[Alemanha] Trabalhadores sazonais forçam os chefes das fazendas a pagá-los

Credores que haviam assumido a fazenda de aspargos Spargel Ritter em Bornheim, Bonn, pensavam que poderiam fugir sem pagar o que deviam aos trabalhadores mal pagos, mas uma campanha sólida organizada com o sindicato da FAU [União de Trabalhadores Livres, anarcossindicalista] logo desiludiu-os dessa noção.

O problema com Spargel Ritter começou dois meses antes da temporada de colheita que estava para começar em abril deste ano, quando os credores iniciaram processos de falência contra os proprietários Claus e Sabine Ritter. Trabalhadores imigrantes já estavam sendo contratados, principalmente da Romênia, apesar de uma evidente degradação do local, quando os Ritters entraram em problemas financeiros mais profundos.

Um relatório da situação do local em fevereiro descreveu uma bagunça repleta de lixo, onde os contêineres para os trabalhadores não estavam sendo nem mesmo vagamente mantidos e as atividades foram cortadas ao mínimo, uma situação que certamente não melhoraria quando os credores, liderados pelo escritório de advocacia Dr. Schulte-Beckhausen & Bühs se envolveram.

Em vez disso, as coisas pioraram significativamente quando os trabalhadores começaram a chegar para a colheita em meados de abril, pois o administrador principal Andreas Schulte-Beckhausen não tinha intenção de pagar pelo trabalho duro que ele estava impondo a 240 ajudantes de colheita que haviam viajado 1.800 milhas para estar lá.

Em 15 de maio, os trabalhadores esperavam receber os salários pelos quais trabalhavam, mas receberam uma quantia de 100-200 euros por um mês de trabalho nos campos – 3 a 7 euros por dia para deixar suas casas e famílias para viver 4 -5 pessoas em uma sala em barracos cheios de lixo ao lado de uma estação de tratamento de esgoto em uma das regiões mais ricas da Terra, sem garantia de ver o resto, pois os credores tentavam enxaguar a empresa em colapso por tudo o que ela tinha.

Foi um tapa final na cara no topo de uma lista crescente de comportamentos insultuosos dos novos proprietários, que, segundo os trabalhadores, estavam cortando custos sempre que possível, inclusive fornecendo alimentos mofados e estragados, não se incomodando em fornecer aquecedores ou saneamento adequado e, posteriormente, falta de EPI ou medidas de distanciamento do vírus. A segurança era tão ruim que um trabalhador ficou paralisado.

Portanto, a resposta deles foi imediata. Mais de 150 pessoas protestaram no pátio da fazenda, deixando claro que não perderiam mais tempo sem pagamento integral.

A situação subiu de tom rapidamente e, quando a FAU tentou enviar representantes – três membros eram trabalhadores – os administradores tentaram um bloqueio completo, impedindo-os de sair do local. Segurança foi contratada, com grandes custos, e até 20 policiais de Bonn foram convocados para manter o controle, pois os chefes ameaçavam despejar os contêineres superlotados que estavam sendo usados como abrigo para trabalhadores.

No dia 19, cerca de 80 trabalhadores de colheita e um número maior de apoiadores do sindicato marcharam no consulado romeno em Bonn para publicar suas queixas, transformando a questão em uma política internacional, chamando os grandes veículos da mídia que estavam no local para cobrir a questão e pressionando Schulte- Beckhausen, que eles descreveram que estava agindo como a máfia. Um representante da FAU declarou no comício: “A farsa de Spargel Ritter deve agora terminar. Os salários devem ser pagos, as pessoas doentes devem ser cuidadas adequadamente. É insuportável que essa condição continue.”

Um dia depois, mais dinheiro foi recebido magicamente, enquanto os administradores tentavam comprar os protestos o mais barato possível. Mesmo assim, eles tentaram impedir a supervisão sindical, juntando trabalhadores em grupos de dez, expulsando-os da área e permitindo a FAU acesso apenas a um veículo.

A FAU Bonn tuitou: “Atingimos nosso objetivo mínimo: os trabalhadores não estão falidos e não têm perspectiva de serem colocados nas ruas. Agora a batalha legal começa.”

As demandas remanescentes para os trabalhadores da Spargel Ritter incluem:

1- Todos os trabalhadores recebem salários de três meses. O salário mensal é baseado em 30 horas de trabalho por semana, remuneradas a 9,35 € por hora.

2. Todos os trabalhadores que desejarem devem ser apoiados com uma indicação para outras empresas.

3. Uma viagem de volta à sua cidade natal deve ser organizada para todos os trabalhadores que desejam sair, com o empregador cobrindo os custos. No caso de trabalhadores que precisam disso por razões médicas, os custos de devolução do paciente à saúde devem ser pagos.

4. Todos os trabalhadores têm direito a subsídio de doença por dias de doença, à uma taxa regular ao salário.

O confronto legal está agora em andamento, enquanto a FAU tenta fazer valer todos os direitos dos trabalhadores e, eventualmente, levá-los para casa com seu salário integral. O sindicato está pedindo apoio ao seu fundo de assistência jurídica, detalhes abaixo.

FAU IBAN: DE25 3506 0386 1112 5200 05 | BIC: GENODED1VRR | Referência: Asparagus Ritter

Fonte: https://freedomnews.org.uk/germany-seasonal-workers-force-farm-bosses-to-pay-up/

Tradução > A. Padalecki

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/05/21/video-trabalhadores-sazonais-romenos-na-alemanha-entraram-em-greve/

agência de notícias anarquistas-ana

ipê florido
as abelhas zunem
folhas caídas

Rubens Jardim

Leave a Reply