[Itália] A época da peste do terceiro milênio

Doença, classismo e militarização

Nestas semanas, as vozes contra os gastos militares dos últimos anos se elevaram de vários quadrantes, diante de uma contração progressiva nos gastos com saúde. “Mais dinheiro para hospitais, menos dinheiro para generais”, uma vez foi dito e nunca antes a tremenda relevância deste slogan foi tão fortemente afirmada. Os gastos com saúde e militares em relação ao PIB têm sofrido diferentes destinos nos últimos anos: o primeiro perdeu 0,5% (de 7% para 6,5%), o outro ganhou 0,18% (de 1,25% para 1,43%, em relação a 2020). Alguns dados: 1,3 bilhões por ano para missões militares no exterior (em número de 36), cerca de 6 bilhões em diversos armamentos (F-35, fragatas FREMM, porta-aviões Trieste, etc.) e 7 bilhões para veículos blindados. Para a saúde pública, ao invés disso, há 43 mil empregos cortados e uma redução, só nos últimos dez anos, de 37 bilhões, cortes em hospitais e leitos. Números que tornam a tragédia atual ainda mais insuportável, mesmo que devam ser colocados à luz de uma denúncia política que consiga dar-se objetivos que vão além da relevância imediata, já que, na gestão da emergência atual, é justamente o militar que “causa boa impressão” na guerra contra a pandemia. Os hospitais de campo estão florescendo em toda parte erguidos pelas principais forças armadas.

Militares e policiais garantem então, talvez bem tolerados, a ordem social, apresentados como vigilantes guardiões prontos para evitar agressões delinquentes aos depósitos, propagação de distúrbios infecciosos e açambarcamento de bens de primeira necessidade. A contiguidade entre o mundo militar e o da saúde não existe apenas na gestão das zonas vermelhas pontuais, mas é inerente à mesma estrutura hierárquica do mundo da saúde. Há muitos termos de saúde emprestados do jargão do quartel: divisão, departamento, seção e unidade para designar serviços de vários tipos. Na mesma estrutura então presente na clássica fábrica Fordista. As relações dentro do mundo da saúde e hospitalar sempre foram hierárquicas, tanto em relação aos pacientes como aos operadores. O paciente obedece cegamente ao médico ao seguir seus conselhos e prescrições terapêuticas, a fim de ganhar “a batalha” contra a doença, enquanto os trabalhadores da saúde se movimentam dentro de uma pirâmide social na qual papéis e funções (salários, consideração social, cargas de trabalho, etc.) são rigidamente divididos. Nisso, as relações de trabalho são igualmente moduladas e, talvez, hoje mais do que nunca, durante a “guerra pandêmica” em curso, elas se destacam.

A narração dos heróis, atualmente em voga, é acompanhada por vários testemunhos que mostram, em muitos casos, como protestos, denúncias, revelações de qualquer tipo foram ou ainda são não apenas censurados, mas perseguidos. É o caso, por exemplo, dos vários pedidos de ajuda feitos em certos casos aos dirigentes políticos e empresariais por instrumentos e medidas para evitar o agravamento das situações de saúde, como no caso de algumas residências protegidas, acesso hospitalar em certas situações, ou mais simplesmente pela necessidade urgente de segurança no trabalho em termos de pessoal, guarnições e espaços de segurança. Os médicos são gestores que não estão autorizados a falar mal da sua empresa. Os demais operadores, subordinados, estão aterrorizados com repercussões de vários tipos, se “revelam” importantes segredos militares, perdoem a saúde.

No final permanece a percepção de uma forma muito grosseira de sociedade, muito pouco diferente daquela composta por guerreiros e sacerdotes, feiticeiros e monarcas, escravos e vítimas de sacrifícios no altar da pirâmide social e econômica. Na atual guerra contra a pandemia de Covid-19, os heróis da saúde pública estão muito pressionados por turnos de trabalho massacrantes, e não se sabe se amanhã, após a emergência, ou na quebra da espera espasmódica por um retorno à normalidade, eles terão a possibilidade de desertar ou se amotinar contra os generais do Caporetto italiano. Talvez, nisto, seja necessário tentar superar facilmente (e os necessários slogans) e construir uma leitura ampla, que considere a atual pandemia num quadro causal que se refere a uma complexidade de causas a serem levadas em consideração.

