[França] 17 de Junho: Agindo contra o reenvenenamento do mundo

Vimos pela primeira vez em nossas vidas o que seria possível se a máquina infernal finalmente parasse, in extremis. Devemos agora tomar medidas concretas para que não se recupere. Claro, não recuperaremos as espécies extintas, nem os milhões de hectares de terras devastadas, nem as florestas destruídas, os oceanos de plástico e o aquecimento global. De uma forma sem precedentes no capitaloceno, os gases de efeito estufa diminuíram em todos os lugares. Partes dos mares e da terra começaram a se desintoxicar suavemente, assim como o ar das cidades poluídas. Os pássaros voltaram a cantar. Assim, para aqueles que se preocupam com as formas de vida que povoam este planeta em vez de acabar tornando-o inabitável, a pandemia global em que estamos mergulhados, apesar de todas as tragédias que carrega, também poderia representar uma esperança histórica. Paradoxalmente, temos visto o ponto de virada que a humanidade deveria ter tomado há muito tempo: reduzir drasticamente a nocividade geral de suas atividades. Esse ponto de virada, mesmo os incêndios de grandes territórios, as secas consecutivas ou as explosões no Lubrizol [1] dos últimos meses não nos fizeram levá-lo.

No entanto, este ponto de virada que ansiávamos, geralmente não podíamos experimentar em nossa carne porque estávamos doentes. Além de algumas áreas rurais e urbanas onde já existe outra relação com o coletivo, com a produção ou com o cuidado com os vivos, o confinamento tem sido para a maioria da população o início de um pesadelo. Um período que reforça ainda mais as desigualdades sociais, sob pressão policial. E a tragédia absoluta é que, apesar de toda a perturbação da situação, nossos governantes estão, no entanto, determinados a reviver o mais rápido possível tudo o que envenena este mundo e nossas vidas – mantendo-nos isolados e controlados em células digitais, apartados do que faz o sal e a materialidade da existência.

Nos últimos dois meses, apresentações e fóruns se acumularam em nossas telas a uma velocidade inversamente proporcional à nossa capacidade de nos projetarmos em ações concretas. Análises necessárias foram realizadas sobre a ligação entre essa epidemia e os fluxos econômicos globalizados e suas dezenas de milhares de aeronaves, desmatamento e artificialização de ambientes naturais que reduzem os habitats da vida selvagem ou a reprodução intensiva. Tudo foi dito sobre a dimensão anunciada da pandemia, sobre a continuação da contenção e desastres futuros se não aprendermos com ela. Especialmente desde a atual marcha da economia e as produções em que nosso modo de vida se baseia, continuará a matar nas próximas décadas muito mais que a própria Covid-19 [2]. Mas para o Estado e para o lobby agroindustrial, aeronáutico, químico ou nuclear que orienta suas políticas, as consequências da crise sanitária são obviamente bem diferentes. Eles simplesmente aproveitaram a oportunidade para minar algumas leis ambientais e despejar pesticidas ainda mais perto de casas, para reviver a construção de aeronaves ou mineração na Guiana… Agora está claro que nenhuma crise, por mais grave que seja, fará com que se desviem do niilismo absoluto de sua obsessão econômica. Tivemos dois longos meses para constatar. Agora cabe a nós agir e acabar com isso.

O governo se refere a Junho como uma “nova marcha” em um confinamento que é para ele apenas um recomeço da economia e para nós, a destruição da vida. Pelo contrário, a única “caminhada” sensata é tomar medidas concretas para deter os setores produtivos mais venenosos. Por isso, convocamos uma primeira rodada de mobilizações simultâneas na quarta-feira, 17 de Junho.

COMO AGIR?

O desconfinamento atual deve ser um impulso histórico para a recuperação em nossos territórios, sobre o que está sendo construído e produzido em nosso planeta. Deve ser capaz de desenhar o que é desejável para nossas existências e o que realmente precisamos. É uma questão de sobrevivência, mais do que todas as medidas e novos tipos de contenção que veremos no futuro. Significa construir novas formas de habitar o mundo, cada um de nossos territórios, mas também concordar em entrar em conflito direto com o que nos está envenenando. Há indústrias que não pararam durante a contenção e agora têm que parar. Há outros que foram interrompidos e cuja atividade não deve ser retomada. Isso não pode ser feito sem a construção de um caminho de vínculos com os trabalhadores que dependem dela economicamente. A urgência social é pensar com eles sobre as possíveis mudanças nas atividades e as necessárias reapropriações dos locais de trabalho. É também para ajudar a manter um equilíbrio de poder para garantir renda durante os períodos de transição e as necessidades básicas daqueles cuja crise agrava ainda mais a precariedade. Não alcançaremos imediatamente todas as produções. Mas temos que começar, parar algumas delas hoje e continuar com outros amanhã.

