[EUA] Entrevista com Matthew N. Lyons sobre o antifascismo, o anti-imperialismo e o futuro da organização

Segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Matthew N. Lyons é um autor e pesquisador antifascista cujo trabalho começou há vinte e cinco anos. Sempre na vanguarda da compreensão de como a extrema direita se transforma e se reconfigura, ele desenvolveu uma obra histórica e teórica profunda que está diretamente destinada a ajudar na organização do antifascismo e alcança resultados.

Seu livro “Right-Wing Populism in America: Too Close for Comfort”, em coautoria com Chip Berlet, analisou a história dos Estados Unidos e aprofundou o que exatamente se entende pelo termo ambíguo “populismo” e como motiva a classe trabalhadora a assumir movimentos políticos radicais de direita. Foi precursor do blog “Three-Way Fight”, nomeado assim pelo conceito de que qualquer luta revolucionária pode ter uma força insurgente que é diferente da esquerda e da classe dominante, e é nesse ponto onde você pode encontrar muitas vezes ideólogos fascistas construindo sua própria versão de um movimento revolucionário.

Em seu livro mais recente, “Insurgent Supremacists: The U.S. Far Right’s Challenge to State and Empire” (Supremacistas Insurgentes: O Desafio da extrema direita americana desafiando o Estado e o Império), Lyons analisa as tensões do fascismo que se apropriam das lutas anti-imperialistas e outras frequentemente associadas com a esquerda, e como a extrema direita está mudando e criando novos movimentos sociais, e como podemos entender o futuro do fascismo.

Esta é uma entrevista com Matthew N. Lyons que faz algumas destas perguntas, como entender o populismo e o fascismo, como os fascistas usam a política anti-imperialista e anticapitalista, e o que podemos fazer sobre isso.

Seu livro passa muito tempo discutindo movimentos anti-imperialistas, anticapitalistas e antiguerra que se cruzam com o fascismo. Qual é a posição nacionalista sobre essas questões? Como sua perspectiva rompe com a interpretação que a esquerda tem desses movimentos?

Nas seções do livro ao qual você se refere, meu foco não é tanto na interseção dos movimentos anti-imperialistas, anticapitalistas e antiguerra com o fascismo. Pelo contrário, são as tendências anti-imperialistas, anticapitalistas e antiguerra dentro dos próprios movimentos de direita. Essas tendências tomaram várias formas e têm profundas raízes históricas, tanto no fascismo clássico quanto em seções do conservadorismo americano. Hoje, nos Estados Unidos, a extrema direita acredita que o governo dos EUA e muitas instituições transnacionais, como as Nações Unidas são controlados por elites globalistas malévolas, que estão trabalhando para enfraquecer e destruir as sociedades tradicionais e homogeneizar tudo para ajudar a construir sua própria riqueza e poder. Os nacionalistas brancos definem essa suposta ameaça em termos raciais, como as elites judaicas contra a raça branca, enquanto outros ramos da extrema direita nos Estados Unidos (como teocratas cristãos e a maioria dos grupos patrióticos) tendem a defini-la como um ataque à soberania nacional dos Estados Unidos e à cultura ocidental.

Aqui estão duas coisas diferentes acontecendo. Fascistas e outros fascistas de direita têm uma longa história em fornecerem uma versão distorcida da política da esquerda radical, para ajudá-los a aproveitar a energia rebelde e raiva do povo contra o status quo. Quando eu descrevo dessa maneira, parece oportunismo político, e isso é definitivamente parte disso. Mas a um nível mais profundo, há aqui um conflito genuíno entre o capitalismo global moderno e as hierarquias sociais tradicionais, tais como raça, nação e sexo que serviram bem ao capitalismo no passado, mas agora, por vezes o restringem. O capitalismo global moderno depende da movimentação de bens e serviços e de trabalhadores e investimentos em fronteiras antigas, nacionais ou não. Isso ameaça muitos grupos sociais tradicionalmente privilegiados, cujo privilégio é baseado nessas fronteiras e divisões. Assim, por exemplo, as corporações multinacionais pressionam a entrada de mais trabalhadores estrangeiros, o que desencadeia uma reação anti-imigrante. E há também empresas multinacionais pressionando para projetar poder militar estrangeiro para ajudar a proteger seus investimentos e setores da direita, fascista e outros, se alinham contra eles e dizem que o nosso povo nada tem a ganhar nessas guerras.

