[Itália] A solidariedade não entra em quarentena

Nas últimas semanas, muitos e muitas de nós estamos imaginando como realizar atividades políticas e de união social nos contextos em que vivemos. Já nos encontramos tomando decisões difíceis, cancelando ou não iniciativas, manifestações, greves, encontros, assembleias e reuniões públicas, mesmo sob a ameaça de uma possível proibição por parte das autoridades. O que está acontecendo pode afetar significativamente a realidade em que vivemos, de mãos dadas com os riscos reais à saúde; o processo de emergência em andamento em torno da questão do coronavírus coloca questões muito importantes em termos políticos.

Desde as primeiras notícias sobre a disseminação do vírus na China, os principais representantes dos partidos no parlamento começaram a enfrentar a emergência, explorando a situação. Não é uma novidade. É a chamada “política de emergência”, a condensação do confronto político em torno de questões urgentes que dominam os jornais e dão origem às hashtags mais populares, com sensacionalismo, com linguagem violenta, propondo soluções totais e impossíveis. O debate público passa de emergência em emergência, há o do terremoto e o da segurança, há a emergência fria e a de resíduos, há a emergência de buracos na rua e, finalmente, a do coronavírus. Às vezes são problemas reais, outras são artificiais, mas isso não é importante, porque esses políticos certamente não querem realmente resolver os problemas das pessoas. Em vez disso, eles querem criar tópicos importantes para vencer seus oponentes e consolidar consenso. Mas tenha cuidado, não se trata de descaso, incapacidade, ignorância, é uma luta pelo poder.

Como a comunicação geralmente é apenas um campo de batalha, a emergência, especialmente quando não é apenas informada, mas também formalmente reconhecida pela lei, como no caso de inundações, terremotos, desastres e emergências de saúde, cria grandes “oportunidades”. Com comissariados extraordinários, contratos, consultoria, financiamento, racionalização de procedimentos, medidas fiscais, bônus, redes de segurança social, são criadas posições de poder muito atraentes no nível econômico e político. Cada estado de emergência requer uma maior concentração de poder, e para isso é acompanhado por uma intensificação da luta pelo poder e sua divisão.

Apenas nas últimas semanas, houve um conflito difícil entre o governo central e as regiões lideradas pela centro-direita que imediatamente aplicaram medidas drásticas. Uma queda de braço em termos de competências e disposições que também abordaram aspectos constitucionais. Conte fez saber que em 24 de fevereiro que estava pronto para retirar os poderes das regiões no campo da saúde, possíveis em casos extraordinários sob o artigo 120 da Constituição. No dia seguinte, as tensões quase explodiram entre a “sala de controle”, o governo e as regiões. Nesse contexto, enquanto os jornais falavam de um possível governo de unidade nacional Salvini-Renzi, Salvini subiu ao Quirinale em 27 de fevereiro para encontrar Mattarella e solicitar a intervenção do Presidente da República. Já no dia seguinte, Renzi negou essa possibilidade. Evidentemente, foi encontrado algum acordo político para lidar com essa primeira fase. Esse teatro, com declarações bombásticas, medidas draconianas, exige unidade, parece ser dirigido principalmente por necessidades políticas, em vez de ser ditado por necessidades de saúde.

A partir da semana seguinte, 4 de março, com o aumento real dos casos e a disseminação da infecção para fora das regiões do norte da Itália, foi emitido o primeiro de uma série de decretos da Presidência do Conselho de Ministros que dentro de alguns dias severamente apertou as restrições, obviamente também tocando a liberdade de manifestação e reunião. O Decreto do Primeiro Ministro, de 4 de março de 2020, prevê medidas restritivas válidas em todo o território nacional até 3 de abril e, entre outras coisas, suspende “as manifestações, eventos e espetáculos de qualquer natureza, incluindo cinema e espetáculos teatrais, realizados em qualquer lugar, públicos e privados, que envolvem aglomeração de pessoas, de modo a não permitir o cumprimento da distância interpessoal de segurança de pelo menos um metro”.

