[Reino Unido] Ecofascismo: A Retórica do Vírus

Por Jay Fraser | 24/04/2020

A história do ecofascismo é um pouco nublada, mas a sua origem vem do movimento eugenista previamente existente e combina-o com uma forma de disfarce ecológico hediondo que visa justificar os seus elementos assassinos. Os ecofascistas são, mais ou menos, as mesmas pessoas que Murray Bookchin descreveu como “autoproclamados ecologistas profundos (“deep ecologists”) que acreditam que os povos do Terceiro Mundo devem ser deixados para que morram de fome e que desesperados imigrantes indígenas da América Latina devem ser excluídos dos Estados Unidos pelos policiais da fronteira porque sobrecarregam os “nossos” recursos ecológicos”. Embora tenha havido muitas tentativas de revestir elegantemente o movimento, muitas vezes com apelos aprofundados à santidade da natureza, à beleza do mundo natural e à feiura da poluição industrial, as raízes do movimento são incontornáveis, a essência do ecofascismo é a ideia de que o Mundo está doente e a doença é a humanidade. Por conseguinte, o ecofascista afirma que devemos fazer o nosso melhor para eliminar quantas pessoas forem necessárias — ou, pelo menos, aceitar as suas mortes — para permitir que o mundo se “cure”.

Seria negligente mencionar isto sem dar uma breve menção a Thomas Malthus, o pensador inglês do século XIX que argumentou que o “poder da população é tão superior ao poder na terra para produzir subsistência para o homem, que a morte prematura deve, de alguma forma ou de outra, visitar a raça humana”. Ou seja, ele argumentou que havia demasiadas pessoas (ou pelo menos, iriam haver demasiadas pessoas) em relação aos recursos disponíveis, causando um problema inevitável para a humanidade. O argumento de Malthus era, quando resumido às componentes mais fundamentais, que a Terra só podia suportar determinado número de indivíduos e que precisava haver algum limite colocado sobre quantos indivíduos poderiam ser autorizados a existir. Culminando na ideia de que não devemos procurar curar doenças, não devemos procurar conter a fome, e devemos encorajar os pobres a viver em ambientes superlotados e insalubres e que devemos até “procurar o retorno da praga”, O Ensaio de Malthus sobre o Princípio da População não é a primeira escritura eugênica, mas é certamente uma das mais responsáveis por popularizar estas perspectivas. O absurdo de Malthus atraiu uma resposta de um dos primeiros proto anarquistas, o inglês William Godwin, cujo extenso Of Population abre com a alegação de que a teoria de Malthus é “evidentemente fundada sobre nada”.

Porquê escrever sobre isto? Pelo menos, porquê escrever sobre isto agora, não estamos a meio de uma pandemia? Eu deveria não estar escrevendo sobre isso? A resposta é simples, embora maligna em sua pureza, com o mundo virado em mais um novo sabor de turbulência devido ao surto e à subsequente disseminação global do COVID-19, houve um igual aumento no oportunismo projetado principalmente para aproveitar o fato de que as pessoas estão assustadas e preocupadas. Sempre os oportunistas, e sempre os predadores dos temerosos, uma das facções mais proeminentes nisto tudo tem sido a extrema-direita e, ainda mais especificamente, o movimento ecofascista. As redes sociais tornaram isto ainda mais prevalente, uma vez que as mensagens podem ser distribuídas muito rapidamente e tudo o que é preciso é um único trecho de propaganda cuidadosamente construída se espalhar de entre um grupo para um grupo muito mais amplo de pessoas que manterão a expansão da mensagem sem estar realmente engajadas com a posição original. É fácil para alguém tropeçar na expansão de ideias adjacentes ao fascismo sem nunca realmente o querer fazer — mas  direi mais sobre isso depois.

Uma das raízes mais perniciosas do ecofascismo está no movimento eugênico que o precedeu. Embora existam diferenças claras, elas são em grande parte diferenças de tática e não de sentimento, o eugenista procura sacrificar determinados grupos de indivíduos ao altar da superioridade genética que eles têm nas suas cabeças, argumentando que a existência de qualquer grupo que esteja sendo discutido é uma falha da espécie. O ecofascista procura sacrificar grupos de indivíduos ao altar do meio ambiente, argumentando que a existência de qualquer grupo que esteja sendo discutido é um ingrediente fundamental para o desastre ecológico. Para voltar a Bookchin, não se pode ignorar que os grupos em discussão são quase sempre os mesmos em ambos os casos, as pessoas mais pobres, as pessoas racializadas e as pessoas com diferentes capacidades.

