[Reino Unido] Anarquista, editor e aspirante a assassino: a exposição documenta a vida de Stuart Christie

Homenagem ao pensamento revolucionário do escritor de Glasgow preso na Espanha quando adolescente por conspirar para assassinar Franco

Por Vanessa Thorpe | 12/06/2022

Para as autoridades britânicas nos anos 70, o suposto terrorista Stuart Christie era uma ameaça perigosa, mas para os seus admiradores ele era corajoso, de princípios e talentoso.

Agora o público terá a oportunidade de julgá-lo por si mesmo, com um arquivo completo de Christie, um registro de sua vida como principal anarquista, autor, editor de esquerda e possível assassino político, estará em exposição pela primeira vez.

Incluirá cartas inéditas escritas por Christie, de 18 anos, que foi preso na Espanha por conspirar o assassinato do ditador fascista Francisco Franco, bem como uma série de fotografias pessoais nunca antes exibidas.

Após uma longa campanha de arrecadação de fundos, o Stuart Christie Memorial Archive será revelado no dia 22 de junho nas salas MayDay na Fleet Street, Londres. As imagens, capas de livros e documentos pessoais contidos na crônica de arquivo da carreira criativa de Christie, suas famosas escaramuças com a lei e seu impacto no pensamento revolucionário na Grã-Bretanha, também estarão disponíveis on-line.

Nascido em 1946, filho de uma cabeleireira e de um pescador de Glasgow, Christie é frequentemente associado à Angry Brigade (Brigada Furiosa), o pequeno grupo de terroristas e agitadores de esquerda que foram julgados por encenar uma série de atentados a bomba em Londres no início dos anos 70.

Christie também ainda é celebrado por alguns por tentar explodir Franco em 1964, um crime pelo qual ele enfrentou uma possível execução.

Em vez disso, o adolescente foi condenado por um tribunal militar a 20 anos de prisão, enquanto seu cúmplice espanhol, Fernando Carballo Blanco, recebeu 30 anos de prisão. A sentença de Christie provocou protestos internacionais, inclusive dos eminentes filósofos Jean-Paul Sartre e Bertrand Russell, e ele acabou servindo apenas três anos na prisão Carabanchel de Madri, usando seu tempo lá para estudar e se misturar com prisioneiros anarquistas.

O regime franquista o libertou cedo, alegando que estava respondendo a um pedido da mãe da Christie.

Em sua vida posterior, Christie viveu em Hastings, na costa sul da Inglaterra, e morreu há dois anos com 74 anos. Em seu obituário no The Guardian, o jornalista Duncan Campbell deu detalhes sobre o famoso assassinato fracassado na Espanha. A missão de Christie era entregar explosivos plásticos em Madri para que o ditador pudesse ser assassinado enquanto assistia a uma partida de futebol. Christie, a quem Campbell descreveu como “um homem de grande charme, calor e sagacidade”, tinha dito a sua família que ele ia colher uvas na França. Vestido com um kilt, ele pegou carona de Paris para a Espanha, mas foi detido por infiltração de conspiradores espanhóis em Madri. Christie assinou uma confissão depois de ser obrigado a ver seu cúmplice ser torturado.

Seu amigo Ron McKay recontou as lembranças de Christie do julgamento militar, que ele não conseguiu entender porque foi conduzido em espanhol por 11 oficiais do exército “medalhados”. “Ele disse que se sentiu transportado para o ato final de alguma grande ópera. Ele tinha 18 anos e seis semanas de idade, um garoto da classe trabalhadora de Glasgow, e nunca tinha ido à ópera”, lembrou McKay.

Mas Christie tem outro legado para aqueles que leram sua ficção e prosa. Para estes aficionados literários, ele era um talento cuja reputação como pensador criativo foi prejudicada por sua associação com campanhas políticas violentas.

O arquivo memorial, montado pela pesquisadora Jessica Thorne, especialista em prisioneiros anarquistas na Espanha de Franco, inclui fotografias, cartas, objetos pessoais e obras de arte, assim como amostras da produção de seus braços editoriais Cienfuegos Press, Christie Books e o Arquivo de Filmes Anarquistas.

Também cobre o envolvimento da Christie no julgamento da Angry Brigade, no qual ele foi absolvido de todas as acusações. A brigada foi responsável por pequenos ataques a bancos, embaixadas, casas dos deputados conservadores e um veículo de transmissão da BBC no exterior entre 1970 e 1972. Os bombardeios causaram danos à propriedade e uma pessoa foi ferida. Oito pessoas conhecidas como os Oito de Stoke Newington foram julgadas e quatro foram absolvidas. O júri acreditava na alegação de Christie de que a polícia tinha colocado dois detonadores em seu carro.

Em 2014 foi produzida uma peça sobre o incidente, The Angry Brigade, escrita por James Graham, estrelando Patsy Ferran como Anna Mendelssohn, uma das acusadas, que mais tarde escreveu poesia sob o nome Grace Lake.

O novo material no arquivo memorial inclui o texto da autobiografia de Christie em três partes, bem como um romance de memórias, Gunmen! As crônicas de Farquhar McHarg. Seu livro de memórias mais curto, Granny Made Me anarchist, foi republicado por Scribner em 2004. Sua avó, Agnes McCulloch Davis, tinha sido de fato uma influência formativa. “Ela me deu a estrela que eu segui”, disse certa vez.

Christie entrou na Federação Anarquista de Glasgow aos 16 anos de idade e também participou ativamente da Campanha pelo Desarmamento Nuclear, bem como do Comitê de Ação Direta e do Comitê de mais de 100, e participou da manifestação da CND na base naval de Faslane em 1963.

Após sua absolvição no julgamento da Angry Brigade, depois de servir 18 meses em prisão preventiva, Christie continuou o ativismo anarquista na Grã-Bretanha antes de mudar-se para Orkney. Da ilha de Sanday ele fundou a Cienfuegos Press, que recebeu o nome do revolucionário cubano Camilo Cienfuegos, e também editou e publicou um jornal local radical, The Free-Winged Eagle. Cópias agora aparecem no arquivo junto com fotografias inéditas de sua infância, algumas delas doadas pela filha de Stuart, Branwen. A esposa de Christie, Brenda, morreu em junho de 2019.

Fonte: https://www.theguardian.com/politics/2022/jun/12/anarchist-publisher-would-be-assassin-exhibition-documents-life-of-stuart-christie

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/08/18/reino-unido-stuart-christie-1946-2020-ativista-anarquista-escritor-e-editor/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/12/16/reino-unido-lancamento-a-life-for-anarchy-uma-leitura-de-stuart-christie/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/26/reino-unido-preservando-a-memoria-de-stuart-christie-campanha-de-financiamento-para-criar-um-arquivo-memorial-em-londres/

agência de notícias anarquistas-ana

As flores na árvore
Esperam de branco
O fruto

Eugénia Tabosa

Leave a Reply