[Chile] Contra o oportunismo eleitoral e constituinte, luta de rua e mobilização social

48 anos após o golpe fascista e quase 2 anos após a revolta popular de outubro, nos mantemos firmes contra o esquecimento e contra o oportunismo constituinte e eleitoral que se apresentam como as “alternativas” de mudança e avanço do povo.

Em 18 de outubro de 2019, o povo tomou as ruas com um radicalismo não visto desde a resistência contra a ditadura, com demandas que iam além de reformas ou migalhas e com uma clara rejeição de todas as institucionalidades e partidos. A luta é finalmente capitalizada e suspensa pelas urnas e pelos pactos que, além dos assassinatos e dos presos políticos, mostram o processo para uma “nova constituição” e a convenção constituinte como as grandes conquistas da mobilização social.

Enquanto nos salões constituintes da ordem democrática burguesa as novas leis repressivas contra o povo estão sendo discutidas e nas cúpulas partidárias a disputa pela cadeira presidencial está em andamento, continua a disparar em plena pandemia o aumento do custo de vida que é justificado pelos bônus e migalhas que o Estado está concedendo.

As conclusões são claras: não ganhamos absolutamente nada, eles aumentaram tudo e assim seguiremos enquanto continuarmos confiando nosso futuro nas institucionalidades e nos partidos.

A esquerda e a direita que juntas salvaram Piñera nada mais são do que a continuação da política corrupta que tem governado nos últimos 30 anos e são eles que boicotaram e diluíram toda luta revolucionária do povo, o que claramente as exclui.

A luta popular por uma vida digna deve ir além das farsas constituintes e das disputas oportunistas entre esquerda e direita. Esta deve basear-se na autonomia revolucionária, na luta de rua e de classe e na mobilização social como alternativa para avançar e superar o capitalismo e sua contínua precariedade.

O legado histórico da auto-organização dos trabalhadores durante a UP [Unidade Popular], o da autodefesa proletária na resistência contra a ditadura nos anos 80 e o do assembleísmo territorial de 2019 são os caminhos que devemos estudar e tomar para conquistar a verdadeira dignidade.

CONTRA O OPORTUNISMO ELEITORAL E CONSTITUINTE.

LUTA DE RUA E MOBILIZAÇÃO SOCIAL.

CLAUDIA LOPEZ BENAIGUES E ANDRES SOTO PANTOJA PRESENTES NAS FORÇAS DA LUTA DE RUA E ANTICAPITALISTA.

Grupo de Propaganda Revolucionária – La Ruptura.

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/09/02/chile-jornada-comemorativa-em-santiago-23o-aniversario-da-morte-da-companheira-claudia-lopez/

agência de notícias anarquistas-ana

Sobre a folha seca
as formigas atravessam
uma poça d’água

Eunice Arruda

Leave a Reply