O COVID-19 atraiu muito desta discussão para a esfera pública. Considerando que geralmente é visto como mau gosto referir-se a grupos de pessoas como infecções, doenças e pragas — por uma boa razão — isto parece ser perdoado quando o grupo que está sendo referido não é específico. Apontando para a humanidade em geral, como se ser vago fosse eticamente à prova de bala, passa sem repercussões. É relativamente comum hoje em dia encontrar um tweet viral com dezenas de milhares de gostos a chamar a atenção para as águas limpas dos canais venezianos, ou o veado deambulante do Japão navegando nos centros das cidades iluminadas por néon e declarando que a Terra está sendo curada, os céus limpos de fumaça da Califórnia recebem um inquérito— talvez nós tenhamos sido o verdadeiro vírus o tempo todo?

Por mais estranho que possa parecer, reflexões deste tipo tornaram-se cada vez mais comuns com o passar das semanas e as evidências da natureza se “recuperando” áreas previamente povoadas começaram a acumular-se. Basta dizer que há mais do que um pouco da ideologia ecofascista flutuando nos pressupostos dessa questão, quando alguém pergunta se a humanidade é o “verdadeiro vírus”, estabelece um sistema no qual a Terra é um ser e a humanidade um problema que precisa ser resolvido. A solução proposta raramente é declarada de forma direta, mas não precisa ser porque está implícita na pergunta, cura-se de um vírus fazendo-o desaparecer. Sob a maravilha superficial de ver um javali atravessando as ruas italianas, há uma crença à espreita de que talvez o mundo estaria melhor sem nós. Ou, mais comumente, o mundo estaria melhor sem alguns de nós, sendo que quem são esses alguns é deixado como um espaço em branco para ser preenchido pelo subconsciente do questionador. Inquestionavelmente, quem quer que seja esse alguém, será outra pessoa.

Não demora muito para ver a correlação entre o ideal ecofascista e a lógica subjacente desta linha de raciocínio.

Algo que é fundamental notar é isto; apesar do fato de que muitas das hipóteses da retórica que diz que “humanos são o verdadeiro vírus” são compartilhadas com ecosfascistas, nem todos os que a espalharam ou internalizaram são necessariamente fascistas. A realidade às vezes é difícil de analisar, especialmente quando tanta coisa está acontecendo com tanta frequência. A dificuldade é agravada pelas mídias modernas, que bombardeiam as pessoas com um dilúvio de absurdos pouco inteligíveis, composto por partes iguais de adivinhação, mentiras flagrantes, deturpações e estenografia do governo. A intuição básica dos pressupostos ecofascistas postos em prática é fácil de entender. Para um indivíduo sem crítica sistemática, mas que procura respostas, pode ser fácil adotar elementos deste pensamento — isto significa que mesmo as pessoas que ostensivamente recusariam a ideia de genocídio, estão discutindo-a abertamente, como liberais (no sentido de liberalismo social, assim referenciado ao longo do artigo) ou social-democratas, são capazes de aderir e difundir o meme da autoviralidade sem nunca realmente perceber a periculosidade sob a qual se assenta todo o conceito. Então qual é o truque? Como é que este conceito horrível pode tornar-se tão natural que mesmo indivíduos relativamente agradáveis podem difundi-lo e aceitar a lógica na sua base?

Simplificando, tem havido um truque retórico aqui, uma isca e troca. Dizem-nos constantemente que estas aparentes recuperações ecológicas são o resultado de seres humanos recuarem do mundo, quantos mais de nós estamos em quarentena ou em autoisolamento, menos de nós há fora causando problemas ambientais. Superficialmente, isto parece fazer algum tipo de sentido, o fato de que esta formulação não é imediatamente e obviamente absurda é o anzol que os ecofascistas usam para atrair até mesmo o liberal bem-intencionado. O truque é perceber que o que mudou principalmente não é de todo a humanidade – o número de mortos do COVID-19 está crescendo e é trágico e politicamente exasperante, mas ainda não matou os milhões, ou potencialmente até os milhares de milhões, que seriam necessários para que a mudança fosse atribuída à existência de menos humanos. O fato é que hoje existem quase tantos seres humanos como havia há uns meses atrás: o que mudou foi o comportamento desses seres humanos. Ou seja, o que mudou, em certa medida, tem sido os nossos modos de organização social.

