[Reino Unido] História: Bolcheviques disparando contra anarquistas

A seguir, carta de Emma Goldman e Alexander Berkman sobre a perseguição de anarquistas sob o domínio bolchevique na Rússia Soviética.

Acabamos de receber a seguinte carta dos nossos camaradas Emma Goldman e Alexander Berkman, que agora estão presos em Estocolmo. Esta carta dá-nos a verdade sobre a terrível perseguição dos anarquistas na Rússia. Pedimos a todos os jornais anarquistas e sindicalistas para republicar esta carta e esperamos que os camaradas neste país nos ajudem a impulsionar a venda desta edição, da qual imprimimos um número muito maior do que o habitual.

Caros camaradas, — A perseguição aos elementos revolucionários na Rússia não diminuiu com as alterações das medidas políticas e econômicas dos Bolcheviques. Pelo contrário, tornou-se mais intensa, mais determinada. As prisões da Rússia, da Ucrânia, da Sibéria, estão cheias de homens e mulheres — sim, nalguns casos com meros filhos — que se atrevem a ter opiniões que diferem das do Partido Comunista dominante. Nós dizemos “manter pontos de vista” deliberadamente. Pois na Rússia de hoje não é de todo necessário expressar a sua dissensão em palavra ou ato para se tornar sujeito à prisão; a mera conservação de pontos de vista opostos faz de uma pessoa a presa legítima do poder supremo de fato da terra, a Tcheka, aquele todo-poderoso bolchevique Okhrana, cuja vontade não conhece lei nem responsabilidade.

Mas de todos os elementos revolucionários na Rússia são os anarquistas que agora sofrem a perseguição mais cruel e sistemática. A sua supressão pelos bolcheviques começou já em 1918, quando — no mês de abril daquele ano — o Governo Comunista atacou, sem provocação ou aviso, o Clube Anarquista de Moscou e com o uso de metralhadoras e artilharia “liquidou” toda a organização. Foi o início da perseguição às e aos anarquistas, mas era de caráter esporádico, irrompendo de vez em quando, bastante pouco planejada, e muitas vezes auto-contraditória. Assim, as publicações anarquistas ora eram permitidas, ora eram suprimidas; Anarquistas presos aqui apenas para serem libertados acolá; às vezes baleados e depois novamente importunados para aceitar posições mais responsáveis. Mas esta situação caótica foi encerrada pelo Décimo Congresso do Partido Comunista Russo, em abril de 1921, no qual Lenin declarou guerra aberta e impiedosa não só contra os anarquistas, mas contra “todas as tendências anarquistas e anarco-sindicalistas pequeno-burguesas” onde quer que se encontrem. Foi então e ali que começou o extermínio sistemático, organizado e implacável dos e das anarquistas na Rússia governada pelos bolcheviques. No mesmo dia do discurso de Lenin, dezenas de anarquistas, anarco-sindicalistas e seus simpatizantes foram presos em Moscou e Petrogrado, e no dia seguinte, detenções em massa dos nossos camaradas ocorreram em todo o país. Desde então, a perseguição continuou com a violência crescente, e tornou-se bastante evidente que quanto maiores os compromissos que o regime comunista faz com o mundo capitalista, mais intensa é a perseguição ao anarquismo.

Tornou-se a política assente do Governo bolchevique mascarar o seu procedimento bárbaro contra os nossos camaradas pela acusação uniforme do banditismo. Esta acusação agora é feita praticamente contra todos os anarquistas presos, e frequentemente até contra meros simpatizantes com o nosso movimento. Um método muito conveniente, pois por ele qualquer um pode ser secretamente executado pela Tcheka, sem audição, julgamento ou investigação.

A guerra de Lenin contra tendências anarquistas assumiu a forma mais revoltante de extermínio. Em setembro passado, numerosos camaradas foram presos em Moscou, e no dia 30 desse mês os Izvestia publicaram a declaração oficial de que dez dos anarquistas presos haviam sido baleados “como bandidos”. Nenhum deles tinha recebido um julgamento ou mesmo uma audiência, nem era permitido serem representados por advogados ou serem visitados por amigos ou parentes. Entre os executados estavam dois dos anarquistas russos mais conhecidos, cujo idealismo e devoção ao longo da vida à causa da humanidade havia resistido ao teste de masmorras czaristas e exílio, e perseguição e sofrimento em vários outros países. Eles eram Fanny Baron, que havia escapado da prisão em Ryazan vários meses antes, e Lev Tchorny, o popular palestrante e escritor, que havia passado muitos anos de sua vida no katorga siberiano pelas suas atividades revolucionárias sob os czares. Os bolcheviques não tiveram a coragem de dizer que tinham disparado sobre Lev Tchorny; na lista dos executados ele apareceu como “Turchaninoff”, que — embora seu nome verdadeiro — era desconhecido até mesmo para alguns dos seus amigos mais próximos.

