[Espanha] José Negre, o primeiro secretário da CNT

Por Julián Vadillo Muñoz  | 02/11/2020

Em 30 e 31 de outubro e 1º de novembro de 1910, foi realizado em Barcelona um congresso nacional de trabalhadores, que resultou na fundação da Confederação Nacional do Trabalho. Embora o Solidaritat Obrera, um sindicato revolucionário nascido em 1907, tenha sido estabelecido na Catalunha, as demandas de outros setores de trabalhadores na Espanha apontavam para a necessidade de um sindicato que abrangesse todo o país. A Semana Trágica em Barcelona pôs um fim a uma eleição nacional que foi realizada com um ano de atraso. Esse congresso, que reuniu setores do socialismo, do anarquismo e do sindicalismo revolucionário, serviu para lançar as bases de uma organização que, sob os parâmetros revolucionários do sindicalismo e a inspiração do anarquismo, formaria uma entidade que eles vinham buscando desde o desaparecimento da FTRE no final do século XIX.

O avô do anarquismo, Anselmo Lorenzo, dirigiu estas palavras ao congresso que estava sendo realizado no Palácio de Belas Artes em Barcelona:

“Antes de vocês, o livro de história apresenta uma página em branco. Preparem-se para enchê-lo com honra para vocês mesmos, com proveito para todos, presentes e futuros”.

Entre os participantes do congresso, deve ser destacada a presença de José Negre, então Secretário Geral da Solidaritat Obrera e eleito na época como o primeiro Secretário Geral da CNT.

José Negre nasceu em Ludientes, uma pequena cidade da província de Castellón, em 13 de maio de 1875. Gráfico de profissão, jornalista e grande orador, Negre foi uma das forças motrizes do movimento operário de Barcelona nos primeiros anos do século XX, onde emigrou por razões trabalhistas.

Os ecos que vieram da França do sindicalismo revolucionário do final do século XIX e as contribuições doutrinárias ao modelo corporativo introduzido na Espanha por figuras da estatura de José Prat ou Anselmo Lorenzo, convenceram um Negre que começou a se destacar como militante e como orador.

Negre viveu um dos períodos chave para entender o avanço do sindicalismo em Barcelona e como ele se tornaria uma espoleta para o resto do país. Sua atividade sindical foi fundamental na fundação da Solidariedad Obrera em 1907, assim como a luta que ele mostrou contra a influência que o Lerrouxismo e o Catalanismo estavam começando a exercer sobre o proletariado catalão e de Barcelona. O nascimento do Solidaritat Obrera coincide na prática com a expansão do catalanismo conservador, representado pela Lliga, e o nascimento do Solidaritat Catalana (que data de 1906) no calor das consequências do ataque ao Cu-Cut! e a aprovação da Lei de Jurisdições, e a fundação do Partido Republicano Radical de Alejandro Lerroux, “o Imperador do Paralelo”. Ambas as forças rivalizavam com os espaços de sociabilidade do operariado, onde a Solidaridad Obrera era mais influente. Negre estava claro que a luta dos trabalhadores estava acima da questão nacionalista catalã e da demagogia lerrouxista.

Em 1908, surgiu um conflito entre os sindicalistas do Solidaritat Obrera e o jornal Lerrouxista El Progrès, dirigido por Emiliano Iglesias. José Negre deixou em suas memórias esta marca do conflito entre radicais e sindicalistas:

“Minorias que nunca vacilaram, apesar de terem que enfrentar tanto a burguesia quanto as autoridades que os perseguiam e atropelavam incessantemente e sem consideração, o partido Lerrouxista, sagaz e hipocritamente inserido nas mesmas sociedades operárias, um partido que tinha a pretensão de assumir a Federação Local de Solidariedade dos Trabalhadores e que afirmava pela boca do pirata político Emiliano Iglesias que ou a Federação dos Trabalhadores estava domiciliada na Casa del Pueblo, ou desapareceria, e apesar de ser o referido partido literalmente árbitro de Barcelona, tendo todas as autoridades à sua disposição, contando com a adesão de uma massa de 60.000 eleitores e com um jornal com a maior tiragem naqueles anos, foi derrotado de forma retumbante após a rude e acrimoniosa luta por uma Federação de Trabalhadores que no máximo reuniu uma massa de 15 a 20.000 membros federados e um semanário de cerca de 3.000 exemplares de tiragem”.

