[Itália] Carta da camarada anarquista Francesca Cerrone sobre a greve de fome

“Solidariedade entre os prisioneiros anarquistas”

As condições de detenção nas prisões italianas continuam a piorar; diante da emergência da COVID, as exigências dos presos foram em sua maioria ignoradas, causando revoltas em dezenas de prisões, seguidas de forte repressão, com transferências punitivas e processos criminais. Nessas revoltas, muitos detentos já morreram. A responsabilidade por essas mortes cabe ao Estado. As mudanças feitas pelos sistemas prisionais desde a última primavera significaram em muitos casos uma redução nos contatos com o mundo exterior, reduções nas atividades, isolamento, tornando as condições de detenção cada vez mais inabitáveis. Até o momento, não há sinais de melhoria, mesmo que houvesse tempo para agir sobre a situação. As novas disposições não antecipam nada de bom, com medidas ainda mais restritivas para as seções de alta segurança e uma extensão do uso do regime de tortura lenta 41, que visa quebrar as estruturas básicas das identidades individuais.

Diante de tudo isso, aqueles que ousam ser contra as prisões, contra o Estado que as dirige e contra a sociedade que precisa delas, aqueles que realizam práticas de solidariedade dentro e fora dos muros, estão cada vez mais sendo trancados deste lado dos muros. As últimas investigações anti-anarquistas são claramente uma forma de se opor à solidariedade com os prisioneiros anarquistas.

Entre elas, algumas situações de prisão se destacam por seu caráter particularmente punitivo e insustentável.

Davide Delogu está, de fato, sujeito ao regime do 14a, por nunca ter curvado sua cabeça diante da instituição penitenciária. Apesar de seus pedidos de transferência para outra prisão, ele não foi transferido e, além disso, sua situação se agravou.

Giuseppe Bruna está na seção protegida da prisão de Pavia há mais de um ano, apesar de seus repetidos pedidos de transferência, o DAP (Departamento de Administração Penitenciária) por trás de pretextos não o transferiu.

O sistema patriarcal sobre o qual o Estado e a sociedade são governados revela seus aspectos mais baixos e agudos no mundo das prisões: vemos isso nas piores condições em que os presos são encontrados nas prisões de mulheres em geral, nos estereótipos de gênero aos quais são forçados, na lógica da infantilização e da psiquiatria imposta a elas. Vemos isso no tratamento reservado a nossas camaradas anarquistas, que estão divididas e espalhadas no AS3 na Itália, porque esta é a primeira lógica do patriarcado: dividir as mulheres, porque quando elas se unem, fazem o poder tremer. Vemos isso no tratamento de homens com uma orientação sexual não-normativa, e no de pessoas que não se reconhecem no binarismo de gênero imposto, a quem é dado um lugar entre os infames, pedófilos e estupradores.

Como anarquista, eu certamente não apoio a lógica dos circuitos diferenciais da prisão, assim como não apoio a própria lógica da prisão, à qual me oponho e luto contra. Para que cada tipo de prisão venha a ser destruída.

Enquanto isso, não ficarei em silêncio enquanto os camaradas anarquistas vivem em condições insustentáveis em outras prisões.

Davide e Giuseppe estão lutando por sua transferência para situações mais habitáveis. Eu estou com eles.

Por esta razão, a partir de segunda-feira, 19 de outubro, farei uma greve alimentar na prisão de Latina, onde estou presa.

Por um mundo livre de prisões.

Por solidariedade entre e com os e as prisioneiras.

Pela anarquia.

Fra

Fonte: https://es-contrainfo.espiv.net/2020/11/04/prisiones-italianas-carta-de-la-companera-anarquista-fra-sobre-la-huelga-de-alimentos/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Lentos dias se acumulam –
Como vão longe
Os tempos de outrora.

Buson

Leave a Reply