Na superfície, a oposição da extrema direita ao intervencionismo militar ou às elites capitalistas ou ao imperialismo pode parecer de esquerda. Mas existem diferenças básicas subjacentes. A política de esquerda baseia-se – pelo menos em teoria – na promoção da igualdade humana e no desmantelamento da opressão e exploração humanas. Em contraste, fascistas e outros direitistas acreditam que a igualdade humana é uma farsa. Dizem que a desigualdade é inevitável ou um bem positivo que deve ser protegido. Para eles, as elites capitalistas globais são ruins porque as veem como promotoras da igualdade, não como oponentes. Uma questão relacionada é que uma crítica genuinamente radical de poder se concentra em sistemas de opressão e exploração, enquanto a extrema direita geralmente analisa o poder em termos de teorias da conspiração que culpam um grupo sinistro de pessoas de fora (como os judeus) que supostamente distorcem o funcionamento normal da sociedade, pelos problemas sociais.

Como você define o fascismo?

Em Supremacistas Insurgentes e outros escritos ofereço uma definição prática do fascismo como “uma forma revolucionária do populismo de direita, inspirado por uma visão totalitária do renascimento coletivo, que desafia o poder político e cultural capitalista, promovendo hierarquia econômica e social”. Isto é baseado em um esforço para combinar duas abordagens diferentes. O historiador Roger Griffin vê o fascismo como uma ideologia política que enfatiza um mito da recriação nacional, ou renascimento coletivo de uma crise quase fatal. Em contraste, uma série de marxistas independentes (desde August Thalheimer na década de 1930 a J. Sakai e Don Hamerquist hoje) analisaram o fascismo como uma relação contraditória com a classe dominante capitalista – atacar a esquerda e promovendo a hierarquia de classes, mas também perseguindo uma agenda que se choca com os interesses capitalistas de uma maneira importante. Ambas as abordagens consideram o fascismo como uma força revolucionária de direita, mas Griffin é forte em delinear a ideologia fascista, enquanto os marxistas independentes são fortes na dinâmica de classe do fascismo. Ambos são importantes.

Eu faço uma distinção clara entre o fascismo e o que eu chamaria de autoritarismo conservador. A maior parte da repressão nas sociedades capitalistas opera mais ou menos diretamente nos interesses das grandes empresas. Eu vejo o fascismo como uma campanha para arrancar o controle político das grandes empresas e estabelecer uma nova elite política. Historicamente, os fascistas fizeram acordos com os capitalistas para ajudá-los a conquistar o poder, mas o pressuposto de que os capitalistas poderiam parar os fascistas foi errôneo. Em vez disso, os fascistas tentaram reformar todas as esferas da sociedade de acordo com a sua própria agenda totalitária e, no caso do nazismo alemão, empreenderam uma profunda transformação e de grande alcance da ordem social de acordo com sua ideologia racista. Muitos regimes capitalistas cometeram genocídio contra populações vulneráveis, mas o nazismo é o único regime que cometeu genocídio contra um setor significativo da classe operária industrial, um ato que colidiu diretamente com os interesses econômicos dos capitalistas.

Nos Estados Unidos de hoje, a política fascista é impulsionada por uma visão totalitária para reformar a sociedade, mas isso pode assumir diferentes formas. A visão dos nacionalistas brancos concentra-se na raça e no sonho de criar uma nação totalmente branca. Mas acho apropriado usar o termo “fascismo” também para visões totalitárias de direita que não se concentram na raça. O exemplo mais importante é a facção linha-dura dentro da direita cristã – liderada pelos Reconstrucionistas Cristãos – que querem impor uma teocracia completa. Essa visão enfoca a religião, é claro, mas também a supremacia masculina e a conformidade de gênero, muito mais que raça. Além disso, algumas correntes fascistas, como a rede de Lyndon LaRouche, levam adiante a visão do fascismo clássico de um grande estado centralizado, mas muitos fascistas agora querem impor sua visão totalitária de forma descentralizada – através de redes “tribais” ou “etno-estados” segregados ou igrejas locais e famílias patriarcais. Usei o termo “totalitarismo social” para descrever esse tipo de política autoritária e descentralizada.