A linguagem do ecofascista afirma que os seres humanos são o problema e que com o seu autoisolamento — isto é, a sua remoção do sistema — veio a recuperação ecológica. Esta análise individualizada e atomizada impede a abordagem sistemática sempre importante, o verdadeiro problema é o capitalismo e é com as interrupções e perturbações do capitalismo que a recuperação surgiu. Profundamente enraizada na linguagem da direita, a errada atribuição dos piores elementos do capitalismo à mera existência dos seres humanos existe como arma dupla.

Em primeiro lugar, permite que eles virem o seu ácido sulfúrico para as pessoas. É óbvio quais indivíduos são escolhidos como alvos, neste caso, o vírus foi racializado por membros da direita como o ‘Vírus Chinês’, uma formulação horrível que veio com um aumento do racismo anti-chinês e (como revelará uma simples visita à primeira página de vários jornais conhecidos) um desejo de punição. Isto chegou mesmo até discussões supostamente de esquerda e liberais sobre o assunto: uma coleção recente de ensaios publicados pela iniciativa editorial ASPO tem o nome de Sopa de Wuhan e apresenta ensaios da lista usual de pensadores de esquerda e liberais: Slavoj Žižek faz uma aparição, ao lado de Georgio Agamben, Judith Butler, David Harvey e Franco Berardi. Em segundo lugar, permite-lhes insinuar uma ligação entre os dois, ligar a existência do capitalismo à existência dos indivíduos e uni-los ideologicamente, apresentar o capitalismo como humano e, portanto, inevitável e inescapável.

Há muito se argumenta que um dos piores impulsos do capitalismo e realmente aquele que coloca um limite firme sobre o tempo que ele pode durar, é a exigência de crescimento e expansão contínuos. O capitalismo, para dizer de ânimo leve, é ganancioso e exige constantemente mais, mais produção, maiores mercados, mais fábricas, mais lucro e, portanto, mais extração, mais resíduos, mais combustíveis queimados, etc. Quando deixada nas mãos de governos e corporações, esta tendência é satisfeita com a maior frequência e o tão irresponsavelmente quanto possível. O COVID-19 é um vírus e não está ligado ao capitalismo, portanto não se importa que a sua proliferação interrompa a produção. As pessoas isolam-se, a quantidade de trabalho que está para ser feita diminui, “não está totalmente claro como é que a humanidade sofreria se todos os CEOs do capital privado, lobistas, pesquisadores de RP, atuários, trabalhadores de telemarketing, funcionários judiciais ou consultores jurídicos […] desaparecessem”, escreve David Graeber no seu livro Bullshit Jobs, e a quarentena e o autoisolamento em massa responderam à pergunta: a humanidade não sofreria. Esses trabalhos são totalmente supérfluos e poderiam ser eliminados, muito do trabalho que a humanidade faz é feito puramente para manter as pessoas ocupadas, e tornou-se abundantemente claro que essa ocupação não é boa para a maioria das pessoas.

Além disso, com o autoisolamento e o encerramento de tantos locais de trabalho, o número de carros nas estradas cai, a quantidade de combustível queimado cai, e o resultado é uma medida de retorno ecológico. Mas todos sabemos, e os e as anarquistas argumentam-no há muito tempo, que ninguém precisa morrer para que este tipo de coisa aconteça. Observações de que o mundo começou a “recuperação” desde a introdução da quarentena em massa seriam prematuras – não se “conserta” o ambiente em poucas semanas – mas é difícil argumentar que o ar visivelmente mais claro não é bom em, pelo menos, algum nível. Seria inteiramente dentro dos limites da imaginação acabar com milhões de carros na estrada qualquer dia e substituí-los por melhores meios de transporte público, que servem mais pessoas e reduzem enormemente os danos ambientais. A abolição do trabalho sem sentido e a reestruturação dos transportes são apenas dois exemplos de melhorias realistas e fáceis nas nossas vidas, precisamos apenas reorganizar a nossa sociedade.