A ruptura pandêmica

A pandemia ocorrida nestes primeiros meses de 2020 é um evento que assumirá a força de uma ruptura histórica. Enquanto o tempo está sendo escrito, ele representa o “durante” da experiência de vida que estamos passando, codificado através de um antes e um depois: a leitura do antes permitirá a construção do depois; a nostalgia do antes condicionará o depois. A fórmula mais imediata de interpretação está ligada à frase: “nada será como antes”, cheia de esperanças e arrependimentos, expectativas e ansiedades; útil para passar os dias de quarentena, e para destacar os elementos da vida cotidiana do vírus que mostrarão projeções do futuro próximo.

Descobertas científicas e prescrições institucionais quebram e recompõem a realidade: o uso de máscaras apenas para profissionais, depois para todos, apenas em determinadas situações ou sempre, ao ar livre ou não. Depois há a distância de segurança a ser mantida e o tempo de permanência do vírus no ar e nos materiais, juntamente com o terço diário rezado ao som de números de infectados, vítimas, curados, pela Proteção Civil. Os dados disponíveis vêm de todos os lugares e produzidos por diferentes metodologias, implementadas de boa ou má fé, entregando ao final uma ação científica que aparece como mutável, quase insegura, em risco, para alguns, de reverberações de conspiração, para mostrar cada vez mais instrumento não neutro de dominação, mas desta vez, pelo uso exponencial de notícias fake news do social. A pandemia traz consigo toda a fragilidade do pensamento racional do mundo do conhecimento ao mundo da crença, do conhecimento à percepção instintiva tingida de estereótipos e preconceitos. É voltar a gritar aos indiferentes na direção daqueles que vão passear com o cão ou avisar o monato (monge que na antiguidade transportava cadáveres), exaltado como um cuidado de saúde nas mídias sociais, mas removido como uma possível fonte de contágio.

A mídia na era da pandemia de Covid-19, com a prisão forçada de milhões de pessoas, tornou o mundo virtual das mídias sociais ainda mais real, transformando-se em uma utopia esperada, a da realidade logo após a porta da casa. A rede, em nível italiano e mundial, é assim atravessada por um tráfego que se multiplicou enormemente, útil para reunir amigos e colegas, para construir bate-papos e perfis, não só para passar o tempo, mas para se comunicar com alguém, para sufocar ainda mais a angústia da solidão, da prisão doméstica diária, de ficar doente e morrer sozinho. As mídias sociais e qualquer outra forma de mídia oficial adquiriram assim uma legitimidade maior do que já tinham, dando lugar a uma aceleração na estruturação da sociedade de amanhã já hoje: via e-mail, despesas e relatórios médicos, transferências bancárias e teses de graduação, saudações de Páscoa e a enésima forma da polícia para justificar a liberdade de circulação, quando esta expira.

Se antes algo era verdade porque a televisão o dizia, agora espera ainda mais o e-mail, os infográficos, as notícias, que descrevem a realidade na qual acreditar, para não ceder a própria, sentir-se frágil e miserável, ignorante e mortalmente humano. O número de mortes detectado é comparado com o passado ou o futuro, com este ou aquele país dependendo do melhor uso consolador possível. A mídia amigável, porém, pára na porta de casa, no momento em que um aplicativo telefônico ou um drone policial se torna um instrumento de limitação da cobiçada liberdade. Uma liberdade suspensa que se espera seja devolvida, tomada como certa, sob qualquer forma: modulada, sifonada, escalonada e regulada através dos cânones da linguagem autoritária, da categorização burocrática ou do encarceramento militar, mas a liberdade certamente estará lá, sob pena de crescente tensão social que desde o início os senhores do poder conhecem, mesmo antes de temerem e serem capazes de prevenir e controlar de todas as formas.