Esta disposição segue duas comunicações da Comissão de Garantia de Greve, que de fato suspendem o direito de greve pela emergência do coronavírus. A primeira comunicação de 24 de fevereiro é um convite geral para suspender as greves de 25 de fevereiro a 31 de março, que explodiu as esperadas greves escolares de 6 de março. A segunda, em 28 de fevereiro, pediu explicitamente que as greves gerais convocadas para 9 de março fossem suspensas para os dias globais da luta feminista em 8 e 9 de março. Esta é de fato uma proibição específica de greve para o dia 9 de março, que forçou a maioria dos sindicatos a desistir da chamada, apenas os Slai Cobas mantiveram a greve de pé com o risco de fortes sanções para a organização sindical e os grevistas.

Na noite entre 7 e 8 de março, o Decreto Ministerial de 8 de março de 2020 é emitido com efeito imediato, o que prevê medidas extremamente rigorosas. O Artigo 1 estende a chamada “Zona Vermelha”, também prevendo a proibição de entrada e saída e movimentação – exceto emergências e, obviamente, trabalho – dentro do território de toda a região da Lombardia e 14 províncias do Piemonte, Emilia Romagna, Veneto e Marche. O artigo 2 aumenta as medidas restritivas no território nacional, proibindo completamente as manifestações, até privadas”.

Finalmente, entre 9 e 10 de março, foi emitido um novo decreto, o Decreto Ministerial de 9 de março de 2020, que estendeu todas as restrições, incluindo restrições de viagem, a todo o território nacional, incluindo as ilhas, admitido apenas por razões válidas e comprovadas: trabalho, para emergências e necessidades de saúde. Além disso, “todas as formas de reunião de pessoas em locais públicos ou abertos ao público são proibidas em todo o país”.

Se, com o Decreto Primeiro-Ministro de 4 de março, estávamos literalmente a um metro da suspensão das liberdades de reunião e demonstração, com o poder discricionário de gestores e prefeitos de proibir qualquer iniciativa, com o mais recente Decreto Primeiro-Ministro de 9 de março, chegamos à proibição total de todas as formas até 3 de abril. Essa formulação ambígua, que usa “reunião” em vez de “manifestação”, deixa amplo espaço para interpretação às autoridades encarregadas da ordem pública. Além disso, após décadas de medidas anti-greve, chegamos à suspensão definitiva do direito de greve. Esses decretos tiveram um efeito devastador, já em 4 de março, há alguns dias das manifestações de 8 de março organizadas em muitas cidades pelas NonUnaDiMeno e outras realidades feministas que criaram extrema confusão. Em muitas cidades diante de uma situação já marcada pelo medo alimentado pela mídia em torno da emergência do coronavírus e por medos reais por riscos à saúde, o que dificultou a participação nas iniciativas, a medida do governo levou as assembleias locais a cancelar muitos manifestações e momentos na praça. Em muitos lugares, no entanto, mesmo que não fosse possível manter os desfiles, foram organizados momentos remodelados da praça, resistindo de alguma forma a medidas e medo.

Essas regras podem mudar já nas próximas horas, ser mais rigorosas ou ser acompanhadas de novas medidas; a situação ainda está bastante confusa; no entanto, até o dia 3 de abril, formas de demonstração e reunião são proibidas arbitrariamente, com a justificativa inestimável da saúde pública, e todos os movimentos considerados desnecessários são puníveis. O que acontecerá com as muitas lutas territoriais, disputas trabalhistas, protestos locais, mobilizações mais radicais, se essas medidas já tiverem um efeito tão forte nas manifestações de 8 de março, em um dia de mobilização internacional que nos últimos anos se sabia como afirmar sua própria legitimidade? Como é possível, nesse contexto, para quem precisa continuar trabalhando, para quem está preso nas prisões, para quem está além do coronavírus deve procurar tratamento médico, para quem não tem casa ou acesso a serviços de higiene, para quem mora em moradia insalubres ou precárias, para todos aqueles que sofrem bullying e invasão de especuladores e aproveitadores, organizam-se, reivindicam seus direitos, obtêm condições decentes, criam formas de solidariedade? Estamos em uma situação em que o estado de emergência confere ao governo maior poder, em que o presidente da república pede “disciplina” e “responsabilidade”, em que manifestações e reuniões podem ser proibidas de maneira quase arbitrária, na qual o direito de greve está suspenso. É uma situação muito perigosa.