Há pouco mais de uma década, o escritor britânico, teórico e crítico musical Mark Fisher publicou o seu livro clássico Realismo Capitalista, uma tentativa de diagnosticar e decifrar o ambiente cultural do capitalismo moderno e começar a pensar em como podemos escapar ao seu alcance. Para abreviar uma história relativamente já curta — o Realismo Capitalista é uma obra muito breve —, Fisher argumenta que o capitalismo tem sido perceptualmente fundido com a ‘realidade’ de tal forma que é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo, que o capitalismo é o “único jogo na cidade”. Ele também argumenta que uma das melhores maneiras de salientar o quanto este tipo de organização social é artificial e potencialmente mutável, é olhar para as crises impossíveis de ignorar que parecem rasgar o tecido do realismo capitalista. Fisher escolheu, em 2009, usar problemas de saúde mental, burocracia e catástrofe climática como exemplos. Hoje, estes exemplos são cada vez maiores, com a saúde mental tendo sido largamente ignorada e com os horrores das mudanças climáticas apocalípticas a atingirem-nos com uma raiva crescente. Agora é comum ouvir estatísticas que alegam que vastas faixas da população têm sérios problemas com depressão, ansiedade e uma série de outras condições. Da mesma forma, não é incomum ligar as notícias ou (mais comumente) abrir o twitter e ver como mais um incêndio devastou outro país, deixando florestas fumegantes e cadáveres para trás.

No entanto, podemos agora acrescentar outro exemplo à lista de coisas que levantam o véu e expõem as alavancas e roldanas que trabalham nos bastidores, o COVID-19 demonstrou, claramente, que uma pandemia pode fazer o mesmo que qualquer incêndio. De repente, um modo de vida que nos foi dito ser inevitável é varrido para o lado, empregos que nos disseram ser vitais tornam-se insignificantes à medida que escritórios e suítes executivas são abandonados e grandes porções da força de trabalho ficam desempregadas ou começam a trabalhar em casa — trabalhadores que já foram tratados como bodes expiatórios ou ignorados e desvalorizados como não qualificados tornam-se “trabalhadores essenciais”, sem os quais nenhum país poderia se manter em pé. Esta é, naturalmente, a mensagem que os e as anarquistas e a esquerda em geral têm empurrado há mais de um século, muito do trabalho que fazemos é desnecessário, e muito do trabalho que é necessário é humilhado e sub-compensado.

Dada esta perspectiva, torna-se óbvio que a abordagem ecofascista em que qualquer humano é parte de uma doença que afeta todo o mundo é defeituosa no seu núcleo. Da mesma forma, a versão diluída e difusa do seu discurso que se espalha por pessoas em grande parte bem-intencionadas baseia-se num equívoco que confunde um sistema social com os indivíduos que participam dele. O surto de COVID-19 deixou de lado muitas das alegações de que não há alternativa ao nosso sistema atual, revelando uma variedade de “fraturas e inconsistências no campo da realidade aparente” que tornam a sua contingência e fragilidade ainda mais óbvias. O que quer que o governo e o consenso popular queiram que pensemos, é impossível olhar para um mundo onde as populações do local de trabalho possam cair tão drasticamente sem danificar nenhum serviço vital e, em seguida, não conseguir imaginar que as coisas poderiam ser diferentes.

A direita e o Estado já se aproveitaram disso, evidentemente, os oportunistas, como já foi referido, estão em cima deste tipo de coisas. Governos de todo o mundo aproveitaram esta oportunidade para distribuir poderes policiais reforçados, para impor bloqueios e punições para pessoas que possam estar fora de sua casa com muita frequência, a Hungria já conseguiu saltar diretamente para a ditadura, usando a pandemia como um acelerador para a chama intolerante de Orbán. À medida que a superfície do discurso político muda, forçada a mover-se pelo terremoto que fez com que décadas de consenso neoliberal mostrassem as rachaduras nas suas fundações, a direita tomou todas as chances que pode para promover os seus próprios objetivos, a esquerda deve fazer o mesmo. Inegavelmente, já houve um começo, greves de aluguel estouraram em vários países, trabalhadores da General Electric exigiram que as suas fábricas fossem convertidas para construir ventiladores, e redes de apoio mútuo surgiram às centenas. Aqueles que se consideram despreocupados com a ideologia descobriram que a ideologia está extremamente relacionada com eles e o já instável controle que o centro tem tido sobre o discurso dominante há algum tempo tornou-se ainda mais tênue.

