[México] Convocam ações de solidariedade com as comunidades zapatistas ameaçadas

Declaração conjunta contra as agressões contra as comunidades do Caracol 10 de E.Z.L.N.

Jobel, Chiapas, México

Em 28 de julho de 2022

Ao Exército Zapatista de Libertação Nacional (Ejercito Zapatista de Liberación Nacional)

Para o Congresso Nacional Indígena

Para a Sexta Nacional e Internacional

Para as Redes de Resistência e Rebelião

Para aqueles que assinam a Declaração pela Vida

Às pessoas que semeiam Dignidade e Organização

Organizações, coletivos e redes aderentes à Sexta Declaração da Selva Lacandona denunciam a continuação das agressões, perseguições e deslocamentos forçados com a cumplicidade e impunidade dos três níveis de governo em relação às comunidades autônomas de El Esfuerzo, Município Autônomo Rebelde Zapatista Comandanta Ramona; Nuevo San Gregorio, Região Moisés e Gandhi, Povoado La Resistencia, Povoado Emiliano Zapata, Povoado San Isidro e 16 de febrero, Município Autônomo Rebelde Zapatista Lucio Cabañas, do Caracol 10 “Floreciendo la Semilla Rebelde”, da Junta de Buen Gobierno “Nuevo Amanecer en Resistencia y Rebeldía por la Vida y la Humanidad” em Chiapas, México. Denunciamos também a obstrução do trabalho de direitos humanos realizado pelas Brigadas de Observação Civil (BriCO).

Na quinta-feira, 14 de julho de 2022, o Centro de Direitos Humanos Fray Bartolomé de Las Casas (Frayba) documentou que, aproximadamente às “08:00 horas, os ejidatarios (ocupantes de terras coletivas) do Muculum Bachajón, chefiados pelo comissário ejidal juntamente com a polícia municipal e agentes da proteção civil, chegaram à aldeia de San José Tenojí, Chilón, onde realizaram uma reunião, e por volta das 13:50 horas entraram violentamente na aldeia de San José Tenojí, Chilón, onde realizaram uma reunião e por volta das 13:50 horas eles entraram violentamente na vila de “El Esfuerzo”, no município autônomo Comandanta Ramona (com 54 hectares de terra recuperados em 1994 pela EZLN), deslocando seis famílias Bases de Apoio do Exército Zapatista de Libertação Nacional (BAEZLN) que deixaram seu lugar habitual para salvar suas vidas e se mudaram para a comunidade de Xixintonil, eles também incendiaram as casas e suas propriedades e há o risco de que 20 hectares de milho e feijão que ainda não foram colhidos sejam perdidos” [1].

Em 29 de junho de 2022, em uma entrevista coletiva, nossos camaradas de Frayba apresentaram um Boletim no qual denunciaram as ameaças de morte contra observadores nacionais e internacionais e a obstrução de seu trabalho de defesa. [2].

Lembramos que desde março de 2021 foi criado um acampamento para os BriCOs na comunidade Zapatista de Nuevo San Gregorio com o objetivo de salvaguardar a integridade física e emocional de nossos camaradas Zapatistas. Num contexto de constantes agressões desde novembro de 2019 por um grupo de pessoas de diferentes comunidades vizinhas conhecidas como “Los 40 Invasores”, que cercaram e desapossaram 155 hectares de terra recuperados em 1994 pela EZLN, que fazem parte do território coletivo de Nuevo San Gregorio [3].

Desde abril de 2019, a Região Moisés e Gandhi tem sido alvo de agressões armadas pelo grupo paramilitar da Organização Regional dos Cafeicultores de Ocosingo (ORCAO), devido a um interesse agrário em desapropriar terras recuperadas pelo EZLN [4].

Em 5 de maio de 2022, o grupo paramilitar ORCAO deslocou à força quatro famílias de 29 pessoas na aldeia de La Resistencia, assim como 11 famílias de 54 pessoas na aldeia de Emiliano Zapata. A isto acrescentamos as agressões paramilitares ao Poblado de San Isidro e ao Poblado de Moisés e Gandhi [5].

Em outra agressão, em 10 de janeiro de 2022, aproximadamente à 01:00 horas, a comunidade autônoma de 16 de Febrero foi atacada, onde um grupo não identificado de cerca de 15 pessoas encapuçadas e armadas entrou na comunidade autônoma, espancou algumas famílias e desapareceu com quatro pessoas por algumas horas [6].

