[Espanha] “Meu nome é Albert Einstein e eu também sou revolucionário, um antiautoritário”

Albert Einstein visitou Barcelona

Em fevereiro de 1923, Albert Einstein visitou Barcelona a convite do Mancomunitat (o precursor da Generalitat, o governo catalão, que foi restabelecido em 1932) para dar uma série de palestras patrocinadas explicando sua teoria da relatividade. Na chegada, ele insistiu em encontrar – e dar palestras para – membros da CNT, o sindicato anarco-sindicalista. O seguinte relato da visita de Einstein a Barcelona foi extraído de “¡Pistoleros! 3: 1920-24. The Chronicles of Farquhar McHarg”.

Eu dividia um quarto alugado em cima de um bar na Carrer Cadena com dois editores do jornal Soli, Liberto Callejas e Irenofilo Diaro. O bar foi alugado a um chef chamado Narciso, um companheiro que o assumiu após o colapso da grande greve dos garçons em 1919. Nós comíamos lá também – três vezes por dia, as refeições sendo incluídas no aluguel – e dormíamos em camas de acampamento dobráveis durante o dia.

Eu estava trabalhando para uma empresa de engenharia em Barceloneta como fabricante de ferramentas, mas eu passava a maioria das noites traduzindo e escrevendo para a seção de notícias internacionais do Solidaridad Obrera. Os escritórios editoriais do Soli mudaram para o número 58 da Conde del Asalto (agora o Nou de la Rambla), no coração do Quinto Distrito, ao qual agora se refere na imprensa como China Town,o barri Xino. Eu também estava ajudando na Crisol! mas esse era um trabalho muito menos exigente.

Foi no escritório do Soli em Asalto que conheci Albert Einstein, o grande físico teórico que visitava Barcelona em uma excursão de palestras patrocinada por Esteve Terradas, engenheiro, simpatizante da CNT e proeminente maçom Gran Oriente. Terradas, um entusiasmado defensor das escolas racionalistas, trouxe Einstein de Berlim para dar uma série de palestras sobre sua recém-publicada e muito falada teoria da relatividade.

Einstein chegou com sua esposa, Elsa, no final de fevereiro, e como ele não era uma celebridade naqueles dias, poucas pessoas sabiam que ele estava na cidade até os cartazes aparecerem anunciando suas palestras no Ateneu Sindicalista na Carrer Mercader e no Ateneu Racionalista Sants na Carrer Vallespir.

“Os pais da cidade e homens da ordem” ficaram chocados quando souberam que o grande físico estava esbarrando com anarquistas e cenetistas. Mas isso não era tudo… Ele havia se hospedado em uma antiga pensão em ruínas, o Grande Hotel das Quatro Nações – o Quatro Nações – no número 35 de Las Ramblas, na esquina da Escudellers com a Plaça del Teatro. Os pais da cidade tentaram movê-lo para o Ritz, mas Einstein não aceitou, insistindo que preferia permanecer onde estava. Quando lhe perguntei o que havia de tão especial naquele hotel em particular, ele disse que queria ficar ali, porque era onde Michael Bakunin havia se alojado em 1869, pouco antes da revolta de Lyon e da Comuna de Paris. Einstein era um admirador de Bakunin e pedira especificamente o antigo quarto do anarquista russo. Fico imaginando o que a esposa dele achou do hotel ou do quarto; não havia mudado muito nos cinquenta anos que se seguiram – não que as opiniões de sua esposa parecessem importar muito para ele.

O primeiro ponto da escala de Einstein após o check-in na Quatre Nations foi o escritório do Soli, onde ele me encontrou escrevendo minha coluna. Ele entrou, inesperadamente e sem avisar, pedindo para falar com Ángel Pestaña. No começo eu não sabia quem ele era e supus, por causa de seu case de violino e aparência desgrenhada, que ele era um músico de rua ou de café. Ele estava com quarenta e poucos anos na época, mas mesmo assim ele tinha um ar de distração permanente – de outro mundo – sobre ele. Ele usava um terno de lã marrom surrado com um cardigã, uma camisa branca com gola alta de plástico e uma gravata vermelha encimada por um cabelo castanho desgrenhado e despenteado que crescia em todas as direções, dando a impressão de que alguém tinha enfiado um eletrodo de 2.000 volts em sua bunda. Seu cabelo já estava grisalho nas têmporas e nas raízes – assim como o bigode caído, e seu rosto redondo e alegre exibia uma expressão de permanente e agradável surpresa; e seus olhos brilhavam com malícia e humor.

Um brinde! ele disse, segurando minha mão calorosamente com as duas mãos. “Por favor permita-me apresentar-me. Meu nome é Albert Einstein e eu também sou revolucionário, um antiautoritário: sou o valente e destemido suábio original. Vocês, anarquistas e anarco-sindicalistas, da CNT, também são valentes suábios, revolucionários das ruas; eu, no entanto, sou um revolucionário da nova geração operando no campo da física quântica e vou desaprovar os teóricos quânticos reacionários e levar a bandeira da revolução quântica para um território cada vez mais estranho e fornecer a síntese triunfante final da teoria do campo unificado”.