Surge assim um outro aspecto de mudança, ressaltado pela ação do isolamento epidemiológico: o refúgio liberal do indivíduo, do lar e da família, não será mais assim, pois eles suportaram a carga da escola, do trabalho, do tempo livre, fazendo tudo isso e muito mais ao assumir o sabor dominante da prisão. O isolamento pandêmico tornou as paredes da casa insuportáveis, dando substância ao desejo de fuga. Para muitas mulheres, infelizmente, isso já é um fato há muito tempo. A casa não mais como um mito liberalista de salvação da fealdade da sociedade de consumo, do lucro e da exploração, mas como uma armadilha para ratos em que a realidade externa chega até você e não lhe deixa escapatória. Locais fechados, como aqueles em que centenas (milhares) de idosos se encontravam internados em casas de hotel ou residências protegidas, naquele que foi o último abrigo assistencial mesmo antes das periferias sociais, extremos de instituições totais, onde os moradores, juntamente com os agentes de saúde, foram infectados; onde adoeceram, onde morreram.

Não apenas Sars-CoV-2

Uma das muitas reflexões trágicas do colapso vertical do sistema previdenciário ocidental e primeiramente o italiano, quase paradigmaticamente. A leitura epidemiológica e clínica, científica e política, antropológica e sociológica da pandemia de 2020 vai precisar de muito mais dados do que os disponíveis atualmente. Precisará das águas turvas do mundo contemporâneo para deixar espaço para um melhor fluxo de ideias, mais transparente e menos condicionado pelos acontecimentos, causando dor e sofrimento, condicionamento e interesses, exploração e estupidez espalhados por toda parte, desde as classes sociais mais baixas até o topo dos senhores do poder. As próximas décadas darão mais interpretações do presente, mas algo pode ser dito sobre o que aconteceu, em particular na Bel Paese, às portas da primavera de 2020.

A especificidade toda italiana de ter sido o primeiro país ocidental a ter de repente mostrado um colapso estrutural à agressão do vírus, com escolhas úteis apenas, no início, à sua ação devastadora posterior. É necessário dividir os elementos a serem analisados em dois. Por um lado, as questões propriamente epidemiológicas e infectológicas relacionadas ao Sars-CoV-2 e Covid-19 e, por outro lado, a avaliação dos fatores que facilitaram sua ação. No primeiro caso há muito a dizer, mas esta não é a área em que se deve falar sobre as características da cepa viral, a patogênese e evolução da doença, os mecanismos de ação do contágio e muito mais. Arriscamo-nos a cair num tecnicismo que é um fim em si mesmo senão perigoso, pois pode, se não for bem exposto e mal compreendido, legitimar uma leitura anti-científica pronta a captar todas as nuances consideradas úteis para uma narrativa de conspiração infundada. Mais do que nesta parte é bom prestar atenção às condições presentes e funcionais para a explosão da pandemia. Não se trata tanto de poder entender quem era o paciente zero, ou se o vírus viajava em classe executiva ou não, mas sim de destacar os determinantes socioeconômicos desta pandemia.

Se no início do terceiro milênio a Itália ainda se gabava de ser o segundo país do mundo pelo desempenho de seu sistema de saúde (posição contestada quase imediatamente pela OMS com base em alguns indicadores errôneos considerados) e de ser um dos países mais longevos do mundo, com uma das maiores expectativas de vida, a realidade era bem diferente. A propaganda sorridente do 30º aniversário do serviço público de saúde (uma enfermeira com um sorriso de estrela de Hollywood), já falava de algo que não existia mais; desconstruído por privatizações, cortes contínuos e colocado praticamente à mercê de infelizes locais de um regionalismo em que não havia mais um Serviço Nacional de Saúde, mas até 19 serviços regionais de saúde e dois provinciais, muitas vezes muito diferentes um do outro, muitas vezes muito desiguais nas respostas para a saúde e injustas para os usuários: os cidadãos italianos.

A uma contínua contração na disponibilidade de leitos e pessoal, hospitais e instrumentos diagnósticos, correspondeu, absurdamente, um aumento de gastos que na realidade revela inação contra uma grande doença dentro do sistema de saúde – e o bem-estar em geral – típica de todo sistema de poder e lucro: a corrupção. A máfia e o compadrio, o mercado e a má-fé, em todos os níveis, no Serviço Nacional de Saúde têm encontrado muitas vezes motivos muito úteis para uma renda milionária (em euros) contra repercussões criminais decididamente questionáveis. O vírus da atual pandemia encontrou um sistema de saúde onde as pessoas faziam fila durante horas no Pronto Socorro porque ou não havia resposta para as necessidades de saúde da pessoa, ou a própria pessoa, intoxicada por uma cultura liberalista de saúde e por uma visão imanentista da ciência, beira do fundamentalismo religioso, chegou angustiada e ignorante de sua real condição, em busca de respostas a todo custo. Hoje quase esquecemos o rio de artigos sobre negligência ou agressão contra o pessoal nos vários hospitais ainda difundidos há alguns meses.