Nesse sentido, convocamos os habitantes das cidades e do campo a determinar localmente os setores que parecem mais obviamente tóxicos para eles – fábricas de cimento, fábricas de pesticidas ou produções de gás e granadas policiais, indústria da aviação, publicidade ou construção de plataformas em terras aráveis, unidade de reprodução intensiva ou instalação de novas antenas 5G, clusters desenvolvendo a digitalização da existência e um mundo sem contato com os vivos, destruição de florestas e pastagens em progresso… Convidamos todos localmente a elaborar os primeiros mapas do que não deve ser reiniciado, do que deve parar imediatamente ao seu redor, com base em mapas e lutas existentes [3]. Então convocamos em 17 de Junho para um primeiro conjunto de ações, bloqueios, comícios… Ocupações… Buscar seriamente se livrar de certas partes do mundo comercial é também adquirir formas de autonomia que possam atender às necessidades básicas daqueles que estão mergulhados em uma situação de precariedade agravada pela saúde e crise social. Por isso, também apelamos, em 17 de Junho, na dinâmica das campanhas de apoio [4] durante o Covid-19 e “abaixo das máscaras”, às ocupações de terras nas cidades ou em áreas periurbanas para projetos de cultivo de alimentos, bem como requisições de locais para centros de atendimento e redistribuições.

Precisamos encontrar formas apropriadas de mobilização. Podemos iniciar com muito pouco [5], mas também devemos nos dar os meios para sermos numerosos. Contaremos com a tenacidade dos ZADs [6], o espírito dos Coletes Amarelos, a inclusão e inventividade das greves e ocupações climáticas de uma juventude que não pode e não quer mais crescer em um mundo condenado. Agiremos ocupando o espaço apropriado entre cada pessoa e por que não mascarados quando for necessário proteger um aos outros, mas agiremos.

Abaixo uma lista dos primeiros coletivos, sindicatos, associações, territórios em luta que coassinam e estão comprometidos com este chamado. Se você também quiser assinar, envie uma chamada de mobilização local ou um texto de análise adicional. Eles serão atualizados no site: 17juin.noblogs.org

Primeiros Signatários: Youth For climate Paris, Génération Climat, Notre-Dame-des-Landes Poursuivre Ensemble, Revue Parade, Extinction Rebellion Pepps, Union Syndicale Solidaires, Solidaires 44, Sud Rail, le Front de mères, Partager C’est sympa !, des habitant.e.s de la zad de Notre-Dame-des-Landes, Youth for Climate Lyon, Espace autogéré des tanneries, la Cagette des terres, Assemblée des écologistes en lutte, Attac 44, la commune de Chantenay, Collectif pour le Triangle de Gonesse, la Dérive social club, Longo Mai Grange Neuve, Pour une Ecologie Populaire et Sociale, RISOMES (Réseau d’Initiatives Solidaires Mutuelles et Ecologiques), des opposant.es aux projets de Center Parcs en Isère, Jura et Saône-et-Loire, collect’IF paille, Exctinction Rebellion Nantes, groupe Marcuse, La Mine collectif Cévenol membre Du réseau HALEM, Attac Flandre, Cinémas Utopia, Coordination antinucléaire du Asud-est/CAN-SE, Collectif antinucléaire de Vaucluse/CAN84, ABC’éditions Ah Bienvenue Clandestins !…

Notas:

[1] Referência a explosão e incêndio em usina petroquímica na França ocorrida em 26 de setembro de 2019 na cidade de Rouen, região oeste da França. A explosão dispersou fumaça tóxica e provocou a precipitação de uma fina camada oleosa por toda a região.

[2] Multiplicação de cânceres por agrotóxicos e substâncias tóxicas, sobrepeso, diabetes e hipertensão, tudo ligado à dieta industrializada (que afeta um terço da humanidade e também coincide em ser a principal comorbidade de pacientes com Covid-19), mortes prematuras por poluição do ar, resistência bacteriana ligada ao consumo excessivo de antibióticos, e em escala diferente da humana, colapso da biodiversidade, sexta extinção em massa, um bilhão de animais mortos nos intermináveis incêndios da Austrália no verão passado.

[3] Para mais informações https://superlocal.team

[4] Referência a milhares de campanhas de apoio, autoajuda e auto-organização para o enfrentamento do Covid-19.

[5] Veja, por exemplo, o link de um vídeo sobre a ocupação de uma fábrica de cimento chamada Lafarge logo no início do confinamento e outros: https://blogs.mediapart.fr/partager-cest-sympa/blog/110320/fin-de-chantier-lafarge-est-bloque

[6] ZADs – Zonas a Defender. São ocupações de locais em que está planejada a construção de grandes obras de infraestrutura ou projetos extrativistas devastadores para o meio ambiente. As ZADs consolidam-se como espaços de novas práticas de sociabilidade, de contestação do tripé crescimento – competitividade – emprego e constitui novas formas de resistência.

Tradução > Edson

agência de notícias anarquistas-ana

Ipê roxo florido
No caminho da escola –
Começo bem o dia!

Jeane Gomes da Silva – 14 anos

Leave a Reply