Ataque neonazista contra jovem antifascista na Ceilândia (DF)

Na última sexta-feira (16/08), um jovem grafiteiro chamado Jhamau foi espancado por neonazistas na Ceilândia, Distrito Federal. O jovem é um dos organizadores do evento “Antifascismo pela Liberdade Consciente”, que teve que ser adiado.

Estes neonazistas se organizam em grupos covardes que consideram que sua “raça” é superior à grupos como nordestinos, negros, mulheres, homossexuais, judeus e demais grupos da sociedade que consideram ser “inferior”.

Assim como nos Estados Unidos da América, que recentemente teve um atentado em El Paso no Texas, no qual o terrorista fascista afirmava que queria matar negros e latinos, aqui no Brasil também acontecem ataques racistas e preconceituosos, mas com menor intensidade. Estes grupos se sentem à vontade para praticar tais atos pois sabem que o sistema capitalista os defendem, mantendo os oprimidos em seu lugar de submissão através do terror e do medo.

É necessário que, para estes casos não se repetirem, sejam criados coletivos ou comitês de autodefesa, que possam impedir que estes grupos preconceituosos possam agir com liberdade. Eles têm que ter medo de praticar tal ato, eles têm que ter medo de assumir quem são.

As companheiras e companheiros do Distrito Federal lançaram uma nota em relação ao ocorrido, que compartilhamos logo abaixo:

REPÚDIO AGRESSÃO FASCISTA AO CAMARADA JHAMAU

Nós do Sindicato Geral Autônomo (SIGA-DF) manifestamos nossa total solidariedade e sentimentos ao militante antifascista e camarada, Jhamau, covardemente agredido na noite do dia 16 de agosto por uma gangue de neonazistas e fascistas. Jhamau se encontra em estado grave, na UTI.

Essa gangue recentemente vem tentando aterrorizar, com pichações e agressões, a comunidade da Ceilândia, formada majoritariamente por trabalhadores negros e nordestinos. Em uma pichação escreveram “Nordestino fede!”. Xenofobia que ofende grande parte da população local.

Ceilândia é conhecida pela forte influência nordestina desde a onda migratória para construção de Brasília. Hoje, cerca de 27% dos moradores nasceram em algum dos nove estados nordestinos, são mais de 126 mil pessoas.

A agressão covarde contra Jhamau se deu na véspera do evento “Antifascismo pela liberdade consciente”, do qual Jhamau era um dos organizadores. O evento foi uma reação aos ataques da gangue fascista na região.

Nós do SIGA, um sindicato revolucionário recém fundado, iremos buscar apoiar de forma concreta e na medida das nossas forças o camarada e, também, dar continuidade e ampliar a luta contra a escória racista e fascista que busca tão somente desgraçar a vida de jovens e trabalhadores honestos.

Convocamos todas e todos a não abaixar a cabeça, a transformar nossa indignação em união e ação por um mundo onde caibam vários mundos, livre de racismo, de machismo, homofobia e da opressão do Estado e do Capital.

NINGUÉM FICA PRA TRÁS!

RACISTAS, FASCISTAS, NÃO PASSARÃO!

Sindicato Geral Autônomo – SIGA, 18 de agosto de 2019

federacaoautonoma.wordpress.com

>> Nota da ANA | Notícia de última hora:

Pessoas próximas ao jovem agredido, informaram que Jhamau apresentou melhora e deixou, no domingo (18/08), o leito da unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital particular onde está internado. O quadro de saúde dele é considerado estável, mas não há previsão de alta hospitalar.

agência de notícias anarquistas-ana

Um trovão estronda –
e os trovõezinhos ecoam
na selva em redor.

Nenpuku Sato

Leave a Reply