Por outro lado, o uso de serviços de mercado, diagnósticos e terapêuticos, tem corroído nos últimos anos, a renda de muitas famílias e nem sempre tem sido funcional às necessidades de saúde. O NHS apareceu não poucas vezes como um recurso residual para a solução de problemas. A cronicidade da doença foi elevada a deus ex machina de todos os problemas da saúde italiana, para depois se tornar um excelente terreno para o cuidado de saúde privado, através de vários tipos de instalações residenciais e, dada a incapacidade de serviços, comunidade, território e famílias para lidar com a assistência de outras formas. Em muitas situações, este terreno tem permitido a entrada do vírus nestas instalações pela porta da frente, causando incapacidade política e empresarial.

Deve-se dizer que o prolongamento da vida na Itália, se pode ser interpretado como um bom sinal de progresso e também de um bem-estar genérico, mostra ao mesmo tempo um declínio interno diferente dentro das classes sociais onde, à medida que a renda e a educação diminuem, as condições gerais em que se tem mais de oitenta ou noventa anos de idade pioram. Neste sentido, do ponto de vista puramente sanitário, devem ser avaliados os anos vividos em boa saúde, também para os idosos, que na última década foram progressivamente erodidos, perdendo entre 7 e 10 anos de boa saúde após os 60 anos de idade.

O surgimento das desigualdades

Entretanto, a proteção da saúde de uma população não é, e nunca foi, apenas o sistema de saúde disponível. Ela está ligada a um conjunto de fatores conhecidos como determinantes socioeconômicos e diz respeito principalmente à renda e condições de trabalho, políticas sociais e habitacionais, educação e cultura, relacionamentos e estilos de vida. Neste sentido, a Itália se apresenta no início de 2020 talvez em um dos momentos mais fracos de sua história. É o primeiro, entre os 17 países mais industrializados em relação ao analfabetismo funcional, o que significa uma incapacidade generalizada de entender e gerenciar a realidade ao redor, de ser capaz – a título de exemplo – de entender a maioria das instruções do telefone celular de última geração que acaba de ser adquirido.

A Itália no século XXI é o país onde se pensa que a população estrangeira está 20/30% presente, e é responsável por todos os males da sociedade. É o país do medo alimentado pelas mídias sociais e por políticos úteis à estupidez e à barbárie geral, onde racismo, fascismo, competição e egoísmo parecem retornar à cidadania, criando um consenso generalizado que busca mais o prazer do slogan gritado do que a resolução do problema. A democracia parlamentar, que deveria ser, na visão liberal, o lugar do confronto e do debate político, nos últimos anos tem revelado, com alguns cargos no facebook ou no twitter, ainda mais sua vacuidade e sua sujeição aos interesses do lucro de poucos. Muitos são os servos insensatos de toda condição e linhagem, apegados à esmola dos privilégios derivados da sede do poder, que satisfizeram todas as opções de desestruturar o bem-estar nacional e os interesses liberalistas dos senhores da economia, e depois fugiram de suas responsabilidades, especialmente na campanha eleitoral, lançando a culpa sobre uma casta genérica e indefinida de políticos (da qual fazem parte), para mandar para casa, punir, reduzir em número, curar e muito mais. Um filme ruim já visto nas instalações da República de Weimar da Alemanha que, talvez, o Covid-19 tenha sido suspenso por enquanto. Talvez.

