[Espanha] Dedicado aos que se manifestam no bairro superchic de Madrid

A sua ideologia é a morte. São os herdeiros ideológicos daqueles que mataram nossos avós, daqueles que os jogaram em valas imundas, daqueles que violaram nossas avós depois que ficaram viúvas, daqueles que tiraram nossas mães da escola aos oito ou nove anos de idade para fazê-las esfregar o chão onde cuspiram seus charutos ou caíram bêbados depois de um bom tempo.

São os filhos e netos daqueles que rasparam nossas avós e com elas passearam pela cidade em roupa íntima com o único propósito de humilhá-las. Eles são os herdeiros daqueles que dormiram com todos aqueles homossexuais e travestis no escuro da noite mas os executaram na parede durante o dia como se não soubessem quem eles eram.

São os mesmos que precisavam estar armados e ser meia dúzia para deter um único homem bom, tirá-lo de sua casa, de sua família, levá-lo para uma prisão imunda, fazê-lo desaparecer e levá-lo para fora ao amanhecer em um saco para atirar nas costas, no muro de qualquer cemitério.

Foram eles que mataram Federico García Lorca; Blas Infante; Octavio, o pai de Angustias, que morreu aos 90 anos sem saber para onde levar flores ao corpo do homem que lhe deu a vida.

São as mesmas pessoas que foram procurar o filho e o marido de Luisa, uma mulher que fugiu com seus cinco filhos de Córdoba para Jaen para salvar sua própria pele e a de seus quatro filhos restantes. Sacerdotes da morte incapazes de fazer algo de bom crescerem no seu rastro.

São os funcionários das prisões de Franco, os vizinhos que delataram tanta gente durante a ditadura, ou o homem faminto de estômago cheio que por isso pensa que já faz parte da família do senhorio.

São as mesmas pessoas que mataram os advogados trabalhistas de Atocha, em plena Transição, enquanto defendiam os direitos dos trabalhadores mais humildes. Eles são os herdeiros daqueles que realizaram o golpe de Estado contra a democracia espanhola em 1936, o frustrado de 23 de fevereiro de 1981 e aqueles que o realizariam novamente amanhã se pudessem.

Eles são os ídolos daqueles que matam quase 100 mulheres a cada ano porque pensam que são suas. São os mesmos que trancaram Manolita no cemitério da vila para que os turistas não vissem que ela era transexual, nos anos 60.

São as mesmas pessoas que leiloaram os trabalhadores diurnos andaluzes e extremadurenhos na praça da cidade, como os proprietários de escravos fizeram com os negros antes de subirem para as galeras dos navios. São as mesmas pessoas que abusaram sexualmente das empregadas, engravidaram-nas e, quando deram à luz, despediram-nas sem reconhecer o bebê e mancharam a reputação de vida da vítima.

São os herdeiros daqueles que encheram a Europa de morte, campos de concentração e fogueiras de livros, porque estes exaltaram o amor à vida, ao conhecimento e a compreensão daqueles que pensam diferente.

São eles que nos negariam ajuda se fôssemos migrantes e tivéssemos que fugir com medo da fome, da miséria ou de uma crise de saúde como a que estamos passando. São as referências dos rebanhos de estupradores que saem em bandos para penetrar visivelmente na vagina e na boca de uma garota de 19 anos.

Eles são os mesmos. A ideologia deles é a morte. Eles não têm amor pelo teatro, literatura, cinema, pintura, poesia, escultura ou qualquer outra arte que nos faça esquecer que a morte existe. Seus maiores passatempos estão ligados à destruição da vida: ir à meretriz, caçar ou carregar armas.

A sua ideologia é a exaltação da morte. Por isso defendem a privatização da Saúde e Educação ou cortes na Ciência e Serviços Sociais, ao mesmo tempo em que defendem o aumento dos gastos com armas de última geração para “combater a desigualdade social” e com incentivos fiscais e subsídios para as touradas.

Eles são os covardes da escola. Aqueles que pegam a criança mais pobre, a que tem as piores notas, a mais tímida, a que tem deficiência ou a menos popular.

Eles também são os lacaios do poder. Aqueles que perdoam aos bancos os 60 mil milhões de euros que nós, espanhóis, lhes emprestamos, aqueles que votam contra o aumento do salário de um trabalhador que recebe 900 euros, aqueles que são contra a mulher estrangeira que cuida dos pais, internamente, tendo papéis para que ela possa ser livre e escapar de um ambiente de trabalho humilhante e vexatório.

São pessoas más que andam, como diz o poeta Benjamín Prado, bem-vestidas, limpas, perfumadas, bem de saúde desde que foram expulsas do ventre da mãe, pessoas elegantes que não conhecem outro esforço que não seja levantar-se às seis da manhã para ir à praia ou a algum outro lugar, seres arrogantes que não sabem o quanto é humano ir ao caixa eletrônico, e não ter dinheiro para os dez dias restantes no mês, ter sua mãe lhe dizendo que você tem que ir à escola com os sapatos furados até a situação econômica melhorar ou receber a ordem de cortar a energia elétrica por falta de pagamento.

Eles são os otários públicos, os abismos universitários que no final têm que ir para a escola particular para pagar sua graduação, são aqueles que com contatos, herança e sem esforço alcançaram tudo na vida. São eles que estão acostumados a ganhar, mesmo quando perdem.

Eles são os mesmos de sempre, os que se vestem de verde, por isso semearam a Gran Via de caixões. É o que eles fizeram toda a vida, é o que fizeram seus bisavós, avós e pais ideológicos. O triunfo de sua ideologia seria ver nosso país enterrado em caixas de madeira. A ideologia deles é a morte. São fascistas.

Raul Solis

Fonte: http://www.aurorafundacion.org/?DEDICADO-A-LOS-QUE-SE-MANIFIESTAN

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Margaridas ficam
Balançando com os pingos
Da chuva que cai.

Melyne Louise de Oliveira, 7 anos

Leave a Reply