[Itália] Stefano Rossi, Cocis

Ele era uma montanha, não por ser particularmente alto, mas por causa de sua postura, do orgulho que emanava, de seus longos cabelos pretos, soltos ou amarrados em uma cauda, o que o fazia parecer um guerreiro Apache: talvez por isso ele tivesse ganho o apelido de Cocis.

Como muitos camaradas em Carrara, ele veio do ambiente de adeptos ultracaroneses dos anos 70 e 80 e seu ser anarquista havia amadurecido naquele ambiente onde a aversão à ordem e seus guardiões, a solidariedade e a camaradagem assumiam significados práticos muito difíceis de aprender em algum círculo intelectual ou no facebook.

Claro que mesmo a sua dialética não era tão adequada para um círculo de intelectuais, mas ele era bem capaz de se expressar para aqueles que queriam ouvi-lo, ele era uma pessoa inteligente e muitas vezes conseguia captar aspectos que outros não conseguiam.

Eu tinha que conhecê-lo durante minhas visitas a Carrara, então quando me mudei para lá começamos a sair mais, para nos conhecermos melhor: Na morte de Alfonso Nicolazzi estava entre os primeiros a vir ajudar na gráfica e depois entre os poucos que continuaram a fazê-lo ao longo dos anos, todas as quartas-feiras, pontualmente às 8h30 da manhã ele chegava e começava a colar etiquetas e carimbar envelopes para a expedição do [jornal] Umanità Nova, semana após semana, ano após ano, pelo menos enquanto estivesse em Carrara, e são muitas expedições, são muitas etiquetas, é muita militância, sem contar as iniciativas, as festas, o Primeiro de Maio, os vários trabalhos para o movimento dos quais ele sempre participou ativamente.

No Primeiro de Maio a coroa do monumento a Meschi foi ele que usou, não tanto porque era o mais importante, mas porque era o mais distante e, portanto, o mais pesado de se vestir… Quem veio a Carrara no Primeiro de Maio vai se lembrar dele. Ultimamente frequentava e mantinha o clube Fiaschi aberto. Cocis partiu no dia 12 de maio por causa de um tumor.

Stefano era um “bom”, não sei mais como defini-lo, sempre pronto para ouvir e ajudar os outros, nunca o ouvi reclamar; anos atrás ele tinha adoecido com uma úlcera perfurante e tinha que parar de beber e mudar seus hábitos alimentares. Fui visitá-lo no hospital e ele me tranquilizou imediatamente. Mesmo a última vez que o vi, há alguns meses atrás, ele já tinha ido e voltado ao hospital algumas vezes e já tinha metástase em todos os lugares, mas ele queria me tranquilizar dizendo que sim, ele tinha estado doente, mas que já estava melhor e que logo iria se recuperar. Infelizmente, eu já sabia que não seria assim… Eu nunca o ouvi reclamar. Ciao, Ste’.

dielle

Fonte: https://umanitanova.org/?p=12182

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Joaninha caminha
no braço da menina.
Olhar encantado.

Renata Paccola

Leave a Reply