Basta pensar na abordagem militar escolhida para lidar com a situação nas prisões, os tumultos que eclodiram em 27 penitenciárias em toda a Itália deixam claro que uma parte da população deste país, quase 61.000 pessoas, vive forçada a condições de higiene superlotadas e desastrosas. Por esse motivo, pedem uma coisa nessa situação, a liberdade, por meio de um indulto ou uma anistia. Por enquanto, o estado respondeu com os departamentos de choque, o notório GOM e o exército. Atualmente, existem 11 mortes entre prisioneiros entre Modena e Rieti, por motivos ainda a serem apurados, mas sobre os quais a responsabilidade do Estado e seus aparatos parece evidente. Fora das prisões também havia famílias de prisioneiros e realidades de solidariedade, essas simples presenças ante os decretos de emergência do governo podem ser consideradas ilegais.

Deve-se notar que, desde as primeiras semanas de emergência, começamos a falar sobre a recessão, a crise econômica. De fato, muitos setores de produção na Itália e no mundo são afetados pelas consequências da emergência do coronavírus, e agora alguns administradores locais estão propondo um desligamento temporário das atividades de produção. Mas sabemos o que o refrão da recessão significa para milhões de trabalhadores, tanto precários quanto “garantidos”, as demissões já começaram, muitos contratos de prazo fixo não serão renovados, aqueles que trabalham com desempenho ou na ilegalidade não recebem salário, sacrifícios são necessários, as férias são impostas e haverá dispensas. Mas isso não é tudo, existem aqueles que já estão esfregando as mãos e gostariam de aproveitar a oportunidade para intervir mais profundamente nas relações de trabalho, com “experimentos” destinados a restringir os direitos e liberdades daqueles que trabalham. Em um artigo da Repubblica de 24 de fevereiro, Mariano Corso, encarregado do Observatório de Trabalho Inteligente do Politecnico di Milano, declara: “além do coronavírus, também devemos erradicar um vírus que é nossa incapacidade de trabalhar de maneira eficiente, superando o pensamento de que apenas a presença no escritório é garantia de resultados”. Se, por um lado, greves e manifestações forem suspensas, as demissões não serão suspensas ou as reivindicações dos gerentes serão reduzidas. De fato, eles podem dizer que “Milão não para”, pedindo mais dinheiro público e deixando alguns milhares de trabalhadores precários em casa.

Foi com o mesmo refrão da recessão que, há menos de dez anos, o governo liderado por Monti decidiu um dos mais pesados cortes no financiamento da saúde pública nas últimas décadas, e em 10 anos foi roubado do Serviço Nacional de Saúde 37 bilhões de euros. Existe um risco real de que a crise econômica ligada à emergência do coronavírus leve a uma nova temporada de “sacrifícios”.

Quando eles nos pedem para sermos responsáveis, para dar um passo atrás em nome da responsabilidade coletiva, eles apenas zombam de nós. Quem é responsável pelo desmantelamento da saúde pública que, além de eliminar muitas das estruturas encarregadas da prevenção, reduziu drasticamente os leitos hospitalares e até levou ao fechamento de distritos de saúde e instalações hospitalares? Quem é responsável pela propagação de doenças respiratórias causadas por poluição atmosférica grave, produção prejudicial e condições insalubres de vida e trabalho? Quem é responsável pelo fato de muitas pessoas consideradas em risco pelo coronavírus ainda serem forçadas a trabalhar e não poderem se aposentar?

Foram as instituições, os partidos e os industriais que destruíram nosso serviço de saúde, que causaram o aumento de doenças respiratórias crônicas, que nos mantêm desempregados ou pregados ao trabalho até a velhice. Eles agora estão nos pedindo para sermos responsáveis, fazer outros sacrifícios e não protestar.

