[Itália] Adeus Luca

Luca Villoresi entrou pela primeira vez nos escritórios da Via dei Taurini 27, o escritório editorial de Umanità Nova, nosso semanário, no inverno de 1968/69. Ele nos deixou há alguns dias, na primavera de 2021.

Desde o início de sua militância, nesses anos intensos, Luca se distinguiu por seus traços característicos, que ele sempre manteve ao longo de sua vida: seriedade, capacidade analítica e lúdica.

Sua seriedade e confiabilidade foram imediatamente apreciadas por seus camaradas históricos do Grupo “Bakunin”, veteranos da Resistência, da Guerra Espanhola e dos campos de concentração.

Suas habilidades dialéticas e analíticas o levaram a desempenhar um papel de liderança naqueles anos na Federação Anarquista de Roma através do Collettivo Studentesco Libertario e da Organização Anarquista Romana. Luca, que está envolto na contrainformação militante e na redação do Umanità Nova, em todo este caminho foi um ponto de referência. O fato de ele ser muito alto o levou a ser facilmente identificável em situações de conflito: ele pagou mesmo com a cadeia essa visibilidade.

Sua simpatia o levou a ter boas relações com todos, independentemente das diferentes posições políticas, conseguindo manter boas relações pessoais que ele transformou politicamente na valorização do respeito mútuo, da dignidade das pessoas e da possibilidade de colaboração entre camaradas que pensavam de maneira diferente.

Luca conseguiu sua carteira de jornalista com Umanità Nova e em nome de nosso jornal foi muito ativo na campanha de contra-investigação do massacre da Piazza Fontana e no julgamento de Giovanni Marini.

Ele tinha então entrado na redação da Repubblica e, apesar de seu novo papel, sempre manteve relações com os camaradas e o movimento anarquista. Mesmo como jornalista, manteve suas posições: acabou preso novamente por relatar as torturas sofridas pelos militantes da BR durante o sequestro de Dozier e se recusou a revelar as fontes de suas informações. Na segunda metade dos anos 80, ele participou da tentativa de relançamento do Grupo Bakunin em nossa sede na Via Vettor Fausto 3, em Garbatella.

Ele estava sempre presente e disponível com os camaradas. Ele contou como protagonista, os camaradas mais jovens, a situação e as histórias dos militantes daqueles anos. Ele participou de muitas de nossas iniciativas, em 12 de dezembro, da morte de Pinelli, sobre os “5 anarquistas do sul”.

A última iniciativa que organizamos com ele foi, em 12 de dezembro de 2018, uma conferência sua no aniversário do massacre da Piazza Fontana. Sua morte foi um soco no estômago, nos pegou de surpresa. Ele estava doente, mas nós o tínhamos ouvido ao telefone alguns dias atrás e ele não tinha nenhuma impressão do mal que carregava dentro de si.

Tínhamos estado em contato para organizar um encontro em vídeo com os camaradas da BFS, o tema era a figura de Attilio Paratore, sobrevivente dos campos de concentração nazistas, editor histórico do UN na época da redação romana nos anos 70 e militante do grupo Bakunin. Luca, como sempre, tinha estado disposto a colocar sua memória à disposição do movimento. Não houve tempo: morreu repentinamente, enquanto fazia compras, em 2 de abril.

Hoje os anarquistas do Grupo Bakunin lamentam a morte de um de seus próprios. Apresentamos nossas condolências a sua esposa Patrizia, seus filhos Giulia e Fabrizio.

Adeus, que a terra que você tanto amou quanto cultivou lhe seja leve.

Grupo Anarquista Bakunin – FAI Roma e Lazio

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

vejo as flores
coloridas e lindas
brilham meus olhos

Thiphany Satomy

Leave a Reply