Paradoxal, a este respeito, o caso da Lombardia. Sobre as causas que levaram esta região a ser a mais afetada pela pandemia teremos que avaliar todas as complexidades de ação e os fatores relacionados a ela, mas alguns elementos devem ser destacados. É uma das regiões mais industrializadas e poluídas do país, com um clima que agrava as condições de vida. A Lombardia também iniciou a “recuperação” da política italiana com a temporada de mãos limpas no início dos anos 90 e, novamente na Lombardia, essa temporada parece ter falhado em erradicar a intrusão do lucro privado e dos males, dando uma sucessão contínua de governadores e coalizões de centro-direita, famélicas – às custas, é claro, dos interesses dos mais fracos. Há vários anos, a própria saúde Lombarda tem sido o terreno para experimentação e desestruturação de todos os tipos, em detrimento da oferta universalista e da equidade na saúde. O governo regional então, em meio à crise, tem mostrado muitas questões críticas que, infelizmente, se tornaram evidentes nas repercussões epidemiológicas imediatas, em detrimento dos cidadãos. Um quadro que pode ser facilmente sobreposto, em diferentes graus, a qualquer outra pequena rixa regional italiana em que a precariedade do trabalho dependente, a contínua contração dos salários, a atomização dos problemas e das respostas construiu um grande país doente.

Políticos de todos os tipos têm se gabado de respostas a um mal-estar geral, gritando a necessidade de segurança composta de câmeras, cassetetes, leis especiais e não melhores salários, empregos saudáveis e apoio à saúde pública. Novamente a Lombardia, na atual fase pandêmica, juntamente com outras regiões e seus governadores tele-gênicos, tem feito escolhas diferentes das do governo central, muitas vezes em uma espécie de voo protecionista para frente ou, em outros casos, permanecendo em um terreno mais retrógrado. Na fenda entre centro e periferia, as desigualdades em saúde se multiplicaram: entre Norte e Sul, entre tecidos metropolitanos e comunidades urbanas, entre ricos, cada vez mais ricos, e pobres, cada vez mais pobres.

A epidemia se enraizou exponencialmente numa sociedade estratificada, classista e egoísta. Mesmo antes de voltar ao nível das consciências individuais e coletivas, as classes sociais recuperaram a cena, tornando-se protagonistas do que na realidade é uma grande guerra de classes (conduzida pelos patrões) que vem ocorrendo há anos, cujo momento final desencadeou a ação do Sars-CoV-2. Quase cem anos atrás quando nessa época, a Primeira Guerra Mundial estava em sua fase final e a gripe espanhola fez milhões de vítimas. Hoje, felizmente (exceto por mudanças devastadoras) há muito menos vítimas, mas a guerra dos privilegiados em detrimento destes últimos é imparável.

Vírus e questão social

Nesta Itália da pandemia, portanto, não se é igual diante do contágio. A leitura puramente numérica das pessoas afetadas corre o risco de não levar a lugar algum, também porque muitos especialistas apontam que os dados disponíveis são muito inferiores à representação da realidade, já que os critérios foram realizados de forma diferente no território nacional e a avaliação dos doentes, sintomáticos, assintomáticos ou das próprias mortes pode ter sido incompleta em muitos casos. Há muitas, muitas acusações que têm sido levantadas por várias partes no país sobre o assunto.

O quadro final é o de um país forçado ao limbo social antes de um limbo clínico, esperando para retornar a uma normalidade que sente, dia após dia, não mais coincidir com a do passado. As escolhas italianas, seguidas por alguns países, após os primeiros momentos de incerteza que legitimaram indiretamente momentos devastadores em termos de contágio (eventos esportivos, atividades de trabalho, movimentos de massa, corrida a farmácias para agarrar máscaras e géis e muito mais), fizeram uma escola. Outros países têm mostrado a face estúpida e arrogante do poder que, de forma ideológica, primeiro exaltou uma garantia de escolhas individuais, de mercado, liberais e liberalistas, dispostos a sacrificar vidas aos milhares – pense nas declarações de [Boris] Johnson e [Donald] Trump – e depois escolher outras estratégias como a restrição total de vida e das vidas (lock down) ou a liberdade moderada (como a Suécia, na época em que escrevo); de qualquer forma, o Estado fez sentir o seu peso autoritário mesmo antes mesmo de ser propriamente autoritário.

