[Espanha] Discurso fúnebre cheio de amor, para David Graeber

Por Acratosaurio Rex | 04/09/2020

David Graeber nos deixou. Eu o conheci por acaso em uma conferência que ele deu em Cádiz, em 2007. Eu estava naquela cidade por outro motivo, um italiano tinha sido preso na prisão El Puerto por protestar contra a morte de seu cão em um “abrigo” municipal, e eu tinha vindo dar uma mão… E como me sobrava algum tempo, eu fui para a Universidade. Eu sabia que Graeber era antropólogo em Yale, e que ele havia sido chutado para a rua (2005) supostamente por causa de sua atitude radical. O antropólogo participou da contra-cúpula de Seattle (1999), do movimento Occupy Wall Street (2011) e de outros movimentos similares. De qualquer forma, havia um grupo de estudantes e eu ouvindo David.

A primeira coisa que me chamou a atenção foi sua aparência casual, com alguns cabelos que pareciam nunca ter visto um pente. Eu o achava um cara legal, um cara bom, não muito acadêmico. A palestra foi dada em inglês, mas para ajudar aqueles de nós que não falam em inglês a entender, havia uma tradutora, uma italiana, que eu entendia ainda menos do que Graeber. Por sorte, num momento de angústia para a garota, que estava presa em alguma expressão gringa, um dos organizadores, Beltrán Roca, assumiu e começou a traduzir, e assim pude entender por suas explicações sobre o movimento sindical americano (os Woblies), os movimentos de protesto, o que aconteceu no Parque Zuccotti, na Baixa Manhattan… E gostei muito do que ele disse, porque me identifiquei com muitas das coisas que ele explicou sobre sindicalismo e anarquismo.

Graeber falou sobre como o anarquismo está agora no coração da esquerda nos Estados Unidos, através de movimentos sociais muito amplos. São movimentos totalmente descentralizados (direitos civis, feministas, antinucleares, pacifistas, antifascistas) que empregam a ação direta. “A democracia que esses movimentos empregam”, disse Graeber, “foi aprendida com Quakers e índios americanos, que ensinam a tomada de decisões por consenso envolvendo milhares de pessoas”. Fiquei impressionado, porque para mim este avanço é muito importante… Porque me parece que nestas partes, as pessoas não estão acostumadas a tomar decisões coletivas, e as assembleias muitas vezes não passam de monólogos em que todos se ouvem quando é a sua vez, ou no meu caso, eu me dedico a vaguear pelas senhoras enquanto o orador, por sua vez, expõe seu plano mestre para destruir o Capital em vinte minutos.

Outra ideia que ele me deu, e que me surpreendeu, foi a explicação positiva sobre o que são os chamados “blocos negros” (“black blocs”). Deixe-me explicar… Sempre gostei daqueles garotos e daquelas pessoas, homens e mulheres, que se vestem de preto, colocam um capuz sobre o rosto, e enfrentam deus e o diabo. Normalmente, a partir de outras atitudes organizacionais, mais institucionalizadas e formalmente enredadas, eles são acusados de serem violentos, de quebrar, destruir e finalmente destruir movimentos pacíficos de protesto, justificando a repressão. Não parei de pensar durante estes anos que aqueles do Bloco Negro são os únicos que me deram alguma alegria no meio de tanto conformismo, ou não é verdade que se dependesse de organizações pacíficas, o Paraíso já teria chegado à Terra?

Graeber me explicou: eles não são uma organização, mas uma atitude. Para Graeber, que participou de vários Blocos Negros, aqueles de Negro são pessoas que participam de uma tática: são os militantes, determinados, dispostos, preparados para responder à polícia e defender a terra se necessário. Eles cobrem seus rostos para proteger seu anonimato e evitar a repressão. Com a vantagem adicional de que se eu sou uma pessoa que não quer ser incomodada e vê vinte caras vestidos de preto, sei que tenho que me posicionar longe deles para evitar me afogar em gás, enquanto fujo louco, bato num candeeiro de rua, tropeço, faço ricochete numa caixa de correio e acabo caindo num esgoto, cego de medo mas muito digno, no meio da carga de cavalaria.

Depois daquela conferência, eu não encontrei mais com ele. Eu me limitei a seguir seu trabalho antropológico, que é muito amplo e sempre me fez muito feliz. Quero mencionar especialmente Fragments of an anarchist anthropology, que deu nome ao que sentia toda uma nova geração de antropólogos ativistas, antropólogos que estavam fartos da desmobilização pós-moderna. E Graeber ressuscitou as grandes histórias, o desejo de emancipação, dentro da Teoria Social. Porque Graeber era, e é, o melhor antropólogo social da atualidade. Em seu estilo de argumentação, ele usou muitos exemplos de obras etnográficas de lugares e povos muito diversos, para ilustrar suas ideias. Ele lia muito, precisamente porque não perdia tempo elaborando projetos do tipo “Horizonte 2020” ou escrevendo papers para caber em revistas de impacto. Ele era um verdadeiro antropólogo, que as regras acadêmicas sujas de hoje não permitem que seja. E ele estava no topo da antropologia sem ter dirigido um único projeto. Ou precisamente por causa disso.

E outro trabalho que gostaria de mencionar é o Trabajos de Mierda. Una teoría. Barcelona: Ariel, 2018. No livro Graeber propõe uma pergunta perturbadora: você não acha torturante levantar-se cedo cinco ou seis dias por semana para fazer trabalhos que você acha que não são necessários e que não fazem sentido? Graeber analisa como a utopia capitalista, que prometeu no século 20 que no século 21 seríamos todos ricos, em vez de reduzir as horas de trabalho e aumentar os salários, criou um número infinito de empregos de merda: publicidade, consultores, relações públicas, investidores, chefes de protocolo, advogados corporativos, especialistas, consultores de imagem, membros de comitês que discutem a existência de comitês, burocratas de todo tipo a serviço de estados, corporações, igrejas e organizações… Sem mencionar os inevitáveis secretários, chefes, subsecretários de secretários, militares, policiais, padres… Que garantem a porra do bem comum. Milhões e milhões de pessoas que passam a vida trabalhando em qualquer coisa, e que juram que gostam de seus empregos de merda, apesar de serem consumidas internamente pelo verme da ansiedade. E o triste é que estamos nas mãos desses amargados e loucos.

De qualquer forma, concluo sem mencionar outras facetas que vale a pena mencionar, e que outras pessoas trarão à luz melhor do que eu: David Graeber se foi. Muito cedo. Muito longe. Ai. O antropólogo desgrenhado e com aparência de urso, que queríamos abraçar, deixou uma trilha, deixando-nos um trabalho amplo, interessante, tremendamente útil e uma mensagem clara: Anarquistas! Se em poucos anos não fizermos do mundo um lugar melhor, podemos ter certeza de que ele será pior.

David Graeber, antropólogo, ativista, anarquista, pessoa. Nova York, 12 de fevereiro de 1961 – Veneza, 2 de setembro de 2020: somos o 99%.

Fonte: http://alasbarricadas.org/noticias/node/44568

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/04/grecia-david-graeber-morreu-repentinamente-aos-59-anos/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/04/morre-aos-59-anos-o-antropologo-david-graeber-creditado-pelo-slogan-nos-somos-os-99/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/04/david-graeber-antropologo-e-anarquista-morre-aos-59-anos/

agência de notícias anarquistas-ana

passos de pássaro
no telhado lá de casa
embalam sonhos

Marland

Leave a Reply