[Espanha] Néstor Makhno, o homem e o mito

por Jesus Aller

No âmbito hispânico, não é necessário que alguém nos explique o que é uma guerra civil, mas deve-se reconhecer que a que se desenvolveu na Rússia entre 1917 e 1922 foi um cataclismo de proporções difíceis de se imaginar. Estamos falando de um conflito em que a execução de prisioneiros era quase a norma e em que aos milhões de pessoas mortas em campanhas militares precisa-se somar muitos milhões a mais em uma sequência apocalíptica de repressões, fomes e epidemias. Bertrand Russell, que esteve lá algumas semanas na primavera de 1920 e tentou entender o que estava acontecendo, deixou-nos algumas das reflexões mais lúcidas sobre o assunto. Segundo ele, a dinâmica da luta de classes permitiu prever claramente o desastre, e o grande erro dos bolcheviques foi insistir, apesar disso, em sua deriva autoritária, prisioneiros da convicção de para além de todas as calamidades que poderiam acontecer, o problema se reduzia a manter em suas mãos as rédeas do poder.

Foi assim que os quatro cavaleiros cavalgaram. Entre os seres presos naquele tempo de infortúnio, mas também de oportunidades, Néstor Makhno ocupa um papel muito especial, pois incorpora melhor do que ninguém uma tentativa desesperada de redirecionar o processo revolucionário de tal maneira que as massas não perderam sua proeminência. A história da Revolução Makhnovista da Ucrânia mostra que essa alternativa democrática e autogerida era possível, e certamente abre um vislumbre de esperança na ânsia de vencer o capitalismo. Destacando isso, é inevitável que todos os demônios da propaganda se acumulem para perverter sua imagem em alguém que assumiu um papel histórico tão transcendente. Trata-se então de nos perguntar o que Néstor Ivanovich Makhno realmente era além das lendas tecidas em torno dele.

Esboçando o retrato

Em seu livro sobre a Revolução Makhnovista, Alexander Skirda reúne cuidadosamente todos os testemunhos sobre nosso protagonista. Fisicamente, estamos diante de um homem escuro de 1,65 m de altura e olhos azul-acinzentados, que nos anos de luta costumavam usar uma cabeleira ondulada. Em relação a suas qualidades intelectuais, sua decisão, coragem e talento militar são admitidos por todos os historiadores, mas a partir daí é onde são construídas visões opostas. Alguns estudiosos soviéticos acusam os insurgentes de antissemitismo e saques generalizados que denunciam a depravação de seus líderes. No entanto, é preciso dizer que os documentos disponíveis indicam que eles sempre mantiveram uma política resoluta de evitar esses excessos. Por outra parte, existem inúmeras evidências de que o tratamento dado aos prisioneiros, mesmo envolvendo execuções na marcha dos oficiais e dos elementos mais comprometidos, foi menos cruel do que o dos outros lados.

Volin em A revolução desconhecida se refere às orgias de alguns líderes makhnovista nas quais as mulheres foram forçadas a participar. Seus argumentos, no entanto, são fracos e colidem com outros testemunhos. O alcoolismo de Néstor Makhno pode ser considerado um lugar comum e é admitido até por Paul Avrich. Nesse sentido, a coleção de evidências de Skirda é lida com enorme interesse, o que lhe permite concluir até que ponto essa acusação está longe da realidade. O trabalho dos historiadores mais objetivos é, portanto, mais do que tudo, desmantelar a calúnia, uma a uma. O retrato que permanece no final é o de um homem sem estridência, destacado apenas por sua clara visão do processo em andamento e sua vontade de ferro de caminhar com as massas e, se necessário, diante delas. Inteligência e coragem acabaram sendo os elementos essenciais para avançar.

As grandes decisões sempre foram discutidas pelos insurgentes e, portanto, a responsabilidade pessoal de Néstor Makhno em relação a elas é diluída. Sabemos, por exemplo, que quando da segunda aliança com os bolcheviques, no outono de 1920, ele estava entre os que tinham muita certeza de que com ela entraram na boca do lobo. No final, podemos especular com alguns historiadores recentes se naquela época a busca de um modus vivendi com os nacionalistas ucranianos ou mesmo com os autonomistas cossacos do Don e do Kuban não teria sido uma política mais inteligente e prudente do que cortejar sem expectativas de Ditadores do Kremlin que causaram o desastre.