O conflito aumentou a influência da Solidaridad Obrera, onde Negre já era uma figura proeminente. À frente dos impressores de Barcelona, Negre tornou-se uma referência para o sindicalismo revolucionário e, portanto, foi eleito Secretário Geral de Solidariedade dos Trabalhadores.

Suas visões da Semana Trágica de Barcelona também são paradigmáticas quando se trata de analisar o momento, sobretudo por causa da repressão exercida contra sindicalistas e revolucionários:

“Uma vez liberadas as barricadas pelos revolucionários, os trabalhadores abandonaram ou esconderam suas armas, a cidade foi deixada na posse das autoridades e dos pacos (a polícia local), que desde as torres da igreja e outros estabelecimentos religiosos nas igrejas tinham os nervos do bairro em estado de tensão com seus contínuos tiros, tiros que não tinham outro propósito senão fazer crer que os autores desses tiros não eram outros senão os revolucionários, e que foram considerados inimigos inconciliáveis da tranquilidade pública e, portanto, prontos a impedir a restauração da normalidade, e que reagindo contra todas as opiniões, deixaram os vitimizadores livres para realizar impunemente a repressão feroz e selvagem que foi proposta para se vingar dos medos e terrores que haviam sido vividos durante os dias em que os trabalhadores bateram corajosamente o cobre nas barricadas.”

O momento principal de Negre veio quando, meses depois desses eventos, foi um dos impulsores do Congresso de Belas Artes que deu origem à fundação da CNT. Ele estava consciente da necessidade que o operariado espanhol tinha de uma organização em nível geral que, ao propor um modelo sindicalista revolucionário e ao alimentar-se de uma ideologia e organização anarquista, teria uma alternativa à UGT. Um congresso cheio de conteúdo que terminou com a aprovação dessa necessidade, que José Negre liderou.

Negre tinha duas questões claras em mente. A primeira foi que, apesar do nascimento da CNT, o objetivo era trabalhar pela unidade do proletariado espanhol em uma única organização de trabalhadores, levando à união das duas centrais sindicais em uma só. Uma posição compartilhada pela maioria dos sindicalistas revolucionários do mundo.

Por outro lado, para Negre, a união e a formação ideológica do proletariado foi fundamental. E isto não poderia ser realizado exclusivamente nos sindicatos, mas no desenvolvimento de entidades independentes que serviriam para administrar debates profundos entre os trabalhadores. O Ateneu Sindicalista, a entidade básica para estes debates, foi desenvolvido em Barcelona em 1909 por causa de seu impulso. Um modelo de organização que foi repetido em outros lugares como Madrid, Gijón e Ferrol, e que foi a base embrionária para o desenvolvimento da CNT nessas áreas.

Além disso, Negre pertencia àquela geração de sindicalistas e anarquistas que acreditavam na organização puramente operária, tentando afastar os trabalhadores de modelos individualistas ou minoritários baseados na violência que não produziam nenhum resultado.

Negre foi representante dos trabalhadores em muitos congressos posteriores, bem como participante da fundação de entidades como o Ateneo Sindicalista de Baracaldo. Ele também participou como representante espanhol em congressos sindicalistas internacionais. Ele teve uma participação ativa na clandestinidade entre 1911 e 1914, e mais tarde esteve envolvido na redação do Solidaridad Obrera.

Entretanto, apesar da enorme influência de Negre nesses anos, de participar ativamente na criação de seções como as do setor ferroviário ou de visitar a prisão várias vezes por causa de sua atividade sindical, durante os anos da crise da Restauração ele se afastou da linha de frente. Seus debates com sindicalistas como Salvador Seguí ou Manuel Buenacasa o ofuscaram.

Se teve que esperar até 1936 para ver Negre ativo novamente, embora ele nunca tenha abandonado a causa sindicalista. Dos anos da crise da Restauração, sua pequena obra O que é o sindicalismo? destacou-se, embora seus textos mais representativos tenham sido Memórias de um Velho Militante publicado em 1936 e O que é o Coletivismo Anarquista? de 1937.

A chegada das tropas de Franco na Catalunha o levou a fugir, sendo já idoso, para a fronteira francesa. Na França ele foi confinado a um campo de concentração e morreu em dezembro de 1939 no campo de Argelès-sur-Mer. Um triste fim para um dos expoentes mais importantes do trabalhismo, pouco conhecido hoje em dia.

Fonte: https://elobrero.es/component/k2/58189-jose-negre-el-primer-secretario-de-la-cnt.html

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Na tarde sem sol
folhas secas projetando
sombras em minh’alma.

Teruko Oda

Leave a Reply