[Venezuela] Ante a pandemia, a negação como “salvação”

Por Leoncio Barrios | 29/08/2020

O Mestre Freud definiu os chamados mecanismos de defesa como recursos psicológicos inconscientes que usamos para “resolver” conflitos ou reduzir sentimentos desconfortáveis até que se tornem suportáveis. Embora a definição desses mecanismos fosse a nível individual, eles também funcionam a nível social.

Um mecanismo de defesa que é frequentemente utilizado em todos os níveis é o da negação: a crença de que porque se nega a ocorrência de algo, a negação não ocorre. Portanto, age-se em uma base falsa que não permite resolver o problema ou problemas; pelo contrário, a partir daí o problema surge.

Negação individual

A negação é um recurso inconsciente que usamos em situações que se apresentam como insuportáveis, como a perda de um ente querido (“não, não pode ser”); um diagnóstico médico perturbador (“esses resultados estão errados” ou “são de outra pessoa”); falha em algo que fazemos (“isso não aconteceu”); e até mesmo uma situação assustadora (“o coronavírus não existe”).

A negação como mecanismo de defesa pode ser acompanhada por outros mecanismos que também são “úteis” para suportar o insuportável, como o deslocamento (diante de uma responsabilidade fracassada: a culpa é de…) ou a racionalização (diante de uma falha: isso não importa, há coisas melhores). Esta última é semelhante à renúncia religiosa (em outro dia, o tempo de Deus é perfeito).

Os mecanismos de defesa, como eu estava dizendo, são úteis porque ajudam a tornar uma situação insuportável, mas também são perigosos porque não nos permitem ver a realidade e, portanto, nos levam a agir de forma irrealista. Ao negar o problema, ele não pode ser resolvido. Isto, em termos sociais, muitas vezes tem sérias consequências negativas.

Mecanismos de defesa na política

Uma maneira de entender e praticar a política é deturpando a realidade. Não apenas através de manipulações, escondendo ou adoçando conscientemente a informação, mas ainda pior: acreditando em suas próprias mentiras, assumindo como “verdade” o que o político acredita. Ouvimos, lemos nos discursos e declarações de representantes de qualquer lado ou tendência com o objetivo de fugir da responsabilidade.

Na arena política, além da negação, como mecanismo de defesa diante de falhas óbvias, aparece também o deslocamento: quando os líderes, quer se chamem a si mesmos de presidente ou líder da oposição, não conseguem atingir seus objetivos e culpam os outros por seu fracasso.

Em política, a fuga de responsabilidade é uma resposta muito comum. Presume-se que ser um político é poder mentir, ser desonesto, manipular em termos de gestão da informação. Há exceções a isto, é claro. Uma forma alternativa de praticar política é assumir a responsabilidade por um fracasso, mas, em geral, eles têm medo de se mostrar como fracassados. Ao contrário do que se teme, mesmo na política, ser honesto geralmente compensa.

No campo político, outro mecanismo de defesa frequentemente utilizado é a dissociação. Os eventos ou fatos que poderiam prejudicar as ações atuais são completamente esquecidos, ou as conexões que um fato pode ter com outro são apagadas, se não forem convenientes.

A negação do coronavírus

A politização da epidemia do coronavírus levou ao jogo da negação em vários lugares, reais e virtuais, por governantes, grupos e indivíduos com características ideológicas semelhantes. Eles o fazem sem serem mecanismos de defesa. Neste caso, eles são mecanismos de ataque.

De forma consciente, com intenções pré-determinadas e, portanto, não como mecanismo de defesa, mas ideologicamente, existem grupos que negam a existência do coronavírus, a eficiência das medidas preventivas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde, a eficácia das decisões governamentais em seus países, o número de infectados e mortos. Eles negam ou acomodam qualquer informação sobre a pandemia de acordo com seus interesses econômicos e/ou políticos.

A nível individual e em conversas de grupo, pode-se também ouvir a negação do risco e da crise de saúde que o mundo está passando.  Os argumentos que usam, em geral, não vão além do irracional: “me parece”, “é uma invenção de um inimigo”. Também ouvimos razões mágico-religiosas: “é um castigo de Deus”, “o Apocalipse”.

Qualquer razão é válida para justificar a defesa de seus interesses comerciais ou políticos. Mesmo que arrisquem a saúde e a vida de centenas de milhares de seus compatriotas.

Extraído: https://efectococuyo.com/opinion/la-negacion-como-salvacion

Fonte: http://periodicoellibertario.blogspot.com/2020/08/opinion-ante-la-pandemia-la-negacion.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

poço vazio
– mergulho –
rãsborrachada

Jandira Mingarelli

Leave a Reply