[Espanha] O problema não é o clima… o problema é o capitalismo

Em nome do “progresso” e do crescimento sem limites, um estilo de vida incompatível com a própria vida foi estabelecido globalmente, uma vez que não respeita os limites físicos ou os equilíbrios naturais.

As grandes empresas globais que o capitalismo constituiu por muitas décadas: OMC, OCDE, BM, FMI, G-8, G-20 etc. serviram e servem exclusivamente para assegurar um modelo comercial, um modelo de exploração e um modelo de produção e distribuição de mercadorias, que garantem uma taxa de lucro para as pessoas poderosas e ricas deste planeta e jamais para satisfazer as necessidades humanas da grande maioria da população mundial.

Rompendo a lógica do movimento “progressista”, é necessário – não apenas urgente pela chamada “emergência climática” – se o que queremos é valorizar a vida, o corpo e o território e parar de procurar falsas alternativas (capitalismo verde, transições justas que o capitalismo não permitirá…) como as representadas pelo ecofascismo: a continuidade da vida em certos setores é garantida, mas os outros são expulsos.

As pessoas precisam mudar a lógica do “progresso” que não passa de lógica do capitalismo e, para recompor o metabolismo social devemos redistribuir radicalmente a riqueza, diminuir nossas maneiras de produzir e consumir e colocar as obrigações que temos como corpo humano e como espécie no cuidado de todo o corpo social e da espécie.

É algo mais do que a “luta contra a mudança climática”, realizada desde a cúpula de Paris ou mais recentemente desde o G8, por parte dos governos do mundo, seja apenas uma conversa e uma retórica vazia da humanidade.

Terminar radicalmente com a acumulação e a exploração, considerando que esta deva ser global e coletiva, é a única garantia de que a Vida pode ter algum significado positivo.

A CGT está na linha de frente, junto com milhões de pessoas que, em 27 de setembro, sairão às ruas do mundo para gritar e exigir daqueles que são responsáveis pelo desastre global em que nos encontramos, que basta de capitalismo e seu modelo civilizacional; eles têm que desaparecer.

O futuro é agora e é uma responsabilidade individual e coletiva para que haja um amanhã, onde os bilhões de seres humanos e espécies que habitam este planeta possam viver em equilíbrio e ter uma vida digna de ser vivida.

cgt.org.es

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/09/18/espanha-convocatoria-semana-de-luta-contra-a-mudanca-climatica-e-toda-nocividade-de-20-a-27-de-setembro/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/09/06/espanha-contra-a-crise-climatica-contra-o-capitalismo/

agência de notícias anarquistas-ana

O tempo do vento
Corre sem parar
Carrega sementes

Mara Mari

Leave a Reply