[EUA] Apoiadores de Trump em Oakdale ficam bêbados na frente da polícia e atacam protesto do Black Lives Matter

Relatório sobre a recente manifestação solidária com #GeorgeFloyd que foi atacada por apoiadores de Trump e pela polícia.

Apesar de uma enxurrada de ameaças online violentas, centenas de pessoas apareceram em solidariedade a George Floyd em um protesto do Black Lives Matter em Oakdale, Califórnia, em 3 de junho, a partir das 10h. Oakdale é uma cidade com cerca de 20.000 habitantes, localizada a cerca de 16 quilômetros fora de Modesto. Conhecida como a “capital mundial dos cowboys”, é famosa tanto por ser a cidade natal do líder neonazista Nathan Damigo, do Identity Evropa, quanto pelos seus rodeios.

O dia começou com alguns palestrantes compartilhando suas experiências com discriminação policial e foi seguido por um momento de silêncio antes do grupo sair. Enquanto marchávamos ao norte pela Segunda Avenida, os espectadores e os que se opunham eram bastante vocais, uma mulher chegou a gritar aos apoiadores do Black Lives Matter: “Vocês deveriam ter vergonha de si mesmos”. Era evidente que resistir à brutalidade policial e a injustiça racial não era bem-vinda, nem mesmo entendida por muitas pessoas aqui.

Finalmente chegamos a Wood Park e paramos na grama enquanto o tráfego passava, alguns carros buzinando e enfiando os punhos pela janela nos deram esperança e nos lembraram que não estávamos completamente sozinhos ali. O Departamento de Polícia de Oakdale tinha a estrada fechada de um lado, onde estávamos. As pessoas começaram a sair às ruas, mas foram imediatamente repreendidas pela designada polícia pacificadora, alegando que fazer isso era um ato de “violência”. Um pequeno conflito ocorreu entre organizadores e manifestantes, pois alguns tentaram explicar que você pode permanecer em paz enquanto protestava na rua. Muitos vieram em auxílio da polícia pacificadora, afirmando que os manifestantes não deveriam calar as pessoas de cor, apesar dessas mesmas pessoas silenciarem e repreenderem outras pessoas de cor que discordavam delas.

O protesto continuou, com contra-manifestantes do outro lado da rua provocando os manifestantes do Black Lives Matter, um deles até fazendo uma saudação Seig-Heil, enquanto outros apoiavam visivelmente Trump, com um homem vestindo uma bandeira de Trump como capa. Entre eles estava Bronson Harmon, famoso ex-lutador de Oakdale High, cuja bolsa de estudos foi revogada em 2018, depois que ele foi pego em câmera usando um xingamento homofóbico enquanto protestava contra a Marcha Families Belong Together (Famílias Pertencem Juntas) em Modesto. Ele agora está no colégio Wartberg com o reitor Dr. Dan Kittle, afirmando que eles estão oferecendo a ele uma chance de “redenção e perdão”. Parece que esse perdão foi oferecido muito cedo. Harmon e vários outros atravessaram a rua quando uma briga quase começou antes de serem interrompidos.

Depois de um tempo, começamos a voltar para onde o protesto começou. Uma vez lá, muitos se separaram e voltaram para casa, mas pelo menos 50 a 100 permaneceram. Logo depois, os xerifes de Stanislaus apareceram com equipamento anti-motim, segurando bastões prontos para atacar. Nosso lado tinha mais de 30 policiais e xerifes diante de nós, enquanto o lado Trump tinha apenas três. O lado de Trump estava também bebendo abertamente grande quantidade de álcool de um refrigerador, bem na frente dos policiais. Ficou claro quem a polícia considerava uma ameaça, ironicamente, considerando a onda de ameaças de morte que haviam sido lançadas contra o protesto nas mídias sociais anteriormente. A multidão ficou agitada, cantando: “Por que você está usando equipamento anti-motim, não vejo motim aqui!” O tempo todo, os contra-manifestantes estavam do outro lado da rua, ao lado de um escritório financeiro e do Little Ceasars, nos provocando com bandeiras Blue Lives Matter e Trump 2020. Os manifestantes responderam tocando FDT por YG em um alto-falante e cantando junto.

Nesse momento, alguém do outro lado, claramente perturbado por esse comportamento, veio até nós e informou à polícia que os contra-manifestantes estavam escolhendo alvos na multidão. A polícia não fez nada. Os manifestantes disseram à polícia e ao prefeito de Oakdale McCarty suas preocupações com segurança, dizendo que todos eles poderiam ir para casa se os contra-manifestantes fossem dispersos. Nenhuma ação foi tomada.