Como você vê a administração Trump em relação ao nacionalismo insurgente branco? Sua opinião mudou no tempo em que Trump está no cargo?

Nacionalistas brancos – não apenas pessoas com políticas racistas, mas pessoas que querem especificamente criar uma nação totalmente branca – desempenharam um papel mais importante na eleição de Donald Trump em 2016 do que na eleição de qualquer um de seus predecessores. Mais especificamente, o uso hábil do ativismo na Internet pelos nacional-populistas (direita alternativa) foi um fator significativo para derrotar os rivais republicanos de Trump e, em menor escala, para derrotar Hillary Clinton. Após a eleição, Richard Spencer proclamou que os nacional-populistas eram a vanguarda da coalizão Trump. Ao mesmo tempo, os nacional-populistas tinham claro que Trump não era um nacionalista branco, mas que ele era útil, mas ele não era um deles. Faria algo que eles quisessem, e lhes daria tempo e espaço para espalhar sua mensagem, mas eles não compartilhavam seus objetivos de longo prazo.

Desde a posse de Trump, os nacional-populistas têm sentimentos muito mistos sobre sua administração. Eles gostaram de sua demagogia e bode expiatório e seus movimentos contra imigrantes de cor e muçulmanos, mas eles gostariam que fosse muito mais longe. Eles gostam de algumas de suas ações de política externa, como desafiar a ortodoxia do livre comércio, criticar a OTAN e se aproximar de Kim Jong-un. Mas, em graus variados, eles também acham que ele capitulou (ou talvez esteja sendo chantageado) pelo establishment conservador. Eles não se importam muito com as posições conservadoras que ele tomou sobre a política fiscal e a destruição do Obamacare. Eles odeiam seu apoio a Israel e seus ataques com mísseis contra o governo de Assad na Síria. Alguns deles ainda olham para Trump positivamente, enquanto outros acham que não tem remédio.

Na obra Supremacistas Insurgentes, argumentei que a administração Trump representava uma coalizão entre conservadores convencionais de vários tipos e nacionalistas da “Primeira América”, alguns dos quais tinham ligações com a direita alternativa (nacional populismo). Eu ainda acho que isso está correto. Vários dos American Firsters deixaram o governo, como Steve Bannon e Mike Flynn, mas ainda há vários, como Stephen Miller, Peter Navarro e especialmente Jeff Sessions. Eles se beneficiam do que parece ser o desprezo sincero de Trump pela maioria dos políticos do establishment, mas são limitados pela falta de uma base organizacional coerente e pela falta de uma base coerente de apoio dentro da classe dominante. Os Mercers e Peter Thiel são assustadores, mas não está claro para mim se eles representam uma tendência orgânica maior dentro da comunidade empresarial ou se são apenas direitistas linha-dura que de repente se tornaram bilionários. É claro que existem setores de negócios que estão felizes que Trump está desmantelando as regulamentações industriais, mas que parte de sua agenda é apenas uma extensão das políticas neoliberais anteriores. Quais setores de negócios apoiam o nacionalismo dos EUA? Estou muito interessado em saber mais sobre isso.

Advertências periódicas de que Trump é fascista ou está se movendo em uma direção fascista parecem estar ganhando ímpeto novamente. Eu não concordo, embora eu concorde com alguns elementos do argumento. Muitas pessoas usam o termo “fascismo” vagamente, para cobrir toda e qualquer forma de autoritarismo ou repressão da direita. Para mim, o fascismo tem que implicar um impulso para transformar sistematicamente todas as áreas da sociedade de acordo com uma visão ideológica totalitária. Eu não vejo nenhuma evidência de que Trump tenha tal visão ou que ele tenha a intenção de implementar qualquer mudança sistemática, e ele certamente não tem o tipo de base organizacional independente que seria necessária para realizá-la.

O que eu acho que é verdade e é bastante sério é que Trump está tornando o sistema político dos Estados Unidos mais autoritário. Parte disso é continuar o processo de expansão gradual dos poderes e mecanismos repressivos do governo, um processo que vem ocorrendo há décadas sob presidentes republicanos e democratas. Mas Trump e seus partidários também estão mudando drasticamente o clima político, elevando o bode expiatório e demonização de oponentes políticos, incluso dos principais, em níveis que não temos visto desde o início dos anos 1950. Trump e os seus apoiantes têm insultado as notícias a ponto de o New York Times poder publicar uma grande exposição dos crimes fiscais de sua família e ele nem se incomodar em negar isso. Estes movimentos não têm nada a ver com o fascismo, mas significativamente enfraquecem o quadro liberal-pluralista (não é uma democracia, mas também não é uma ditadura) e facilitam significativamente o desenvolvimento e imposição de algum tipo de autoritarismo sistemático, organizado e ideológico. Eu não acho que Trump é parte disso, mas poderia chegar lá rapidamente.