Néstor Makhno e sua lenda

Se os historiadores inventam, é fácil imaginar o que os literatos podem fazer. As páginas sobre as mais brilhantes penas soviéticas (Mayakovski, Pilniak, Bedni, Alekséi Tolstoy ou Paustovski, para citar uns poucos) poderiam servir como um estudo revelador sobre como a literatura se degenera em propaganda. Deve-se dizer, no entanto, que a coleção de despropósitos que encontramos paralelamente no Ocidente não desmerece nada a da Rússia. Felizmente, um grande poeta esteve lá também e salvará a face de uma arte tão abusada.

Em 1924, um ano antes de seu suposto suicídio no Angleter Hotel em Leningrado, Sergey Yesenin, 29 anos na época, publica uma pequena peça intitulada O país dos canalhas, cujo com o protagonista, o bandido Nomaj, ninguém vai duvidar de quem ele está se referindo. Este é um homem generoso que rejeita a violência desnecessária e rouba ouro de um trem para distribuí-lo, porque, ele diz: “me resulta agradável sob o céu azul / confortar os pobres e miseráveis“. Ele também tem planos de obter armas para usar contra aqueles que “engordam com Marx“. Então ele é perseguido por agentes de segurança e um detetive chinês, mas ele consegue enganar todos eles. A certa altura, ele confessa as esperanças que depositou na revolução e sua decepção quando, depois de dar tudo por ela, viu apenas o retorno dos “mesmos delinquentes, os mesmos ladrões“. Resulta transparente a identificação do que foi definido como “último poeta do campo” com os ideais do bandido, e bastante surpreendente a força das críticas que ele sabia que não podiam deixar as autoridades indiferentes.

Após a implosão da URSS, na Rússia e na Ucrânia, ansiosa por seu próprio passado, a revolução liderada por Néstor Makhno reviveu como o principal assunto dos estudos historiográficos, sendo lembrada em todas as expressões da arte. Um século depois, esses materiais circulam por uma rede que dá acesso a páginas da web, livros, documentários, longas-metragens e séries de televisão. Permanece para nós a difícil tarefa de separar o joio do trigo e reconstruir a partir de uma infinidade de informações, muitas vezes falaciosas, um retrato o mais firme possível do que aconteceu na margem esquerda do rio Dnieper entre 1917 e 1921.

A história nos surpreende com seu movimento, as perspectivas e as distâncias que cria, mas no final acaba sendo apenas uma roda que gira e gira. No século 21, as mesmas lutas de cem anos atrás ainda estão pendentes em todos os lugares, e olhando para trás, ficamos surpresos ao ver os mesmos cuidados que estão nos pressionando hoje. Lembrar o que aconteceu e tentar entendê-lo é um dever gratificante e honroso, mas também deve nos fornecer as ferramentas de que tanto precisamos.

Leituras recomendadas:

Anarquismo e revolução na Rússia (1917-1921) por Carlos Taibo (2017).

Nestor Makhno- O Anarquismo cossaco. A luta pelos sovietes livres na Ucrânia (1917-1921) por Alexander Skirda (2004).

Retratos anarquistas de Paul Avrich (1988).

Lembranças de Nestor Makhno, de Ida Mett (1984).

A teoria e prática do bolchevismo de Bertrand Russell (2ª edição de 1949).

A revolução desconhecida de Volin (1947).

História do movimento Makhnovista de Piotr A. Arshínov (1924).

Blog do autor: http://www.jesusaller.com/

Fonte: https://www.rebelion.org/noticia.php?id=260278

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/12/20/nestor-makhno-o-anarquista-que-desafiou-o-autoritarismo-de-lenin/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/04/04/comunicacao-importante-da-kras-secao-russa-da-iwa-tirem-as-maos-das-cinzas-de-nestor-makhno/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/12/13/espanha-celebramos-os-cem-anos-do-inicio-da-makhnovschina/

agência de notícias anarquistas-ana

Chapéu
divide a cabeça
do céu

Cláudio Fontalan

Leave a Reply