Nos países ocidentais para as estratégias descritas ou nos países pobres para o abandono, previsível como desumano, ou melhor, desumano para os pobres, os doentes e as famílias ao seu triste destino, os Estados voltam a se mostrar em seu disfarce mais típico: o do policial que controla o território, regula a passagem do povo e pede obrigações e impostos para cada pequena coisa, sem que haja um retorno concreto em termos de bens e serviços. Ao colapso do sistema previdenciário, da capacidade de prever, organizar e conter a pandemia, por parte dos pequenos senhores feudais locais, o estado militar responde ao seu auxílio, fornecendo hospitais de campo, navios hospitalares, meios de transporte, pessoal, instrumentos. Uma resposta que nega qualquer capacidade e legitimidade para governar os assuntos públicos e abdica da intervenção da casta guerreira para resolver os problemas do país.

Foucault falou de quadrilha, analisando as intervenções na França durante a praga do século XVII, onde as cidades, divididas em quadrantes, eram guardadas em isolamento doméstico por patrulhas armadas. Leis de ferro impuseram na ponta da espada o governo de uma realidade ingovernável, pela epidemia desenfreada e pela incapacidade da ciência de dar respostas às tragédias do presente. Nas cidades do século XXI muitas, demasiadas coisas nos lembram as pragas do passado, mas talvez a realidade seja pior do que pensamos e, felizmente, o baixo número de vítimas (na época em que escrevemos) é um dos elementos positivos, talvez o único, de uma mudança de época que estamos vivenciando ou, ainda mais, sofrendo.

O sonho da utopia da Era das Luzes sofre um golpe fatal. A força dos números, da ciência e da razão, a construção progressiva de um bem-estar cada vez mais difundido e ampliado ao ponto de criar estruturas sociais com uma grande classe média em movimento e um ápice dos muito ricos e uma base muito estreita dos muito pobres, passou por uma mudança drástica. Os muito ricos, fortes com seus recursos, têm esmagado violentamente a classe média nos últimos anos, afastando-a deles e aumentando a estratificação social dos muito pobres. A classe média aterrorizada (e também os pobres que se sentiam classe média ou que queriam se tornar) tem feito tudo e o contrário de tudo para manter suas posições de renda, suas esperanças, suas utopias.

Já nos anos 80 as pessoas estavam dispostas a acreditar em qualquer um que pudesse aliviar a angústia para o futuro. O sonho americano, destroçado pela recessão dos anos 70 e pela derrota no Vietnã, chamou ao poder um indivíduo de terceira categoria (Ronald Reagan), enquanto nas Ilhas Britânicas, o desejo de voltar à pompa do império elegeu a Dama de Ferro Margareth Thatcher. Ferramentas úteis para uma aceleração dos desejos mais desenfreados do liberalismo dominante. Uma corrida de açambarcamento que tem sido cada vez mais rápida e destrutiva nos últimos quarenta anos.

No mundo da saúde atual há falta de camas, pessoal e instalações, e a corrida ante uma emergência estrutural está sendo acionada, pedindo ajuda às mesmas pessoas que devastaram o SNS: as empresas privadas. Berlusconi e Della Valle fazem doações milionárias, futebolistas reduzem seus salários pela metade (pelo menos esta é a mensagem que está sendo difundida no momento), VIPs de todos os tipos doam para a esquerda e para a direita. Tudo bem e pronto. Muitos aplaudem. Poucos apontam que a grande riqueza de uns poucos foi construída sobre o empobrecimento de muitos e que entre os tesouros saqueados há também a saúde pública. O vírus pandêmico de 2020 é o teste decisivo de um ponto de não retorno, do fim da sociedade liberal nascida da França revolucionária. Não que tenha sido o melhor dos mundos conhecidos, mas o mundo que vem amanhã parece ser mais parecido com o Blade Runner do que qualquer utopia social conhecida.

No momento em que ainda estamos escrevendo, ainda estamos no meio da pandemia, o das restrições totais: fechados dentro de casa com pouca liberdade de movimentos. A fase três deve ser um retorno à normalidade – deve ser. Muitas pessoas já levantam a questão de que, para maior segurança, a própria fase dois verá maior liberdade, mas um tempo mais longo de realização, ou seja, virá, talvez, até o próximo outono para enfrentar um ressurgimento da epidemia. Ou irá além do próximo inverno? Quanto tempo durará a fase dois e quanto isso nos mudará? Será normal ser limitado em movimento, direitos, espaço e relacionamentos? É difícil dizer.

