[Espanha] A Bienal Anarquista de Madrid começa em outubro

Em 10 de outubro, acontecerá a Primeira Semestral Anarquista de Madrid, um pequeno evento de um dia que nasce como parte de uma ideia maior, com uma viagem mais longa. Há alguns meses, um grupo de nós começou a pensar sobre a ideia de moldar alguns dias de debate em nossa cidade. No momento atual que estamos vivendo, de bloqueio e desmobilização, entendemos como prioridade compartilhar e debater sobre os diversos processos de luta que estão tentando surgir ao nosso redor, seja aqui perto ou a milhares de quilômetros de distância. Nossa intenção é dar impulso e ferramentas que contribuam para reativar as forças de luta em nossos bairros, e promover uma cultura de luta que possa enfrentar os desafios colocados pelo presente. É com este impulso e entusiasmo que surge o projeto de realizar uma Bienal Anarquista de Madrid, ou seja, uma ampla sessão de debate a cada dois anos. Mas, como as coisas estão agora, e a fim de dar andamento às coisas, começaremos esta jornada com uma série de pequenas conversas e entrevistas, que tentaremos realizar a cada seis meses (daí a Bienal Anarquista Semestral), e que servirão para apresentar o projeto e conectar com as experiências das lutas atuais.

Devido ao atual cenário de crise sanitária e à impossibilidade de encontrar um espaço aberto suficientemente grande, decidimos que esta primeira edição do Semestre Anarquista será desenvolvida online, através de vídeos transmitidos na rede. A partir de nosso website (bienalanarquista.madrid) e das diferentes redes sociais, faremos um link para o canal do youtube a partir do qual as conversas podem ser vistas.

A conferência terá três palestras, que combinarão eventos atuais com um exercício de memória histórica. Primeiro, ao meio-dia falaremos com a historiadora e professora Dolors Marin, que nos contará sobre as lutas e o ativismo das mulheres trabalhadoras no bairro Raval de Barcelona do final do século XIX até os anos 30, com base em seu recente livro publicado por El Lokal. Vamos analisar as primeiras associações de trabalhadores e os sindicatos incipientes em uma cidade cujo crescimento constante foi afetado pelas lutas de uma classe trabalhadora que procurava acabar com sua pobreza econômica e intelectual. Liberdade de pensamento, educação das classes populares, conflitos trabalhistas, independência pessoal do Estado e da Igreja, ou a feroz reivindicação de paridade, serão alguns dos tópicos que estaremos discutindo.

Mais tarde, às 17h, abordaremos um tema que é debatido calorosamente nestes dias, o do maior campo de refugiados da Europa, Moria, localizado na ilha grega de Lesbos e que foi engolido pelas chamas há menos de um mês. Nossa primeira intenção com esta palestra foi dar voz ao coletivo Kairos SupporTeam, uma rede de trabalho comunitário e apoio mútuo formada por mulheres, em sua maioria requerentes de asilo que residem no campo. Já havíamos gravado uma entrevista com elas em julho, na qual nos aproximaram de sua vida cotidiana. Dada a nova e dramática situação em que elas e o resto dos residentes do campo se encontram, acrescentaremos a esta entrevista uma pequena atualização de sua parte da nova realidade que elas estão tendo que enfrentar após o incêndio.

Para concluir, às 19h, faremos uma pequena revisão deste 2020 e das consequências que a crise sanitária da COVID-19 teve sobre uma série de áreas do planeta que começaram o ano envolvidas em conflitos e protestos. De repente, tudo ficou em segundo plano. E agora? Depois de todos esses meses de pandemia, que afetou territórios e classes sociais de forma desigual, o que resta de todos esses conflitos abertos? Como eles foram afetados pela crise sanitária e suas consequências sociais? As causas subjacentes aos protestos se agravaram? Como as lutas estão se adaptando ao novo e mutável normalidade? Neste contexto, apresentamos quatro pequenas entrevistas com compas de diferentes países (Chile, Hong Kong, Rojava e Palestina) para obter uma atualização sobre as lutas em torno deles.

Esperamos que esta primeira etapa de nosso projeto seja de interesse. Nos vemos em breve.

Fonte: https://www.todoporhacer.org/semestral-anarquista-madrid/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

as nuvens vermelhas,
o sol sumindo no rio
– silêncio noturno

Zemaria Pinto

Leave a Reply