[Espanha] Emma Goldman e a Revolução (russa)

Por Laura Vicente | 09/04/2021

No início da década de 1920, a esquerda na Europa e nos Estados Unidos apoiou a Revolução Russa. No entanto, Emma Goldman decidiu não ficar calada e denunciou o totalitarismo e a burocratização que haviam ocorrido com Lênin à frente do Partido Bolchevique.

Uma leitura do trabalho de Emma Goldman mostra a relevância para ela da luta pela autonomia pessoal na qual ela embarcou desde a adolescência. Em sua compreensão do anarquismo, ela sempre deu grande valor ao componente existencial, ou “emancipação interna”, que tinha que interagir com a mudança social.

A chave da autonomia era que ela tomasse em suas próprias mãos cada detalhe de sua existência, por menor que fosse, “porque o pequeno é também o domínio do poder” (Conselho noturno: Uma morada mais forte que a metrópole, p. 81). O objetivo que foi estabelecido era que o fazer deveria sempre permanecer autônomo em relação a qualquer forma de poder e formar um “nós” que ressoasse quando dissesse “eu”. Assim, a autonomia significava constituir um modo de vida. Sua posição crítica com relação às duas revoluções que teve a oportunidade de experimentar não foi exceção: a Revolução Russa (1917), na qual vamos nos concentrar, e a Revolução na Espanha (1936).

Sua chegada à Rússia e suas primeiras dúvidas

Emma Goldman foi descrita pelo FBI como “a mulher mais perigosa da América”; seu pecado para merecer este rótulo foram suas palestras, comícios, conferências, escritos e sua dedicação à luta que causou suas constantes proibições, prisões e prisões nos Estados Unidos.

Duas campanhas, especialmente a segunda, foram consideradas perigosas para o governo americano: a primeira foi a favor do controle de natalidade com informações sobre métodos contraceptivos e a segunda, contra a intervenção dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial, defendendo posições claramente antimilitaristas. Esta segunda campanha e as ações realizadas levaram à suspensão da liberdade de expressão oral e escrita em todo o país. Em seu caso, ela foi detida, julgada e presa por dois anos entre 1917 e 1919.

Quando ela foi libertada da prisão, descobriu que estava destruído tudo o que tinha construído lentamente ao longo dos anos junto com um pequeno grupo de anarquistas, incluindo Alexander Berkman (seu parceiro de vida, apenas brevemente seu marido). Mas isso não foi tudo, pois um processo de expulsão do país e perda da cidadania por motivos políticos foi iniciado contra ela, Berkman, e centenas de homens e mulheres que haviam se mobilizado contra a guerra.

Quando foi deportada para a Rússia, seu país de origem, dos Estados Unidos em dezembro de 1919, Goldman chegou entusiasmada e determinada a colaborar com a Revolução. Sua ânsia era tão grande que ela adotou uma posição de extrema cautela ao julgar o que viu: “Devo esperar”. Devo estudar a situação. Devo conhecer os fatos. Acima de tudo, devo ter a oportunidade de ver o bolchevismo em ação por mim mesmo” (Emma Goldman: Minha desilusão na Rússia, Barcelona).

Na verdade, ela procurou ter sua própria ideia da Revolução coletando informações e conversando com trabalhadores, camponeses e mulheres nos mercados. Suas dúvidas estavam relacionadas à preocupação e desconfiança geradas pelo destaque do Partido Bolchevique e pela personalidade de seu líder, Vladimir I. Lênin.

Ela aprendeu rapidamente a diferenciar entre Bolcheviques e Revolução. Percebeu que os dois eram opostos e antagônicos em seu objetivo e propósito e que os bolcheviques eram os coveiros da Revolução. Em junho/julho de 1920 ela já havia tirado as principais conclusões sobre o caráter da Revolução Bolchevique. O próprio Kropotkin, nas duas entrevistas que teve com Goldman (especialmente na segunda, em julho de 1920), transmitiu-lhe sua percepção de que a Revolução inicial trouxe o povo a alturas espirituais e profundas transformações sociais, mas o bolchevismo com sua política de opressão, perseguição e assédio tinha causado o seu fracasso.

Sua impressão de Lênin era negativa, ela percebeu um líder cuja abordagem ao povo era meramente utilitária, dependendo do uso que ele pudesse fazer deles para seu projeto. A liberdade de expressão e de imprensa, que Goldman sempre defendeu, não significava nada para ele.

Críticas e concepção da Revolução

Goldman e Kropotkin estavam cientes de que o anarquismo russo não havia conseguido dar respostas na fase construtiva da Revolução e propor a reorganização da vida em uma base libertária. Eles sabiam que a Revolução Bolchevique não era anarquista, pois tinha que provocar uma transformação existencial que era impossível de ser realizada após “séculos de despotismo e submissão”. Entretanto, o que ela conheceu da Revolução a desiludiu profundamente, pois observou a pouca relevância que o bolchevismo deu ao componente vital, algo tão importante para o anarquismo que renunciar a ele foi renunciar à forma como ele entendia a revolução.

O pensamento de Emma Goldman era global, já que todos os aspectos eram elementos que formavam um todo no qual havia uma fusão entre opções políticas e opções de vida. O anarquismo para ela era “uma forma de ser”, uma experiência vital, um compromisso existencial e ético, em vez de uma doutrina cuidadosamente acabada.