Como você define o populismo? Por que você acha que houve um aumento no populismo em todo o mundo neste momento?

Eu vejo o populismo como um tipo de política que visa reunir “pessoas” em torno de alguma forma de antielitismo. É assim que Chip Berlet e eu definimos o populismo de direita nos Estados Unidos, e é baseado no trabalho da cientista política Margaret Canovan. O populismo pode ser amplamente dividido entre as variedades da esquerda e da direita. John Judis em A Explosão Populista dá uma boa e sucinta explicação da diferença. Ele diz que os populistas de esquerda definem a luta em termos dualistas – o povo contra a elite – enquanto os populistas de direita alegam que a elite está manipulando um ou mais grupos externos – como imigrantes, muçulmanos ou mães da assistência social – para que “o povo” possa ser espremido de cima e de baixo.

Existem sérios problemas com o populismo de esquerda e de direita, mas os problemas são diferentes. O populismo de esquerda pode ser uma estrutura para atacar a desigualdade real e impotência, e, nessa medida pode desempenhar um papel positivo, mas simplifica o conflito social, ao reduzi-lo a apenas o povo contra a elite. Por isso, tende a ignorar – e, portanto, reforçar – outras formas de opressão que não coincidem com aquela linha divisória simples.

O populismo de direita também ignora muitas coisas, mas o maior problema é que ele aborda diretamente os grupos oprimidos e marginalizados como bodes expiatórios e demonizadores, porque o seu conceito de “povo” tem muito a ver com a defesa de privilégios e também com o antielitismo. Além disso, a forma como o populismo de direita define a elite é baseado em uma espécie de bode expiatório, que se concentra em um subconjunto específico dentro da elite ou pessoas que não são de elite de todo. Assim, enquanto o populismo de direita se alimenta em parte da raiva das pessoas por serem golpeadas, se canalizada para ataques que fortalecem e intensificam a hierarquia, a opressão e a violência institucionalizada.

Como você diz, ultimamente tem havido um aumento do populismo em muitas partes do mundo, e isso inclui tanto as versões de esquerda e de direita. Em termos muito gerais, vejo dois grandes fatores contribuintes. Um deles é uma crise do sistema capitalista mundial – com destaque para a crise financeira de 2008, mas vai muito além – e um reconhecimento generalizado de que as políticas convencionais que têm dominado a maioria dos governos durante décadas, na verdade, só servem para uma pequena minoria. O outro fator importante é a fraqueza da esquerda radical – provocada por uma combinação de repressão externa e seus próprios defeitos internos – e sua incapacidade de reunir grandes segmentos da população na maioria dos países. Portanto, muitas pessoas estão com fome de alternativas, com fome de uma saída, e muitas vezes o populismo parece ser a melhor opção.

Existe algum exemplo de resistência organizada que está acontecendo atualmente e que você acha que é um bom modelo para combater a extrema direita?

Não sei se há um exemplo em que eu diria: “aqui está o modelo de resistência que devemos seguir”, mas acho que houve uma série de eventos muito positivos. Eu acho que o princípio da “diversidade de táticas” é muito importante, isto é, ações organizadas de modo que há espaço para as pessoas adotarem uma variedade de abordagens militantes e não militantes, e que entende que complementam e apoiar uns aos outros, em vez de competir ou estar em conflito. Eu sei que as pessoas na Bay Area e em Portland, por exemplo, trabalharam duro durante o último ano ou mais para construir coalizões baseadas nessa abordagem, e tiveram alguns sucessos importantes como resultado.

