[Reino Unido] Pioneiros do anarquismo britânico: Edward Carpenter

28 de junho de 2019

O dia do Orgulho LGBT de Dublin é amanhã, e para esta temporada de Orgulho LGBT nós notamos o 90º aniversário da morte de Edward Carpenter (1844-1929), um homem que na época mais repressiva contra a homossexualidade na Inglaterra era assumido e orgulhoso. Como uma pequena homenagem a um dos grandes boêmios socialistas de Sheffield, abaixo está um rápido resumo de sua vida, seguido por um belo obituário produzido para o jornal Freedom.

Um poeta e filósofo, Carpenter nasceu em uma casa rica em Hove, Sussex, filho de um governador escolar que tinha feito um dinheiro no mercado de ações. Educado na escola de seu pai, o Independent Brighton College, ele foi para a universidade no Trinity College, em Cambridge, onde percebeu que era gay e que a riqueza de sua família era construída sobre a miseração do povo trabalhador.

Inicialmente, ele começou uma carreira na Igreja da Inglaterra como curador, antes de se voltar contra ela e, em vez disso, mudar-se para Leeds e depois para Sheffield para trabalhar como palestrante. Lá, ele estava fortemente envolvido em promover o socialismo na cidade, representando a Federação Social-Democrata em 1833 e depois se juntando à Liga Socialista ao lado de William Morris.

Em Sheffield, ele encontrou conexões com as pessoas da classe trabalhadora e explorou sua sexualidade através de encontros com “ferroviários, porteiros, balconistas, sinaleiros, ferreiros”. Com o tempo, ele remendou uma filosofia política que mistura espiritualismo e socialismo de uma maneira tolstoiana, o que enfureceu muitos, especialmente quando ele abriu as portas de sua fazenda cooperativa Millthorpe para um grupo de homens sexualmente liberados.

A abertura de Carpenter com sua homossexualidade, inclinações espirituais, estilo de vida proto-beatnik e anti-imperialismo estridente levou a repetida censura de outras partes do movimento, com George Orwell o escoriando memoravelmente como “o tipo de eunuco com um cheiro vegetariano, quem vai espalhando doçura e luz”. Seus escritos filosóficos e políticos estiveram, mesmo assim, entre alguns dos mais influentes de sua época, e Carpenter passou a se tornar uma das figuras fundadoras do Partido Trabalhista Independente em 1893.

Ele era, no entanto, um grande aliado dos anarquistas e bastante claro sobre suas inclinações para o comunismo anarquista. Ele trabalhou com Piotr Kropotkin em sua pesquisa sobre a pequena indústria e defendeu o anarquismo nos tribunais. Carpenter recebeu o obituário mais caloroso de sua amiga, Bessie Ward, no Freedom Bulletin daquele ano, reproduzido abaixo:

“Com a morte de Edward Carpenter lá se vai um dos melhores espíritos dos primeiros dias do movimento socialista. Seu trabalho foi, e, para aqueles que gostam de lê-lo, ainda é, uma força e uma inspiração. Nós, que em nossa juventude fomos influenciados por sua mensagem, devemos sentir-nos gratos por ele nunca ter se desviado do objetivo de alcançar uma alta realização. Uma vez tendo visto a verdade, tendo percebido os erros e brutalidades implacáveis do terrível sistema de lucro, Edward Carpenter dedicou o resto de sua vida à destruição do Moloch chamado Capitalismo.

Seu primeiro passo, depois de dar as costas à sua vida de professor universitário, foi nos aproximar da natureza tanto quanto possível. Eventualmente, ele construiu sua própria casa de campo em um jardim com um riacho correndo no pé. Aqui em sua pequena casa de pedra, usando seus tweeds macios, ele parecia uma joia em seu ambiente apropriado. Para esta pequena casa do poeta veio uma procissão constante de admiradores, como peregrinos a um santuário, eles vieram de todas as partes do mundo. Aqueles que tiveram a sorte de serem visitantes frequentes conheciam viajantes dos cantos mais remotos e menos esperados do globo, homens e mulheres que tinham ouvido a ‘voz cantando o hino de libertação’ e eram impelidos a viajar para longe para pegá-lo pela mão.

Embora cada uma das obras de Carpenter seja escrita com um objeto, a maior compreensão e emancipação da humanidade, o todo abrange um vasto campo, Civilisation! Its Cause and Cure influenciou em grande parte o pensamento da década de 1890, enquanto o Ideal da Inglaterra era uma força intelectual quase tão grande, Love’s Coming of Age, aquele livro lindo e delicadamente escrito sobre a relação dos sexos, e The Intermediate Sex são dois aspectos de um assunto que levou alguma coragem considerável para admitir que existiam naqueles últimos dias vitorianos. OAngel’s Wing, com sua aceitação franca de uma mudança nos padrões de arte e a crença de que a arte mais uma vez se tornaria parte da própria vida, deixou sua marca no amante da beleza buscando uma base para seus próprios padrões.

Mas, de todas as obras de Carpenter, Towards Democracy é a mais completamente satisfatória. Neste, o poeta e profeta, o grande amante da humanidade, se derramou. Contém tudo o que Edward Carpenter já foi. Nas suas páginas ‘este homem se eleva do seu molde de poeira, vive e contempla o Sol’. Há momentos de êxtase puro, imagens proféticas da maior liberdade que vem para a humanidade e uma piedade ansiosa por sua dor e repressão presentes.

Em seus ensinamentos e em sua vida, Carpenter sempre foi o inimigo da autoridade e do funcionalismo. Sempre. Na verdade, mais anarquista do que socialista, embora nunca se importasse em se rotular. Sentindo, como muitos de nós o faz, que rótulos restringem, ele preferiu se manter livre para ajudar todos os movimentos que criaram aquela verdadeira liberdade para a qual, nas suas próprias palavras, ‘os heróis e amantes de todas as idades deram suas vidas; e nações como tigres lutaram, sabendo bem que a vida era uma mera bolha vazia sem liberdade’.

Foi um grande privilégio conhecê-lo. Uma das minhas lembranças mais queridas é dos finais de semana, depois de períodos de mudanças sórdidas de dinheiro, passadas na casinha removida logo além da fumaça e da sujeira de Sheffield, com o homem que ainda continua sendo uma fonte de inspiração para pensar. Eu conheci muitos espíritos escolhidos lá, mas nenhum tão gracioso, tão terno, tão verdadeiramente belo como nosso professor-anfitrião.

‘Não se apresse; tenha fé’ é uma de suas melhores mensagens. Essa atitude em relação à vida deu-lhe uma dignidade tranquila que criou um sentimento de descanso para todos os que estavam sob seu feitiço.

Ele não comeu comida de animais nem feriu nenhuma das criaturas da Terra para suas roupas. Ele viveu simples e maravilhosamente, escrevendo seus livros, dando palestras nas raras ocasiões em que se permitia um período nas cidades e no final, preparando-se para desmaiar em transe calmo e feliz ‘naquela outra terra onde as grandes vozes soam e visões habitam'”.

>> Foto: Carpenter (esquerda) com seu companheiro George Merrill em 1900

Fonte: https://freedomnews.org.uk/edward-carpenter-pioneer-of-libertarian-socialism/

Tradução > sapat@

agência de notícias anarquistas-ana

Joaninha caminha
no braço da menina.
Olhar encantado.

Renata Paccola

Leave a Reply