[Espanha] Os últimos executados em Zaragoza

Por Amadeo Barceló| 10/05/2020

A sinistra cerimônia foi novamente colocada em movimento na madrugada de 10 de maio de 1950, quando cinco prisioneiros foram levados à capela antes de serem conduzidos ao piquete de execução. Sabe-se que esta foi a última vez que os rifles tiraram a vida de presos políticos no cemitério de Torrero, em Zaragoza.

Tudo havia começado um ano antes; no início de 1949, o Comitê Nacional da CNT no exílio propôs pôr fim a um grupo de guardas civis infiltrados na área de Monegros, embora o objetivo real fosse muito mais ambicioso: atacar um trem na linha Madrid-Barcelona no qual, segundo as informações tratadas pela organização, um grupo de personalidades do regime estaria viajando. Havia especulações de que o próprio Franco poderia estar entre eles.

O plano foi confiado a um grupo de libertários residentes na França com experiência em combate. Antigos milicianos de colunas anarquistas como a de Durruti, soldados condenados à morte ou exilados políticos estavam entre eles. José Ibáñez, um fugitivo do serviço militar na Espanha que tinha sido atendido na França pela Solidariedade Internacional Antifascista (SIA), era um dos membros mais jovens do grupo. O outro era Ángel Fernández, um menino da guerra que cresceu entre campos de refugiados e colônias escolares. Fernández, que tinha acabado de passar no exame de admissão para ser mecânico numa escola de aviação militar da OTAN, era membro da Juventudes Libertárias e aceitou a proposta de vários amigos veteranos de seu pai; sua tarefa limitar-se-ia a dirigir o veículo que levaria o grupo anarquista do outro lado da fronteira para Sástago, a poucos quilômetros rio acima de Zaragoza. Esse foi o local escolhido para atacar o comboio.

Providos de armas, explosivos e falsos documentos de identidade espanhóis, na primavera de 1949 os onze anarquistas vindos da cidade de Lyon e do departamento de Aveyron entraram na Espanha através do Porto de Urdiceto. Caminharam para o sul ao longo do curso do Rio Cinca até deixá-lo para ir até a cidade de Hoz de Barbastro. Lá eles invadiram a Prefeitura, obtendo um saque composto de selos e papel timbrado para falsificar documentos e 22.000 pesetas em dinheiro. Eles também roubaram uma van de entrega que lhes permitiu continuar sua viagem mais rapidamente. Entretanto, esses eventos colocam as forças da lei e da ordem em alerta.

Viajando em estradas secundárias, chegaram a Sástago, onde encontraram um elemento de ligação da RENFE e receberam a primeira má notícia: seus alvos não iriam viajar em um comboio especial, mas os vagões seriam unidos a outros ocupados por passageiros civis. O plano estava desmoronando, porque uma coisa era pôr fim aos altos funcionários franquistas e outra bem diferente era causar a morte colateral de centenas de pessoas: “não éramos guerreiros, éramos simplesmente libertários”, lembra Ángel Fernández, que havia decidido continuar com o grupo apesar de ter terminado sua tarefa como motorista.

Nessa altura já os procuravam e os encontravam. Uma pequena leva composta pelo prefeito de Alborge e vários falangistas os descobriram perto da passagem do barco. O calendário apontava para o dia 27 de maio quando houve um tiroteio no Ebro: “Capdevilla respondeu aos tiros dos franquistas com um estouro de metralhadora”. Todos eles fugiram, exceto um que estava deitado no chão”. Três dias após ser ferido, o prefeito, Enrique Laborda, morreu.

Após o incidente e na certeza de que a perseguição iria se intensificar, os libertários concordaram em se separar. O último a participar da expedição, Sánchez Triviño, fugiu por conta própria e foi preso quatro dias depois. O mesmo aconteceu com Alfredo Cervera, que estava prestes a cruzar clandestinamente para a França. José Ibáñez conheceu o mesmo destino em Valência. Fabian Nuez de Teruel, Rogelio Burillo e Jorge Camon vaguearam por um mês e meio até serem mortos em uma emboscada em Caspe.

