Memória | Empastelamento do jornal ‘A Plebe’

Por Marcolino Jeremias | 09/11/2020

No dia 31 de outubro de 1919, estudantes almofadinhas de direito de São Paulo (SP) invadiram e destruíram as oficinas onde era feito o jornal anarquista ‘A Plebe’. Somente estavam no local Edgard Leuenroth e Afonso Schmidt, que conseguiram escapar por pouco.

No dia seguinte ao empastelamento de ‘A Plebe’, o jornal reaparecia com a seguinte manchete em primeira página: “A Plebe é imortal como a Fênix da velha lenda, ela renasce das próprias cinzas”. Na véspera, muitas caixas haviam sido empasteladas e o diário apareceu com uma impressão muito precária, em virtude dos estragos sofridos, porém a voz popular dos anarquistas não se calou!

Nessa poesia (imagem em destaque) escrita pouco depois, Afonso Schmidt, recorda o empastelamento de ‘A Plebe’, quando tudo que havia dentro das oficinas do periódico foi atirado na rua e queimado numa fogueira. Milhares de cópias do livro “O Que é o Maximismo ou Bolchevismo” de Edgard Leuenroth e Helio Negro foram queimados, contudo muitas centenas deles foram apanhados por populares.

agência de notícias anarquistas-ana

Arrastar espantalhos pelo chão
é o que a tempestade
faz primeiro.

Kyoroku

Leave a Reply