Eu olhei para ele sem expressão, estupefato, e – estou com vergonha de admitir – tudo em que eu conseguia pensar para dizer ao grande homem era: “Sério?” Fascinante! Deseja um café?

Pestaña não estava, então expliquei brevemente quem eu era e o que estava fazendo em Barcelona, e me ofereci para levá-lo aos escritórios do sindicato na vizinha Carrer Nou, onde provavelmente o encontraríamos. Nós nos demos muito bem e conversamos como velhos amigos enquanto caminhávamos. A razão pela qual ele queria se encontrar com Pestaña era porque seus amigos anarquistas em Berlim – Rudolf Rocker, Fritz Kater e Augustin Souchy – disseram que ele era a melhor pessoa para explicar o que estava acontecendo na Espanha.

Foi um prazer estar com Einstein – simpático e solidário com tudo o que estávamos fazendo. Conversamos durante horas no escritório de Pestaña antes de sair para jantar. Foi uma noite memorável, cheia de pequenos insights sobre o universo físico e metafísico – e o próprio homem.

“É bom estar em algum lugar onde ninguém se incomoda com a física quântica” foi um de seus comentários mais memoráveis de que me lembro. Ele amava suas salsichas e música, sem nenhuma ordem particular de preferência, então escolhemos o restaurante para o qual o levamos para o seu chouriço e quarteto de cordas residente, que agradava enormemente o “destemido suábio”. Como ele disse, “salsichas finas nutrem o corpo e boa música alimenta a imaginação”. Na verdade, ele ficou tão empolgado quando viu que o restaurante tinha uma orquestra que pulou no palco com seu violino e implorou aos músicos que o deixassem participar. O que eles poderiam dizer? Não demorou muito para que percebessem o erro, mas todos – plateia e músicos – levaram sua contribuição ao entretenimento noturno sem críticas e com bom humor, e aplaudiram de pé no final, provavelmente para tirá-lo do palco. Sua atuação era apavorante e ele parecia totalmente inconsciente de sua falta de talento musical. Einstein pode ter sido capaz de prever a curvatura da luz das estrelas pela distorção do espaço ao redor do sol, mas ele era uma merda no violino.

Einstein era uma dessas pessoas com uma teoria e opinião sobre tudo, não apenas sobre a relatividade, mas nunca era chato ou pedante – mesmo sobre seu pacifismo. Sua conversa foi fascinante, e ele falou entusiasmado sobre sua aversão ao poder do Estado e todas as formas de arregimentação. “A política”, disse ele, “é para o presente, mas nossas equações são para a eternidade”. A única coisa sobre a qual ele não tinha uma teoria, até então, era o que ele chamava de einheitliche Fieldtheorie, uma teoria unificada sobre tudo – mas ele estava trabalhando nisso.

Durante o jantar, ele explicou como a ideia da relatividade havia chegado até ele. Aconteceu enquanto sonhava em viajar em um raio de luz. Ele descreveu como um dos seus momentos ‘Aha!’, quando as “pequenas células cinzentas do cérebro” de repente têm um grande avanço. “Insights explodem em você quando você menos espera”, ele observou, “quando você pensa que o cérebro desistiu do grande problema com o qual você está lutando e você se vê distraído e pensando em algo completamente desvinculado”.

Outro daqueles momentos ‘Aha!’ o levaram a aplicar sua teoria da relatividade à gravidade. Essa epifania em particular ocorreu um dia depois do almoço, enquanto ele olhava distraidamente pela janela do escritório de patentes onde trabalhava. Do outro lado da rua, viu um telheiro empoleirado precariamente no telhado de um edifício alto. De repente, ele teve um flashforward de um homem caindo – e embora mesmo que fosse um pensamento doentio causou pânico, ao mesmo tempo, ele encontrou-se calculando, incongruentemente, que até que o momento em que o homem batesse no chão ele não saberia de seu próprio peso. Ele descreveu aquele momento como uma “perfeita certeza”; um pensamento inspirado que ele considerava o mais feliz de sua vida até agora. Tudo é relativo, suponho.

“O ponto mais amplo da história”, disse ele, “é que, se você acha que chegou ao impasse, a melhor maneira de pensar em todos os problemas – sejam eles matemáticos, científicos, políticos, éticos, morais ou domésticos – é caminhar longe deles. Quando parece que você não pode conseguir mais nada, você deve encontrar uma maneira de se distrair, talvez passeando com o cachorro se tiver um. A resposta, meus amigos” – concluiu ele triunfante – “chegará quando você menos espera e verá a mesma coisa de uma maneira completamente nova. Quando isso acontecer, você nunca mais voltará!”

Tradução > Abobrinha

agência de notícias anarquistas-ana

planando no azul,
acima de tudo, calmas,
nuvens de outono…

Yá-Yá

Leave a Reply