A estrutura do mundo de amanhã certamente não é uma das mais tranquilizadoras: crise do pensamento científico e aceleração mais fácil para acreditar em crenças, mitos, superstições e estereótipos; as muito odiadas e muito procuradas notícias falsas. Depois há a acentuação da fuga do setor privado, pois é um lugar de prisão para ir a um mundo onde o conceito de coletivo e comunidade não encontrou raízes, nem contextos socioeconômicos de referência, muito menos áreas de desenvolvimento. Há muito tempo que as filiações raciais, religiosas e nacionais têm sido mobilizadas para este fim. O Estado-nação – além da retórica fácil e satisfatória de hinos, banners e slogans de qualquer tipo – já agonizando pelo trabalho dos impérios, globalizações e potentados econômicos, mostra-se sem medo na sua forma mais franca, usando a armadura de gendarme, vista como fonte de segurança, também no que diz respeito à contenção da raiva social.

As despesas militares não sofrerão nenhum tipo de redução, apesar de alguns rumores tênues, mas provavelmente serão ainda maiores, já que, no mundo pós-pandêmico, o desenvolvimento econômico não seguirá mais os ditames progressivos do bem-estar generalizado, mas a necessidade de garantir níveis elevados do PIB, exportações e importações a preços de barganha. Um novo colonialismo está no horizonte? Não, nada de novo. O poder econômico europeu nunca mudou de roupa desde que vestiu a túnica dos bravos cavaleiros cruzados. Mudou apenas armas e vidas a serem sacrificadas.

Não necessariamente o futuro próximo já está escrito. Vários recursos humanos e sociais estão cada vez mais disponíveis: nas enfermarias hospitalares, nos trajes (DPI) utilizados pelos trabalhadores da saúde, nos empregos negados e inseguros, na raiva pela renda perdida, no desespero individual pelo destino no leito de um hospital ou pelo destino de um ente querido, de um amigo, de um colega. A solidariedade silenciosa e a compaixão sofrida, o desejo de dar um passeio e a saturação à besteira dos faladores do poder social ou das instituições. O desejo de liberdade e justiça social provavelmente encontrará força e legitimidade nos próximos meses, também nas mãos daqueles que não estão “acostumados” a ela, mas que a experimentaram por conta própria e na pele dos outros.

O poder político e econômico, as hierarquias institucionais e culturais, estão plenamente cientes disso e provavelmente se prepararão para resistir a reivindicações de qualquer tipo, mas são feitas por homens. O poder dominante hoje é feito por homens que foram formados em uma sociedade onde todos eram permitidos e, portanto, em sua maioria incapazes de dizer, fazer, pensar. A chegada da pandemia encontrou o olhar espantado e aniquilado daquele conselheiro de algum território que, até aquele momento, tinha sido abençoado por ter alcançado uma posição de poder em que podia ter ganhos e favores de toda espécie, enquanto era forçado a tomar decisões, a fazer escolhas, a mostrar conhecimento que de fato não possuía; era forçado a fazer o trabalho que tinha que fazer. Em muitos casos o resultado foi devastador, a nível humano, de saúde e social.

Mesmo o cidadão comum não estava preparado para tudo isso, mas ao contrário de seu mestre que tinha todos os recursos do mundo à sua disposição para esconder sua responsabilidade e imbecilidade, o cidadão comum e ainda mais o trabalhador, o explorado, o último e o pária da terra, tinha que se fortalecer somente com seu conhecimento, seu afeto, sua coragem e seu medo. Um investimento de recursos individuais e coletivos que dificilmente será dado a alguma campanha eleitoral ou resignação social. Talvez possa ser usado como capital humano e político para exigir maior certeza e garantias de um futuro mais justo para todos. Para uma sociedade mais justa. A pandemia de 2020 causou enormes danos e dolorosos sofrimentos, mas forçou os olhos e mentes destes últimos a voltarem novamente sua atenção para a questão social. Nisso, as forças e conhecimentos, práticas e laços dos libertários não podem deixar de estar presentes.

Giordano Cotichelli

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

velho caminho
sol estende seu tapete de luz
passos de passarinho

Alonso Alvarez

One response to “[Itália] A época da peste do terceiro milênio”

  1. Anônimo

    Boa tradução, compa liberto! A Ana tá de parabéns pela cobertura do coronavirus!

Leave a Reply