Três ou quatro manifestantes decidiram atravessar a rua para pedir pizza para todos. Imediatamente contra-manifestantes correram para encontrá-los, mas foram parados pela polícia. Dentro dos Little Caesars, um contra-manifestante que estava na fila tentou atacá-los. Eles tiveram que sair do prédio e foram novamente encontrados por manifestantes que tentaram combatê-los, mas a polícia os mandou embora. Nenhuma outra ação foi tomada para dispersar os contra-manifestantes e nenhuma prisão foi feita após a agressão e tentativa de agressão.

Os contra-manifestantes continuaram a provocar a multidão. A certa altura, uma pessoa gritou: “Você está cansado de andar assim?” E começou a imitar a caminhada de um gorila. Quando os manifestantes gritaram de volta para eles em indignação, outro homem disse: “Eu vou bater o preto fora de você”. Mais tarde, um carro cheio de manifestantes dirigiu tocando a buzina em apoio e um contra-manifestante em uma regata vermelha de Trump e chapéu de cowboy apontou para o carro e fingiu atirar neles. A polícia não fez nada sobre isso.

Por volta das 14h30, alguns jovens manifestantes dirigiram buzinando e gritando. Os manifestantes aplaudiram, mas graças ao tráfego lento, eles foram parados bem na frente dos contra-manifestantes. Segundo o Departamento de Polícia de Oakdale, uma garrafa de água foi jogada na parte de trás do carro, embora isso não possa ser visto em nenhum dos vídeos que circulam na web. O contra-manifestante Nick Gonzales correu rapidamente para o banco do passageiro e começou a atacar violentamente o homem sentado nele. Mais tarde, fotos mostraram que Nick usava um chapéu com o logotipo Three Percenter, uma milícia de extrema-direita que protegia os neonazistas no comício Unite the Right em Charlottesville. Membros do grupo também foram ligados a uma série de atentados contra muçulmanos e imigrantes nos últimos quatro anos. Nick Gonzales e dois manifestantes: Brandon Gray, que estava no banco do passageiro do carro, e Joseph Lutz, estão sendo acusados de agressão contra um policial. Brandon Gray já foi solto sem nenhuma queixa.

À medida que esse ataque se desenrolava, mais contra-manifestantes apressaram o carro e os manifestantes do Black Lives Matter atravessaram a rua para ajudar seus amigos. A polícia reagiu imediatamente atacando e derrubando vários manifestantes do BLM na calçada. Uma mulher na multidão foi empurrada para o chão com a face para baixo, fazendo seu nariz sangrar profusamente e depois foi arrastada pela polícia. Dois policiais de choque ergueram rifles e dispararam no ar na direção da multidão, fazendo com que todos se espalhassem em pânico. Inicialmente, era pensado serem balas de borracha, mas a polícia de Oakdale afirma que eram um “dispositivo de distração sonora não letal”.

A mulher que foi ferida desmaiou no meio da praça tendo um ataque de pânico e os manifestantes começaram a gritar por um médico. Quando um médico chegou rapidamente, quatro policiais montados armados com uma bokken (espada de katana de madeira) prontos para atacar responderam separando a mulher ferida de suas amigas. Os manifestantes que inicialmente pensaram que o ferimento foi causado por um projétil da polícia começaram a condená-los por seu comportamento, a polícia respondeu com ameaças de violência e prisão.

Uma grande van branca e vários carros da polícia entraram no estacionamento atrás do Centro Gene Bianchi e, em um alto-falante, anunciaram que o protesto havia sido declarado uma assembleia ilegal e que qualquer pessoa restante seria presa.

No dia seguinte, foi anunciado que o Condado de Stanislaus estava em um “estado de emergência”, a fim de reprimir melhor os protestos. Como um xerife do Oakdale Leader afirmou:

“Embora esperemos ver manifestações pacíficas adicionais, como vimos ao longo desta semana, não esperamos que as manifestações se transformem em violência, a menos que instigadas por influenciadores externos”, disse o xerife Jeff Dirkse. “Esta proclamação é principalmente uma ferramenta administrativa para o município acessar recursos do estado e ativar a Lei Estadual de Serviços de Emergência, que ajuda a facilitar uma resposta coordenada em todo o município, se necessário.”

Mas a violência em Oakdale não foi praticada por “forasteiros”, foi praticada por apoiadores racistas de Trump em Oakdale e pela própria polícia. Dar à polícia mais dinheiro e poder também não nos tornará mais seguros, isso dará à polícia simplesmente mais margem de manobra sobre nossas vidas e liberdades.

Seja da extrema-direita ou da própria polícia, a violência supremacista branca tem o mesmo resultado pretendido: atacar os que se levantam e revidam para reivindicar dignidade. Depende de nós nos apoiarmos nas ruas e nos mantermos seguros: a polícia com certeza não vai.

Fonte: https://itsgoingdown.org/oakdale-trump-supporters-attack-blm/

Tradução > A. Padalecki

agência de notícias anarquistas-ana

Nem sequer três dias
este mundo vê passar
– Cerejeira em flor!

Ôshima Ryôta.

Leave a Reply