave é a vigilância. Nos Estados Unidos, desde meados da década de 2000 até o início da campanha de Trump, a esquerda não levou a sério as organizações antifascistas porque a extrema direita parecia irrelevante. Eu sei de casos semelhantes em outros lugares. É essencial tomar essas ideias a sério, e dos pequenos grupos que as promovem, antes que elas cresçam. Assim, espera-se, não se terá que lidar com eles quando se tornem significativos.

Precisamos de uma abordagem que considere esse cenário e que trate aos seus partidos como se pudessem se tornar organizações de massas. Isto não é garantia de sucesso, é claro, mas se tem que tomar essa abordagem. Claro, isso deve ser feito em paralelo com a necessidade de chegar a um novo mundo sem qualquer compromisso com as forças de exploração e sofrimento de que o fascismo se alimenta.

Muito obrigado, Mark.

Mark > De nada.

Fonte: http://nosotras.cnt.es/textos/entrevista-a-mark-bray-por-que-vox-tiembla-ante-la-huelga-del-8m/?fbclid=IwAR3_zIekW-GDQaWGowyJA-DEw3U_nlhY429KLAwESzqeVSw8_xe1wG6IFGs

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/02/07/lancamento-cinco-licoes-de-historia-para-antifascistas-de-mark-bray/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/10/23/espanha-lancamento-antifa-o-manual-antifascista-de-mark-bray/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/09/03/canada-a-hq-antifascista-100-anos-de-fascismo-e-do-movimento-antifa/

agência de notícias anarquistas-ana

instante do passarinho
fui olhar
fiquei sozinho

Ricardo Silvestrin

Leave a Reply