Enquanto isso, os cinco restantes – entre eles Ángel Fernández – caminharam rio abaixo durante vários dias. Sem perder de vista o Leste, eles decidiram passar a noite em um local em ruínas, entre Caspe e Fraga. Um deles era para ficar de guarda, mas o cansaço o atingiu e ele adormeceu. Ao amanhecer do dia 6 de junho, foram encontrados pelos guardas do posto de Fraga. O tormento começou: “eles nos colocaram de pé contra a parede em ruínas, continuando a nos bater em todos os lugares”. Todos nós tínhamos rostos sangrentos e corpos doloridos”, escreveu Fernández em suas memórias auto-relatadas. Foram levados para o quartel da Guarda Civil em Caspe, onde o temido Coronel Enrique Eymar os esperava. Em todos os momentos sua obsessão era saber quais eram seus vínculos dentro da Espanha ou onde iriam se refugiar. Os espancamentos que receberam durante o interrogatório foram tão severos que deixaram sequelas entre os detentos por semanas.

Após passarem pela prisão de Huesca, foram transferidos para o Presídio Provincial de Zaragoza, de onde foram libertados para serem julgados em 19 de março de 1950. A sentença foi devastadora: sete dos oito prisioneiros foram condenados à morte.

Depois de passar 55 dias em solitária, à uma hora da manhã de quarta-feira, 10 de maio de 1950, os passos foram ouvidos na galeria. Cinco homens foram retirados de suas celas e levados à capela antes de serem conduzidos ao muro do cemitério vizinho. Enquanto isso, Fernández falava através do muro com Ibáñez, vizinho de seu companheiro de cela: “Disse-lhe que o carcereiro me mandou preparar para mais tarde”, ao que ele respondeu: “ele me disse a mesma coisa”. Os dois jovens libertários ficaram à espera do seu encontro com a morte, pois por enquanto ninguém lhes disse que suas sentenças haviam sido comutadas. Eles ainda estavam esperando quando ouviram o rugido do fuzil e os tiros de graça, pois como diz o historiador Iván Heredia: “das celas da prisão os presos podiam ouvir perfeitamente cada tiro, um som que ecoava na cabeça deles repetidamente, tornando-se um verdadeiro martírio”. A cerimônia de morte continuou com a transferência dos corpos para o necrotério e seu posterior sepultamento na cova comum. José Capdevilla, Alfredo Cervera, Mariano LLovet, Roger Ramos e Manuel Ródenas tinham acabado de se tornar os últimos a serem executados na cidade de Zaragoza.

O final fatídico do grupo ocorreu num período de grave crise na luta anti-franquista e coincidiu com uma queda sem precedentes da guerrilha urbana, “a maior que o movimento sofreu ao longo de sua história” lembrou Luis Andrés Edo. A resistência de Facerías, Quico Sabaté ou Ramón Vila, Caraquemada nada mais foi do que o canto do cisne da geração de combatentes libertários que não abandonaram a luta depois da Guerra Civil.

José Ibáñez Sebastián foi preso na prisão de Ocaña, da qual só saiu em 1970. Ele morreu em 1996 em total miséria. Por sua vez, Ángel Fernández foi solto em 1964 e retomou sua vida em Toulouse. Em outubro de 2010, foi inaugurado o Memorial às Vítimas da Guerra Civil e do Período Pós-Guerra no Cemitério Torrero, em memória de tantos outros homens e mulheres executados em Zaragoza. Ángel Fernández havia completado 85 anos quando soube que, entre as 3.543 placas do Memorial, as de seus companheiros não estavam incluídas. A partir de sua residência no sul da França ele empreendeu uma nova missão e desta vez tudo correu bem: faz sete anos que os nomes dos cinco guerrilheiros anarquistas executados em 10 de maio de 1950 são mostrados ao lado dos de milhares de outros que foram mortos em Zaragoza durante o regime franquista.

Fonte: https://blogs.publico.es/dominiopublico/32790/los-ultimos-ejecutados-en-zaragoza/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=publico&fbclid=IwAR1Eg2ZQuqVefEkNUGBs3qPsBczmCTZ1ctGe6XHYVV6aGU4dOUdSAkaeaqE#

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

No ocaso do outono
só o carrapicho gruda
na velha calça…

Anibal Beça

Leave a Reply