Eu também gosto muito do princípio da “autodefesa comunitária”, como defende a Comissão de Defesa Geral de Cidades Gêmeas, o IWW e outros, o que significa que o antifascista não deve olhar para o Estado para nos proteger, porque o Estado realmente não está do nosso lado, mas deve tentar construir conexões com as comunidades da classe trabalhadora e se basear nelas. Outro exemplo positivo que vou mencionar é a rede Solidariedade e Defesa de Michigan, que é um dos grupos que ajudaram a parar a campanha de mobilização da extrema direita em 2017-2018, e enfatizou as ligações entre resistência à extrema direita e a luta contra a opressão institucionalizada na forma de despejos de casas, violência policial, deportações de imigrantes e refugiados, etc.

Eu também particularmente aprecio quando as pessoas se aproximam do ativismo antifascista com um espírito de humildade e disposição para aprender com os erros. Acho que um exemplo disso foi o artigo “Tigertown derrota os nazistas“, que é uma reflexão autocrítica sobre o maciço protesto de abril de 2017 contra Richard Spencer em Auburn, Alabama. Eu não posso falar sobre os eventos específicos que aconteceram lá, mas achei que o espírito do artigo era realmente construtivo e positivo.

Como o movimento anti-imperialista pode isolar a extrema direita?

Primeiro, os anti-imperialistas de esquerda e liberais devem ter uma política rígida de não colaboração com os da extrema direita. Isso significa não participar de eventos políticos e não permitir que participem de nossos eventos. Significa não lhes dar uma plataforma em nossa mídia para transmitir seus pontos de vista e não legitimar sua mídia aceitando convites para publicar nossos artigos ou ser entrevistados.

Em segundo lugar, vamos reconhecer e lutar contra a dinâmica opressiva dentro da esquerda que ressoa com a política da extrema direita – dinâmicas como o autoritarismo e a transfobia e a violência sexual. E mais especificamente, lutar contra os elementos da ideologia da extrema direita que influenciaram setores da esquerda. Na década de 1980, o Christic Institute tomou emprestado as teorias da conspiração “anti-establishment” da rede de Lyndon LaRouche e outras fontes de extrema direita e as reembalou para o público progressista. Hoje, grupos como o Centro de Pesquisa em Globalização desempenham um papel semelhante. Vamos desenvolver fortes análises radicais de sistemas de poder institucionalizados e rejeitar teorias de conspiração falsas e radicais, muitas das quais estão enraizadas no antissemitismo.

E precisamos de um radicalismo consistente especificamente com relação a Israel. Eu sou um judeu antissionista: rejeito o apartheid israelense contra os palestinos e a apropriação sionista da identidade judaica com fins racistas e imperialistas, e rechaço as campanhas de difamação que igualam a crítica a Israel com o antissemitismo. Mas é perturbador e perigoso quando vemos esquerdistas autointitulados apresentando os sionistas como uma espécie de força superpoderosa que controla a política externa dos EUA ou o capitalismo global, ou descartando quaisquer preocupações sobre o antissemitismo na esquerda como propaganda sionista.

Em terceiro lugar, acredito que devemos rejeitar a análise de esquerda simplista celebrando qualquer oposição percebida em relação ao poder internacional dos Estados Unidos como “anti-imperialista” – e automaticamente equiparar o anti-imperialismo com o “progressista”. O governo de Assad tem implementado políticas econômicas neoliberais, colaborado com o programa de entrega da CIA e matou milhares de palestinos, mas de alguma forma agora se supõe ser anti-imperialista. E se todo o anti-imperialismo é automaticamente progressista, devemos celebrar os ataques de 11 de setembro contra o World Trade Center e o Pentágono? Estes ataques atingiram os centros do poder imperialista mais fortemente do que qualquer coisa que Assad e seus aliados fizeram, mas também mataram 3.000 pessoas e foram levados a cabo em nome de uma ideologia profundamente reacionária. E se todo o anti-imperialismo é automaticamente progressista, devemos unir forças com os neonazistas que realmente celebraram os ataques de 11 de setembro como golpes heroicos contra as elites judaicas globalistas? O que é necessário aqui, novamente, é o reconhecimento de que há mais de dois polos políticos no mundo, e – como vêm dizendo há anos os antifascistas radicais – o inimigo do meu inimigo não é necessariamente meu amigo.

Fonte: https://antifascistnews.net/2018/10/22/insurgent-supremacist-an-interview-with-matthew-n-lyons-on-antifascism-anti-imperialism-and-the-future-of-organizing/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

se andava no jardim
que cheiro de jasmim
tão branca do luar

Camilo Pessanha

Leave a Reply