Não é surpreendente, portanto, que, embora ela se diferenciasse nitidamente do programa econômico, político, social e cultural que está sendo desenvolvido pelo bolchevismo, Goldman insistiu nos aspectos humanos. Para ela, a grande missão da revolução foi uma transferência fundamental de valores. Uma transferência de valores sociais e humanos, considerando estes últimos como os mais importantes, já que constituíram a base de todos os valores sociais. Se as condições econômicas ou políticas fossem alteradas, mas as ideias e valores subjacentes fossem deixados intactos, a transformação seria superficial, não substancial. Os valores que implicaram uma mudança profunda foram o “senso de justiça, o amor à liberdade e à fraternidade entre os humanos, (….) a santidade da vida”.

Para Goldman, os novos valores, que deveriam ser a chave da Revolução, deveriam transformar as relações básicas entre os seres humanos e entre os seres humanos e a sociedade. Ela acreditava em um novo conceito de vida que poderia regenerar a mente e o espírito. O objetivo era estabelecer a importância da vida, a dignidade dos seres humanos e seu direito à liberdade e ao bem-estar. É desnecessário dizer, pois sua liberdade era um dos valores humanos fundamentais para vetar a tirania e a centralização do poder.

A Revolução tinha que ser o resultado do gênio criativo do povo, ela tinha plena confiança na espontaneidade e na cooperação, que “o interesse comum é a máxima de todo esforço revolucionário”. Enquanto o estado bolchevique era institucional e estático: ” (….) a natureza da revolução é, ao contrário, crescer, ampliar e expandir-se em círculos cada vez mais amplos (…); a revolução é fluida, dinâmica”.

As críticas de Goldman à Revolução Bolchevique foram diversas: a manutenção do Estado, o que para ela significou a derrota da Revolução, o foco excessivo no aspecto econômico, a repressão da criatividade e autonomia do povo em quem ela confiava plenamente, a repressão das opiniões pelas quais ela havia pago com prisão nos Estados Unidos e muitos outros aspectos.

Mas se algo pervertia todos os valores éticos fundamentais de sua concepção revolucionária, era o slogan que o fim justificava os meios. A experiência ensinou que os meios e métodos não podiam ser separados do objetivo final e que este último tinha que ser construído com o mesmo material que a vida que se persegue: “despojar os próprios métodos de seu componente ético equivale a mergulhar nas profundezas do amoralismo mais absoluto”.

Por trás deste slogan vieram mentiras, engano, hipocrisia, traição e assassinato.

Ela perguntou a si mesma a partir da dor causada pela violência: “Se a Revolução realmente tinha que se alinhar com tal brutalidade e crimes, qual era o propósito da Revolução? E não foi que ela partiu da inocência que a revolução não implicou em violência, mas teve que ter limites muito precisos que os bolcheviques não estavam respeitando:

“Nunca neguei que a violência é inevitável, e não vou dizer o contrário agora. Mas uma coisa é usar a violência em combate como um meio de defesa. É muito diferente fazer do terrorismo um princípio, institucionalizá-lo, dar-lhe a posição mais importante na luta social. Este terrorismo engendra a contrarrevolução e, com o tempo, torna-se contrarrevolucionário por si só”.

A violência, um fator inevitável na turbulência revolucionária, tornou-se na Rússia um hábito estabelecido, um hábito que era insuportável para ela.

Naturalmente, para o Partido Bolchevique qualquer sugestão sobre o valor da vida humana ou a importância da integridade revolucionária foi repudiada como “sentimentalismo burguês”. Em resumo, Emma Goldman percebeu que para o bolchevismo tudo era legítimo se servia à sua abordagem da Revolução, qualquer outra política era acusada de ser fraca, sentimental e traiçoeira à Revolução. Eles eram verdadeiros “puritanos sociais”, no sentido de que acreditavam que somente eles eram os escolhidos para salvar a humanidade.

Para este puritanismo bolchevique, a ênfase de Goldman de que não havia fóruns de debate, nem clubes, nem locais de reunião, nem restaurantes, nem mesmo salões de dança, deve ter sido escandalosamente perigosa. Quando ela contou a um amigo bolchevique (Zorin), ele respondeu: “Os salões de dança são locais de encontro de contrarrevolucionários. Nós os fechamos”. Foi provavelmente daqui que surgiu a frase frequentemente repetida de Goldman: “Se eu não posso dançar, não estou interessada na sua revolução”. A dança era um sintoma de uma vida cheia de alegria e vitalidade, enquanto que ela via a vida que o bolchevismo promovia como uma vida dura e intimidadora, uma vida sem cor ou calor, uma vida de repressão.

Kropotkin e Goldman decidiram em 1920 não denunciar a perversão totalitária da Revolução Russa; as razões: o assédio da Rússia pelos Aliados, mas também a inexistência de qualquer meio de expressão dentro do país. Kropotkin morreu em 8 de fevereiro de 1921 e manteve este silêncio. Goldman achou insuportável permanecer na Rússia: “Senti a obrigação de falar, por isso decidi deixar o país”. Em 1º de dezembro de 1921 ela deixou a Rússia na companhia de Alexander Berkman e Alexander Shapiro, com a ideia de denunciar os crimes cometidos em nome da Revolução. “Eu deveria me fazer ouvir sem ter em conta amigo ou inimigo”, escreveu ela em Minha Desilusão na Rússia, publicado em 1923.

Sobre a autora:

Laura Vicente é doutora em História pela Universidade de Zaragoza e professora do ensino médio. Seus livros incluem “Historia del anarquismo en España”. Utopía y realidad (Catarata, 2013), Mujeres libertarias de Zaragoza. El feminismo anarquista en la transición (Calumnia, 2017) e seu título mais recente, La revolución de las palabras. La revista Mujeres Libres (Comares, 2020).

Fonte: https://www.elsaltodiario.com/el-rumor-de-las-multitudes/emma-goldman-revolucion-rusa

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Girando em cores
Sobe a bolha de sabão
– Gritos também sobem.

Mary Leiko Fukai Terada

Leave a Reply