Outro aspecto a considerar nesta emergência é o caminho que ela deixará na sociedade. De repente, um país como a Itália se viu imerso em uma atmosfera de “guerra”. Não apenas e não tanto pela militarização das áreas em quarentena, mas pela comunicação política e da mídia que se mantém desde os primeiros dias e que polarizou a atenção em todo o país. Os boletins diários que apresentavam a contagem de mortos, infectados e curados do dia à noite rapidamente se tornaram uma rotina, acompanhados de notícias sobre medidas governamentais e apelos à disciplina, cumprimento das recomendações de higiene, responsabilidade, número de telefone através do qual relatar possíveis casos. Se algumas implicações desse período serão vistas apenas mais tarde, outras já serão evidentes. Nesse contexto, o Estado parece ser o único garante da saúde pública, contra o contágio, a morte e o caos. Essa imagem é ainda mais enfatizada por quem exalta o modelo chinês, ou até tira o pó de Hobbes para recordar a necessidade, se não de uma ditadura, pelo menos de um estado forte, como a única solução. Na realidade, o Estado presidiu o desmantelamento da estrutura de saúde pública e, por sua natureza, está mais preocupado em satisfazer as demandas de industriais e grandes proprietários do que em proteger a saúde dos cidadãos. Além disso, além da questão da eficácia efetiva das medidas restritivas destinadas a limitar a infecção, sobre a qual não tenho competência para me expressar, a abordagem autoritária conduzida com medidas drásticas aplicadas às cegas e acriticamente pode ser desastrosa no caso de erros de avaliação. Ao mesmo tempo, o refrão “fique trancado na casa da qual cuidamos” ativa um processo muito perigoso de desresponsabilidade e infantilização na sociedade. A sensação de desamparo e a impossibilidade de causar um impacto diante da emergência nos faz negligenciar a importância das escolhas e iniciativas individuais e coletivas a partir de baixo. Essas medidas podem contribuir para desintegrar ainda mais o tecido social, demolindo todas as formas de autodefesa individual e coletiva, fazendo-nos perder toda a fé na capacidade de reagir em nível social. O autoritarismo não pode substituir solidariedade, conscientização, responsabilidade individual, confronto coletivo que nessas situações pode representar formas indispensáveis de prevenção. Basta pensar no fato de que as formas de auto-organização que estão surgindo em muitas cidades também podem ser consideradas ilegais, como formas de solidariedade pela entrega de alimentos, apoio a quem perde o emprego ou não recebe salário ou outras atividades simples, mas importante para a sobrevivência.

A responsabilidade que pressiona neste momento não é esperar, disciplinadamente, que nos fechemos para que o governo resolva tudo, talvez funcione de qualquer maneira, porque a recessão está chegando. Mas é manter vivo e fortalecer as redes de solidariedade, para que possam ser ferramentas para todos os explorados e oprimidos nesse contexto, nos níveis de saúde, social e político.

Portanto, é bom discutir e refletir sobre a situação, tanto para poder enfrentar coletivamente, conscientemente e conjuntamente o risco à saúde, como para evitar que a vantagem da emergência modele verdadeiramente qualquer forma de oposição nas ruas e qualquer forma de atividade sindical. Em uma fase como essa, é importante reafirmar a liberdade de greve, demonstração e reunião contra as medidas repressivas do governo. Porque é importante, sem descurar os riscos à saúde, manter espaços de liberdade e viabilidade política e fortalecer as redes existentes de solidariedade e apoio mútuo. Também para evitar que, quando tudo isso acabar, não esperemos uma realidade pior que o próprio vírus.

Dario Antonelli

Fonte: https://www.umanitanova.org/?p=11724

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/03/22/italia-epidemia-massacre-de-estado/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/03/21/italia-o-virus-do-medo/

agência de notícias anarquistas-ana

no muro o caracol
se derrete nos rabiscos
da assinatura prateada

Dalton Trevisan

Leave a Reply