[Itália] Declaração sobre a sentença que me foi imposta pelo tribunal de Gela

Na quinta-feira, 16 de Janeiro de 2020, o tribunal de Gela condenou-me a 6 meses de prisão pelos acontecimentos ocorridos durante a caminhada [antimilitarista] no MUOS [base militar norte-americana] de 21 de Agosto de 2016. Considerando a quantidade de acusações que foram retiradas sobre os 24 camaradas envolvidos nesta investigação, o fato de eu ter sido o único condenado pode ser considerado algo positivo.

Que eu ofendi “a honra e o prestígio” dos funcionários públicos (polícias à paisana sem qualquer sinal de reconhecimento) ao baixar as calças e mostrar-lhes o meu rabo, é certamente um assunto que deve ser examinado com cuidado.

Os operadores (então resultados dos policiais) estavam constantemente filmando todas as pessoas concentradas para participar da caminhada, cercando de forma provocatória; quando um ônibus chegou de Catania, a polícia obrigou o motorista a abrir apenas a porta da frente para permitir que todos os presentes no veículo saíssem um a um pela única saída disponível e fossem filmados. A polícia justificou isto como uma ação preventiva contra possíveis crimes…

Meu gesto foi certamente um sinal de protesto contra essa operação descarada de reconhecimento, que envolveu muitos menores; mas não há dúvida de que foi também uma maneira divertida de mostrar como os ativistas vivem essa longa batalha contra o MUOS, ou seja, em plena alegria, enfrentando de forma absolutamente despreocupada o clima sério, sombrio e ameaçador com que as forças policiais administram os eventos de protesto.

São, a cada vez, dois mundos incomunicáveis em oposição, e eles nunca compreenderão a nossa alegria de lutar, que por vezes (como foi nesse caso) também pode representar uma forma de neutralizar a tensão produzida pela atitude deles.

A condenação, porém, deve ser vista também por outros aspectos: encerrar o processo absolvendo todos poderia representar um sinal de fraqueza, então, ao condenar pelo menos um deles, um sinal foi enviado – mais um – àqueles que insistem em resistir à militarização americana do território siciliano. O que importa, então, se o mesmo sujeito já tinha sido absolvido pelo mesmo “crime” no tribunal civil; ou se, no fim, o único fato que “perturbou” a ordem pública, em 21 de agosto de 2016, foi a exposição de um rabo às câmeras da polícia forense, que interveio em vigor com rapidez e todo o equipamento usual ligado, em Sughereta e dentro da base americana em defesa das instalações de guerra dos Fuzileiros Navais?

Já há algum tempo, a Sede da Polícia de Caltanissetta vem fazendo exatamente o que Mao Zedong disse: “bater em um para educar cem”, e assim continuamos com prisões (Turi Vaccaro), deportações (Giacomo), condenações, processos judiciais, como se uma luta como esta pudesse ser reduzida a uma disputa legal.

E não pode ser reduzido a isso, demonstrado pelos anos de batalhas em Niscemi para fechar a base da morte, mas todas as resistências que ocorrem na Itália demonstram isso ainda mais, com as prisões e repressões que os afetam, que, no entanto, ao invés de neutralizá-los, os alimentam com raiva e consciência.

Pippo Gurrieri

Fonte: https://umanitanova.org/?p=11393

Tradução > L. Insuela

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/08/31/italia-encontro-antimilitarista-e-no-muos/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2016/10/14/italia-mil-pessoas-em-niscemi-contra-o-muos-cabos-violados/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2016/09/30/italia-mani-bicicletada-nao-ao-muos-nao-ao-f-35-contra-todas-as-guerras/

agência de notícias anarquistas-ana

Os trigais maduros
marcaram de cor dourada
minha pobre infância.

Urhacy Faustino

Leave a Reply