[EUA] Reportagem do May Day Festival em Olympia, WA

Relatório de Maio do Festival em Olympia, Washington. Originalmente postado em Puget Sound Anarchists.

A luta anarquista ocorre em muitos terrenos diferentes – físico, (anti)econômico, (anti)político, etc. – mas o mais esquecido é o social. O terreno social – as maneiras pelas quais nos relacionamos com nós mesmos e uns com os outros e com estranhos. É nesse terreno que diferentes hierarquias – raciais, nacionais, de gênero, deficientes etc. – são reforçadas ou quebradas, dando espaço para o florescimento de novas relações. O terreno social é o terreno de nossa vida cotidiana e a base da reprodução das relações sociais.

Começo com isso para contextualizar este relatório – muitas vezes reservado para manifestações e ataques – e por que acho que o festival Anarchist May Day foi importante. Não é segredo que anarquistas em todo o país, mas talvez especialmente no PNW, estão passando por um momento difícil – entre a (necessária) decomposição do movimento pós-revolta, isolamento do COVID, aluguel mais alto, mais trabalho e trabalho mais perigoso devido ao COVID. Tem sido difícil fazer qualquer coisa além de apenas sobreviver – e apenas mal conseguindo, estamos muito ocupados para estar na vida um do outro, para analisar nossas condições, para atacar. É por isso que acho que este festival foi tão importante para Olympia porque – aos meus olhos – constituiu um ataque não insignificante ao isolamento e à alienação que tomou conta de muitos de nós.

Um dia antes do evento acontecer, o evento foi notado por uma personalidade da mídia de direita em particular que havia inspirado vários tiroteios em massa, e dois streamers de direita que estavam na cidade com o “Freedom Comvoy” declararam publicamente sua intenção de interromper o evento. Isso foi obviamente alarmante e as pessoas vieram para falar sobre as opções sobre o evento. “Segurança”, acessibilidade e a necessidade de poder realizar eventos públicos foram ponderados juntos. Digo “segurança” entre aspas porque, como anarquistas, temos inimigos e nossos inimigos levam o que fazemos a sério – enquanto estamos acostumados a planejar para a polícia, também temos que planejar ativamente a ruptura da extrema-direita. Esta é uma luta de três vias afinal. As pessoas decidiram continuar com o evento como planejado – não havia informações suficientes sobre os planos e a capacidade dos direitistas e não poderíamos ficar assustados aos olhos do público pela simples ameaça de interrupção, porque se perdermos a capacidade de fazermos eventos públicos só ficaremos menores e mais fracos. Com isso em mente, as pessoas fizeram planos diferentes para diferentes cenários e vieram preparadas com suprimentos médicos.

Chegou o dia do evento e nem um único nacionalista apareceu! Até a presença da polícia era surpreendentemente pequena e fora do caminho. O que muitas pessoas temiam que seria um show de merda acabou sendo um dia incrivelmente rejuvenescedor. Cerca de 50 pessoas passaram, o que é mais do que eu vi aparecer em Olympia desde 2020! As crianças do parque de skate local vieram e saíram um pouco, e algumas pessoas aleatórias que estavam no parque e morando nos apartamentos atrás dele vieram e conversaram por um tempo também. Não foi apenas uma união de “nós”, mas também um ato importante de aparecer na vida dos outros também.

Alimentos e assados ​​foram compartilhados, distribuições vieram com zines, livros, adesivos, marcadores, maconha, hormônios e outros produtos, as pessoas trouxeram mudas de plantas e roupas grátis. Conectando-nos à nossa história de luta foi um alter para anarquistas caídos e outros mortos pelo Estado, e uma pinata do tribunal federal de Seattle que foi esmagada em 2012 foi feita (e cheia de doces, preservativos, fósforos e outras coisas) e esmagado para comemorar o aniversário de 10 anos do esmagamento e sobrevivendo à repressão e ao grande júri que se seguiram.

Foi um enorme sucesso e depois de dois anos exaustivos e isolados em particular, uma lufada de ar fresco e – se quisermos o suficiente – um sinal da primavera e do verão que estão por vir. Esses momentos de união são cruciais para lembrar que não somos soldados cujo dever é a revolução, mas pessoas tentando viver nossas vidas e é no dia a dia convivendo e interagindo uns com os outros que a maior parte de qualquer atividade revolucionária é construída. Mas para que qualquer coisa seja construída, precisamos criar o tempo e o espaço para estarmos uns com os outros, para ver e conversar uns com os outros, para tramar, esquematizar e planejar juntos. O primeiro passo é sempre “encontrar um ao outro”, e essa descoberta – essa busca – é um processo contínuo.

Que mil novas amizades e cumplicidades floresçam na primavera da anarquia!

Viva a anarquia! Viva o dia de maio!

Fonte: https://itsgoingdown.org/reportback-from-may-day-festival-in-olympia-wa/

Tradução > GTR@Leibowitz__

agência de notícias anarquistas-ana

Fiapos nos dentes
o rosto todo amarelo
É tempo de manga

Eunice Arruda

Leave a Reply