A política de extermínio continua. Há várias semanas atrás, mais prisões de anarquistas ocorreram em Moscou. Desta vez foram os anarquistas universalistas que foram as vítimas — o grupo que até os bolcheviques sempre consideraram mais amigáveis para si mesmos. Entre os presos também estavam Askaroff, Shapiro, [Não o nosso camarada de Londres, A. Shapiro, de Golos Truda] e Stitzenko, membros da Secretaria da seção de Moscou dos Universalistas, e bem conhecidos em toda a Rússia. Estas prisões, ultrajantes como eram, foram inicialmente consideradas pelos camaradas como devidas à ação não autorizada de algum agente tchekista excessivamente zeloso. Mas desde então a informação foi recebida de que nossos camaradas universalistas são oficialmente acusados de serem bandidos, falsificadores, Makhnovistas e membros do “grupo subterrâneo Lev Tchorny”. O que tal acusação significa é conhecido apenas muito bem para aqueles familiarizados com os métodos bolcheviques. Significa razstrel, execução por tiro, sem audição ou aviso.

O demoníaco no propósito dessas prisões e acusações está quase além do imaginável. Ao acusar Askaroff, Shapiro, Stitzenko e outros de “participação no grupo subterrâneo Lev Tchorny”, os bolcheviques procuram justificar o seu assassinato sujo de Lev Tchorny, Fanny Baron, e os outros camaradas executados em setembro; e, por outro lado, criar um pretexto conveniente para fuzilar mais Anarquistas. Podemos garantir aos leitores sem reservas e absolutamente que não havia nenhum grupo subterrâneo de Lev Tchorny. A alegação do contrário é uma mentira atroz, uma das muitas semelhantes espalhadas pelos bolcheviques contra os anarquistas com impunidade.

Já é tempo de o movimento revolucionário dos trabalhadores do mundo tomar conhecimento do regime de sangue e assassinato praticado pelo governo bolchevique sobre todos os dissidentes políticos. E é para os anarquistas e anarco-sindicalistas, em particular, imperativo tomar medidas imediatas para pôr fim a tal barbárie asiática, e salvar, se ainda possível, os nossos camaradas presos em Moscou ameaçados de morte. Alguns dos anarquistas presos estão prestes a declarar uma greve de fome até a morte, como seu único meio de protesto contra a tentativa bolchevique de indignar a memória do martirizado Lev Tchorny depois de o terem sujamente torturado até à morte. Eles exigem o apoio moral dos seus camaradas em geral. Eles têm o direito de exigir isso e muito mais. O seu sublime sacrifício próprio, a sua devoção ao longo da vida à grande causa, a sua firmeza inabalável, tudo lhes dá direito a isso. Camaradas, amigos, em todos os lugares! É para vocês ajudarem a reivindicar a memória de Lev Tchorny e, ao mesmo tempo, salvar as vidas preciosas de Askaroff, Shapiro, Stitzenko e outros. Não demoremos ou poderá ser tarde demais. Exijamos do governo bolchevique os supostos documentos de Lev Tchorny que eles fingem ter, que “envolvem Askaroff, etc., no grupo Lev Tchorny de bandidos e falsificadores.” Tais documentos não existem, a menos que sejam falsificações. Desafiemos os bolcheviques a produzi-los, e deixemos a voz de todo o revolucionário honesto e ser humano decente ser levantada em protesto mundial contra a continuação do sistema bolchevique de assassinato sujo dos seus opositores políticos. Apressemo-nos, pois o sangue dos nossos camaradas está a fluir na Rússia.

Alexander Berkman

Emma Goldman

Estocolmo, 7 de janeiro de 1922

[Nota de rodapé histórica: Em setembro de 1921, a Tcheka alvejou o poeta anarquista, Lev Chernyi, e Fanya Baron. Chernyi tinha estado ativo na Guarda Negra de Moscou e era membro dos anarquistas subterrâneos, o grupo responsável pelo bombardeio da rua Leontiev na sede comunista de Moscou em 1919, mas ele pessoalmente não tinha desempenhado nenhum papel no incidente. O registro de Fanya Baron como uma anarquista ‘ideológico’ estava imaculado de terrorismo de qualquer tipo.” Paul Avrich, Os anarquistas russos, p232-233]

Imagem: Lev Chernyi

Fonte: https://freedomnews.org.uk/history-bolsheviks-shooting-anarchists/

Tradução > Ananás

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/05/07/espanha-assim-os-comunistas-assassinaram-12-anarquistas-em-barcelona/

agência de notícias anarquistas-ana

estou meio tonto
descobri, ontem, dormindo
que morre-se e pronto

Bith

Leave a Reply