No entanto, não podemos nos deixar enganar que uma crise irá, com um pequeno treino de uma greve de aluguel, acabar com o capitalismo ou com o Estado. Se algum crédito pode ser dado a aparelhos como estes, é que eles demonstraram uma notável tenacidade e a capacidade para sobreviver a quase qualquer desastre. Os anarquistas não podem contar com o Estado para desmoronar sob suas próprias inadequações, este deve ser derrubado. As redes de apoio mútuo são um começo fantástico, apesar de quantas delas terem enfrentado perturbações internas de atores políticos partidários que procuram subvertê-las em estruturas hierárquicas. Os rumores de solidariedade dos trabalhadores encontrados nas saídas das fábricas, e na reação contra os senhorios, também, são um começo brilhante. Mas a verdadeira mudança não vem com alguns bons sinais, deve haver um impulso crescente contra o Estado, e tem de ser contínuo. O COVID-19 abriu um buraco no véu do realismo capitalista, o que sabíamos há muito tempo — que as coisas podem ser diferentes — está agora se tornando de conhecimento comum para aqueles que tiveram o seu mundo abalado por esta pandemia. As e os anarquistas e outras pessoas de esquerda não podem permitir que nenhum caminho permaneça inexplorado, ou seja, recuperado pela direita, o aspecto ecológico inclui-se nisto.

Durante anos, a catástrofe ecológica tem sido um dos poucos rasgos continuamente inescapáveis da hegemonia capitalista. Há anos que vem se aproximando como uma ameaça, com cada notícia sendo cada vez mais alarmante, os e as cientistas têm emitido declarações catastróficas de prazos de dias finais há muito tempo e há poucas razões para duvidar da legitimidade destas reivindicações. Os danos causados pelo capitalismo industrial estão lá para qualquer um ver. Visitar uma praia, ver os trechos intermináveis de floresta desmatada, observar espécies após espécies serem extintas, tudo isto é inegável para qualquer pessoa disposta a envolver-se legitimamente com as evidências. O capitalismo está em extrema contradição com a sustentabilidade ecológica. Para o ecofascista, tem sido trivial juntar estas observações óbvias com o COVID-19 para introduzir uma forma de hippie autodestrutivo, na base do fascismo está um desejo de um fim — como escreveu o filósofo francês Gilles Deleuze, é uma “máquina de guerra que não tinha mais nada além da guerra como objeto”. Usurpando a linguagem do ambientalista, o ecofascista vê uma oportunidade para mascarar a violência e a misantropia explícita da sua ideologia, mas é apenas isso, uma máscara. O fascismo é, no seu cerne, “uma linha de pura destruição”, para voltar a Deleuze, e qualquer tentativa de afirmar que o verdadeiro motivo é a sustentabilidade ambiental é claramente absurda. O único ambientalismo verdadeiro é libertário.

O que precisa ser aplicado pelo movimento anarquista, a cada momento, é a realidade da situação: O COVID-19 e o subsequente baralhamento da sociedade não provaram que a humanidade é uma maldição com a qual se deve acabar, provou que o capitalismo não passa de uma série de escolhas e estruturas que fazemos e reforçamos todos os dias, e que essas escolhas podem ser feitas de forma diferente, essas estruturas podem ser demolidas. Reivindiquemos este momento e estas aparentes recuperações ecológicas como ideológicas, mas reivindiquemo-las corretamente, se há algo que precisa ser sacrificado pela atual saúde do planeta e das e dos seus habitantes, é o capitalismo.

Jay Fraser é um anarquista, poeta, filósofo amador e fã de basquete. Pode ser encontrado no twitter ou em qualquer lugar que tenha bom café.

Este artigo foi publicado na revista Organise! Pandemic Special

Fonte: http://organisemagazine.org.uk/2020/04/24/eco-fascism-the-rhetoric-of-the-virus-theory-and-analysis/

Tradução > Ananás

agência de notícias anarquistas-ana

Porque não sabemos o nome
Tenho de exclamar apenas:
“Quantas flores amarelas!”

Paulo Franchetti

Leave a Reply