[Espanha] A guerrilheira que pariu no cárcere

A ‘Libertaria de Valderas’ apelidavam a Gregoria López Robles, uma das mulheres que sofreu a prisão no velho cárcere provincial. A acusaram de organizar as mulheres de seu povoado e de andar armada e lançar ameaças. Foi presa em agosto de 36 e condenada a pena de morte. Tinha 23 anos e estava grávida, circunstância que ao que parece a livrou do fuzilamento e que lhe comutassem a pena para 20 anos de prisão.

A Gregoria e a outras mulheres se renderá homenagem na parada da rota libertária em Puerta Castillo no próximo sábado. Luzdivina Bayón Gutiérrez tinha 24 anos quando foi detida acusada de insultos à força armada em 18 de julho de 1937. A condenaram a um ano e seis meses de prisão e uma multa de 500 pesetas por colocar uma coroa de flores com as cores da bandeira republicana na tumba do cenetista Lorenzo Martínez Vaca, fuzilado após um conselho de guerra. A Luzdivina acusaram também de ser de extrema esquerda e militar na CNT cujos atos apoiava, segundo a investigadora Beatriz García Prieto.

Ainda que esteve na prisão de Astorga, também se renderá homenagem nesta parada a Amalia da Fuente Peral, de Magaz de Arriba, detida por ser afiliada à CNT e ajudar aos do monte quando estava grávida de oito meses e que deu à luz no cárcere de joelhos. O menino morreu aos dois meses. “Estava em Fabero na mina e como tinha que estar afiliada, entrei nas juventudes da CNT porque ‘falava’ com o rapaz mais destacado”, confessou ao Diário de León em 2012. Lhe comutaram a pena de morte por 20 anos de reclusão que cumpriu no cárcere de Amorebieta.

 O cárcere era “um antro de desolação”. Assim o define em suas memórias Consuelo Gonzalo Demaría que também será homenageada em Puerta Castillo.

 A rota terá seus últimos passos na rua Santa Marina para recordar os tempos da Transição, pois ali teve a sede a CNT até princípios do século XXI, e finaliza na rua Santa Catalina para render homenagem a Aida da Fuente, como representante da revolução como miliciana em outubro de 34.

 Fonte: https://www.diariodeleon.es/articulo/sociedad/guerrillera-pario-carcel/201909110202441937697.html

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana

Como se neste mundo
Não tivesse mais esperanças,
Vai-se a borboleta!

 Issa

Leave a Reply