O que foi o grupo Mulheres Livres na Guerra Civil Espanhola

por Juliana Domingos de Lima | 27/09/2019

Martha Ackelsberg, autora de livro sobre o movimento, enumera para o ‘Nexo’ cinco lições dessa experiência para a luta contemporânea por igualdade

Enquanto a Espanha se encontrava dividida por uma guerra civil entre republicanos e fascistas, disputada entre 1936 e 1939, grupos de mulheres fundaram uma organização para combater o que viam como uma “escravidão tripla”: a ignorância, ser mulher e ser trabalhadora.

Era 1936 e o movimento em questão foi chamado de Mulheres Livres. Em menos de três anos de atuação, elas mobilizaram dezenas de milhares de mulheres no país e ofereceram programas de educação e capacitação, que iam desde a alfabetização e de cursos de mecânica e elétrica à educação sexual e aulas para falar bem em público.

A experiência era pouco conhecida dentro e principalmente fora da Espanha até o lançamento do livro “Free Women of Spain”, em 1991, nos Estados Unidos, resultado da pesquisa da historiadora Martha Ackelsberg, professora emérita de política e estudos de gênero do Smith College, nos EUA.

O livro ganhou em 2019 sua primeira edição brasileira, com o título “Mulheres livres: a luta pela emancipação feminina e a Guerra Civil Espanhola”.

Ackelsberg falou ao Nexo sobre as razões que levaram as espanholas a se organizar em uma entidade separada dos homens, sua relação com o feminismo que emergia ao redor do mundo, os objetivos e conquistas do movimento e as lições possíveis deixadas por ele para a luta contemporânea das mulheres por igualdade.

O surgimento da Mulheres Livres

A Mulheres Livres foi criada por militantes do movimento anarcossindicalista espanhol. Suas fundadoras atuavam principalmente na CNT (Confederación Nacional del Trabajo), entidade que reunia os sindicatos espanhóis dessa orientação política.

O que as levou a estabelecer uma organização própria foi o fato de que, embora o movimento anarcossindicalista na Espanha fosse formalmente comprometido em promover a igualdade entre mulheres e homens e alcançar um tratamento equitativo para ambos no ambiente de trabalho e na sociedade, não estava trabalhando para isso na prática.

A maioria dos sindicatos da CNT, mesmo aqueles em que as mulheres representavam a maioria dos operários, como era o caso da indústria têxtil, não levava a sério a organização das trabalhadoras.

Ackelsberg afirma que elas eram consideradas secundárias ou pelegas em potencial. “[Os sindicatos] ignoravam a exploração específica das mulheres no local de trabalho e não reconheciam as necessidades particulares (por exemplo, para a gravidez e os cuidados com os filhos) que elas poderiam ter”, diz a autora.

O mesmo ocorria nas organizações de jovens anarquistas, como a Federación Ibérica de Juventudes Libertárias, nas quais as garotas também eram frequentemente ignoradas, ridicularizadas, tratadas de maneira desrespeitosa e degradante.

“Em resumo, essas mulheres criaram uma organização separada com o objetivo geral de pressionar o movimento mais amplo a estar à altura de sua declaração de compromisso com a igualdade para as mulheres”, disse Ackelsberg.

A organização pretendia empoderar as mulheres para assumirem, ao lado dos homens, um lugar nos sindicatos, no ambiente profissional e na sociedade.

Elas acreditavam que apenas com uma organização própria, atuando de maneira auto-organizada, as mulheres poderiam se ver como capazes de participar do movimento como iguais e, por consequência, ser tratadas dessa forma pelos homens.

“A esperança – e a expectativa – delas era que, uma vez aptas a reconhecer suas próprias capacidades e a superar as múltiplas dimensões da ignorância que havia restringido suas vidas, elas poderiam lutar ao lado dos homens por uma sociedade ‘mais humana e mais justa’ para todos”, explica Ackelsberg.

>> Para ler a matéria na íntegra, clique aqui:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/09/27/O-que-foi-o-grupo-Mulheres-Livres-na-Guerra-Civil-Espanhola

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/08/17/sao-paulo-sp-genero-pensamento-libertario-e-pesquisa-com-martha-ackelsberg/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/08/02/turne-de-lancamento-do-livro-mulheres-livres-de-martha-ackelsberg/

agência de notícias anarquistas-ana

As flores branquinhas
Dançam na horta esquecida.
São pés de agrião…

Estela Bonini

Leave a Reply