Como aderentes à Sexta Declaração da Selva Lacandona, temos sido testemunhas do processo digno de resistência e dignidade das famílias zapatistas para não ceder a provocações criminosas. Da mesma forma, testemunhamos e acompanhamos o trabalho dos observadores e de nossos camaradas de Frayba. Podemos assegurar que tentamos fazer um trabalho impecável como defensores dos direitos humanos, onde o principal objetivo é e tem sido salvaguardar o projeto de autonomia e vida que a luta zapatista representa. A importância do trabalho dos BriCOs é fundamental dentro do trabalho político no estado de Chiapas, um trabalho que vem sendo realizado há 28 anos. Achamos altamente preocupante que este trabalho, que está comprometido com a vida, esteja sendo ameaçado de diferentes maneiras, mesmo ao extremo das ameaças de estupro dirigidas contra nossas camaradas observadoras. É verdadeiramente lamentável que as atividades de observação neste território tenham sido suspensas. Sabemos e compartilhamos as razões pelas quais nossas companheiras de Frayba tomaram esta decisão, pois ela deixa os habitantes da comunidade Zapatista de Nuevo San Gregorio vulneráveis. Hoje, mais uma vez, vemos o desgoverno da suposta e cínica “Quarta Transformação” que permite que a vida, a integridade física e emocional dos defensores dos direitos humanos seja ameaçada.

Diante de todo este cenário de guerra contra a vida e a autonomia dos povos zapatistas, podemos dizer que há 28 anos a Mãe Terra vem resistindo e sustentando a autonomia dos povos zapatistas, guardiães das terras recuperadas que são legitimamente as terras do EZLN. Dali floresce e semeia o tecido da vida que resiste e se rebela contra este sistema capitalista criminoso; através de uma relação de respeito e cuidado com a Mãe Terra com processos organizacionais através da autonomia da comunidade e do coletivo, eles são lugares de resistência que iluminam o horizonte e podemos nos olhar no espelho e ver que outro mundo é possível.

Portanto, convocamos todos os camaradas que aderirem à Sexta Declaração da Selva Lacandona e das Redes de Resistência e Rebelião, para que todos nós, como camaradas na luta pela Vida e pela defesa da Mãe Terra, possamos nos unir a partir de nossas próprias geografias, de acordo com nossas próprias formas, e demonstrar o quanto antes, com o objetivo de denunciar esta guerra contra a vida, a autonomia do povo zapatista, para a segurança integral dos defensores dos direitos humanos, e exigir que o governo mexicano cesse sua cumplicidade e impunidade.

Também convocamos a participar de ações deslocadas e públicas durante a primeira semana de 1-8 de agosto, a fim de tornar as denúncias visíveis em conjunto. Ou seja, chamamos à manifestação espontânea e conjunta, sem que de uma forma se anule a outra para romper o cerco da mídia… Todas as vozes!

Parem com o assédio às comunidades zapatistas!

Parem as práticas de contrainsurgência contra as comunidades do Caracol 10 da EZLN!

Rede de Resistências e Rebeliões AJMAQ

Rede Universitária Anticapitalista (Cidade do México)

Mulheres e a Sexta, Abya Yala

Resistencias Enlazando Dignidad-Movimiento y Corazón Zapatista (Rede MyC Zapatista).

Aderências:

Mais adesões: ajmaq_chiapas@riseup.net

[1] https://frayba.org.mx/desplazamiento-zapatistas-el-esfuerzo

[2] https://frayba.org.mx/amenazas-de-muerte-contra-observadores-nacionales-e-internacionales

[3] https://frayba.org.mx/brigadas-civiles-de-observacion-en-la-comunidad-autonoma-nuevo-san-gregorio

[4] https://redajmaq.org/es/informecaravana2020

[5] https://redajmaq.org/es/denuncia-de-desplazamiento-forzado-las-comunidades-zapatistas-poblado-la-resistencia-y-poblado

[6] https://frayba.org.mx/desaparicion-forzada-de-4-bases-de-apoyo-zapatistas-del-caracol-patria-nueva-municipio-de-ocosingo

Fonte: https://www.chiapasparalelo.com/noticias/2022/07/convocan-a-acciones-de-solidaridad-con-comunidades-zapatistas-amenazadas/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Só, tudo parece breu.
Um hálito ébrio vem de fora:
Estranho, mas é meu.

Márcio Bastos Silveira

Leave a Reply