[Grécia] Vídeo do mural realizado em memória de Alexandros Grigoropoulos em Exarchia

Já se passaram quase 14 anos desde aquela noite de 6 de dezembro e o assassinato do estudante Alexandros Grigoropoulos, de 15 anos, pela polícia no “coração” de Exarchia. 14 anos e ainda assim você sente o mesmo aperto no coração toda vez que passa pela cena do assassinato. 14 anos e ainda assim você se lembra exatamente onde estava e o que fez no exato momento em que soube do assassinato. 14 anos e ainda não dissemos a última palavra. Porque não foi um acidente, foi a essência do Estado.

No sábado, 11 de junho de 2022, foi criado um mural em memória de Alexis pelo coletivo “Political Stencil” na rua Tzavella, apesar das tentativas, principalmente das forças policiais motorizadas, de criar um clima de terrorismo.

Como a Iniciativa anarquista contra os assassinatos do Estado escreve:

A memória revolucionária não é uma carta em branco. Não se trata de um assunto de museu. Não é um ritual seco que se esgota nas recidivas dos aniversários. A memória revolucionária é o fio que liga o passado ao presente e lança as bases para um futuro que fará justiça àqueles que se sacrificaram por um mundo diferente. Um mundo onde ninguém vê o céu através do arame farpado, onde o corpo de ninguém é esmagado nas oficinas de exploração de classe, onde ninguém é assassinado nas fronteiras terrestres e marítimas, nas delegacias de polícia, nos guetos urbanos da metrópole. A memória revolucionária reúne aqueles que estão desaparecidos do nosso lado, tornando-os cúmplices dos nossos projetos e sonhos subversivos. A memória revolucionária, se lhe dermos o valor que merece, torna-se um projeto subversivo, um trampolim para a luta, uma fonte de inspiração e de prontidão na bela causa da liberdade. Porque serão palavras que formarão um quadro conceitual diferente do que é hoje pronunciado por políticos, economistas, analistas militares, industriais, os golden boys da bolsa de valores, jornalistas. Ou serão palavras armadas prontas para se tornarem uma energia impulsiva. Ou não serão nada.

As metrópoles são as modernas máquinas a vapor, as fábricas universais do capitalismo. As oficinas transparentes onde o domínio, controle e repressão do capital sobre as contradições explosivas que este produz são absolutamente institucionalizadas.

Os crimes do Estado e do capitalismo dentro das metrópoles tornam-se incidentes isolados. São registrados em narrativas fragmentárias pela ideologia burguesa que impõe a sua hegemonia. A nossa própria memória, que deveria realçá-los e transformá-los em consciência social, em percepção do nosso papel e posição, está constantemente ausente. Quando não está, está desfocada, incolor, inexistente, vazia de conteúdo. A censura fascista foi aqui substituída, por enquanto, por uma nova forma de censura ativa. A produção de um conhecimento incessantemente distorcido, a inversão metódica dos fatos, a sua substituição insidiosa. É o revisionismo que ataca as consciências, as memórias, a própria história das lutas.

A memória do poder ergue-se imponente à nossa volta para nos lembrar quem são os nossos “benfeitores” e “salvadores”. Estátuas, nomes de ruas, inscrições, monumentos, os responsáveis por todo o sangue derramado pelo povo nos séculos passados dominam todas as partes da metrópole. As coisas são simples: o controle da memória é a produção de uma guerra de sinais ideológicos, é uma guerra de classes, é o assassinato da nossa própria memória. Memória da subversão, memória da classe, memória da revolução.

A memória criada pela burguesia é uma memória aprisionada nas repetições do presente, é uma memória que é deliberadamente apresentada como coletiva mas determinada pela classe. É uma memória que codifica todos os comportamentos impostos e depois os impõe através da guerra de informação dos agentes de propaganda dominantes. É a memória que usa outra corrente, desta vez semiótica-ideológica, nos seus pés. É a memória do seu mundo feio e triste.

Os monumentos dos nossos próprios mortos são os nossos próprios símbolos que codificam períodos históricos de luta não arrependida, sacrifícios revolucionários, esperanças, desilusões e visões humanas. Vitórias e derrotas de um mundo que se apresenta sob a bandeira da luta para recuperar a sua vida. O seu cuidado, a sua proteção, a sua promoção é o dever político de guardar a nossa história. Mas é também muito mais do que isso, recuperar a sua existência territorial-material é uma guerra pela nossa memória e identidade. Uma guerra contra a alienação, degeneração, resignação, todas as características da memória criada pelo poder.

A decisão de restaurar o monumento ao estudante anarquista Alexandros Grigoropoulos é um passo decisivo nesta direção. Numa altura em que a rua pedestre de Messolonghi está a ser alvo de construção e capital turística, com a construção de apartamentos de luxo que ameaçam tanto o caráter militante da zona como a própria existência do monumento. O lugar que condensou espacialmente o ponto de partida da insurreição de Dezembro, a primeira insurreição que coincidiu com o início da crise capitalista em solo europeu, está abertamente ameaçado pelos apetites vorazes do capital.

Em um momento em que o governo da Nea Dimokratia (Nova Democracia) está tentando transformar Exarchia em uma área turística alternativa de entretenimento-consumidor, arrancando tudo que seja radical.

Numa época em que Exarchia é um campo de concentração para projetos de investimento mais amplos (metrô na praça Exarchia, reordenamento da colina Strefi, etc.) que, além de todos os fatores econômicos, é o último ataque frontal à história militante desta vizinhança.

Em um período desconhecido para os movimentos, é imperativo que lutemos com todas as nossas forças contra o esquecimento. O monumento do estudante anarquista Alexandros Grigoropoulos é um marco da luta contra os assassinatos do Estado e temos a responsabilidade de restaurá-lo contra o esforço sistemático de gentrificação da área que o ameaça. Assumimos a responsabilidade pela reconstrução do monumento e convocamos o povo da luta a apoiar os eventos comemorativos de 4 a 11 de junho na rua para pedestres de Mesolonghi. Esta é uma medida que está totalmente de acordo com os objetivos do movimento e a defesa de nossa memória e identidade.

P.S.: O programa detalhado dos eventos político-culturais será anunciado no próximo período de tempo.

A LUTA PELA REAPROPRIAÇÃO DA MEMÓRIA É AO MESMO TEMPO UMA LUTA PARA CRIAR NOVOS PONTOS DE ENCONTRO E PERSPECTIVA.

Iniciativa anarquista contra os assassinatos do Estado

>> Veja o vídeo (03:40) do mural aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=9vr6uHgO-7g&feature=emb_title

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/06/08/grecia-informacoes-sobre-o-inicio-dos-trabalhos-de-restauracao-do-monumento-de-alexandros-grigoropoulos-em-exarchia-atenas/

agência de notícias anarquistas-ana

Nem sequer três dias
este mundo vê passar –
Cerejeira em flor!

Ôshima Ryôta

 

Leave a Reply